1ª Convenção ASA reúne organizadores e define futuro dos shows aéreos no Brasil.

domingo-no-campo-de-marte-one-002-copia
O potencial brasileiro para shows aéreos, espelhamento em modelos estrangeiros que deram certo, marketing e captação de recursos. Esses foram alguns dos itens da agenda do ASA BRASIL – 1ª Convenção para Agenda de Show Aéreo Brasileira, encontro realizado em São Paulo que contou com a presença de 150 profissionais ligados à aviação, entre pilotos de aviação civil e militar, patrocinadores e organizadores de eventos aéreos.

A abertura geral da convenção contou com a apresentação do Tenente-Coronel Álvaro Escobar Veríssimo, piloto Ala Direita Externa da Esquadrilha da Fumaça. Ele ressaltou a necessidade de criação de uma pré-agenda de eventos para 2017. O Comandante da Esquadrilha da Fumaça, Tenente-Coronel Líbero Onoda Luiz Caldas, abordou o potencial do Brasil para a realização de eventos e shows aéreos. “Para alcançarmos um ideal de programação anual de eventos, devemos priorizar a profissionalização dos organizadores, a melhoria na legislação, na estrutura dos eventos e o aumento da participação da aviação militar”, defendeu.

Participante da convenção, o astronauta brasileiro Tenente-Coronel Marcos Pontes comentou sobre a relevância do evento. “O ASA BRASIL tem dois objetivos importantes. O primeiro deles é a regulação de todo esse sistema de promoção de eventos aéreos de forma a ser mais operacional e seguro. E o segundo objetivo é a criação de um cronograma anual, pois é extremamente necessário juntar forças para a realização dessas atividades. Quanto mais jovens pudermos influenciar com esse tipo de iniciativa, melhor será”, explicou.

Para elucidar exemplos já consagrados de shows aéreos, o Tenente-Coronel Gil Eduardo de Lima e Silva, do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, apresentou a palestra intitulada “Modelos estrangeiros de show aéreo – segurança para demonstradores e para o público”. Entre os assuntos abordados, ele mostrou um panorama sobre os shows aéreos internacionais, como características da organização e regulamentações. Seguindo a programação, o Coronel César Tuna abordou o “Planejamento e organização de show aéreo” em sua apresentação. Ele mostrou como é imprescindível a preparação com antecedência dos eventos para que o planejamento seja concluído com mais segurança.

Outras palestras foram apresentadas, contribuindo para a reflexão sobre os assuntos dos shows aéreos. Com o tema “Marketing e captação de recursos”. A palestrante Paula Faria, do IBAS, compartilhou sua experiência na área e na organização do maior evento aeronáutico do Brasil, o IBAS 2017. Sobre o cenário de patrocinadores, o palestrante Cristiano Carvalho mostrou o tema “Sponsorship em show aéreo”, explicando como atrair empresas para patrocinar os eventos de aviação.

Felipe Pezano, da ANAC, destacou que o existe um grande potencial de difusão da modalidade no Brasil. Ele propôs à FAB uma reunião na Anac para debater o profissionalismo do show aéreo. Para finalizar, o Major Murillo Boery expôs “A visão do SIPAER (Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) a respeito de shows aéreos no Brasil”.

 

Luis Neves

É agente de turismo e acompanha a evolução da aviação brasileira desde o final da década de 80. Fotografa tudo o que voa e tem uma das maiores coleções de fotos de aviação do Brasil.