Aéreas lançam o guia que todo o passageiro de avião deve ter.

abearcapa

O avião é o meio de transporte que mais cresce na preferência dos turistas, de acordo com estudos do Ministério do Turismo. Ele é responsável pelos deslocamentos de mais da metade (60,4%) dos brasileiros que deseja viajar pelo país.

O número de desembarques também revela esse escalada: no ano passado, os aeroportos brasileiros registraram 94,6 milhões de desembarques. Em 2004 foram 36,5 milhões. Apenas de brasileiros.

Para atender especialmente a esses novos consumidores, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) lançou uma publicação eletrônica Voar Melhor – Guia do Passageiro com dicas sobre como economizar na compra da passagem, como não errar na documentação e como embarcar na gravidez, com crianças de colo ou em caso de alguma deficiência. O guia também traz telefones úteis para momentos de emergência.

A publicação ainda disponível gratuitamente na Apple Store. Confira algumas dicas para fazer uma viagem tranquila. Algumas dicas são óbvias para alguns, mas nem todo o mundo as conhece:

 

Na hora de comprar a passagem

Para economizar, compre a passagem com antecedência e, se possível, dê preferência aos períodos de baixa temporada.

As passagens são intransferíveis. Por isso, é necessário preencher com cuidado o nome do passageiro.

As regras para gestantes não são padronizadas entre as companhias aéreas, mas, em geral, nos primeiros meses se exige a apresentação de atestado. Já a partir da 25ª (ou 28ª semana, dependendo da companhia), costuma ser necessário apresentar um atestado médico autorizando a viagem. No último mês de gestação, o embarque não é permitido.
Bebês com mais de sete dias de vida já podem embarcar, mas alguns pediatras recomendam esperar pelo menos 28 dias de vida antes do bebê fazer sua primeira viagem.
As regras para a cobrança de passagem de crianças variam de acordo com cada empresa.
Durante os preparativos para a viagem

Os documentos para o embarque em viagens nacionais são: carteira de identidade (RG), carteira nacional de habilitação (CNH), carteira de trabalho, carteira profissional (por exemplo, CREA, OAB etc.) ou passaporte.

O embarque de passageiros com deficiência ou mobilidade reduzida é realizado com prioridade em relação aos demais passageiros. Para isso, é importante estar no portão de embarque com pelo menos 1h30 de antecedência para voos nacionais.
No aeroporto

Quando o passageiro chega ao aeroporto, ele precisa confirmar sua presença, despachar a bagagem e pegar o cartão de embarque. Esse procedimento é chamado de check-in. Ao fazer o check-in, é bom manter à mão o documento com foto e o cartão de embarque.

Antes de entrar na sala de embarque, o passageiro passa por uma inspeção obrigatória, onde deverá colocar numa esteira de raio X a bagagem de mão e qualquer objeto metálico que esteja levando consigo. Para garantir a agilidade, o ideal é separar esses itens antes de chegar a sua vez.

O passageiro também passa pelo detector de metais. Pessoas com marca-passo ou implante coclear (aparelho auditivo) estão liberadas dessa etapa, desde que apresentem a documentação adequada: carteirinha de portador de marca-passo/ implante e laudo médico com CID, no caso do aparelho auditivo.

Na sala de embarque, fique atento aos painéis de informação e alto-falante. Embora constem no bilhete o horário e o número do portão de embarque, essas informações podem mudar.

Em caso de atraso no voo, os passageiros terão direito a algumas compensações, dependendo do tempo de espera.

– A partir de uma hora: comunicação;

– a partir de duas horas: alimentação;

– a partir de quatro horas: acomodação ou hospedagem (caso o passageiro precise passar a noite e não more na cidade de onde parte o voo) e transporte de ida e volta ao aeroporto.

– se o atraso for superior a quatro horas ou houver cancelamento de voo a empresa aérea deverá oferecer ao passageiro opções de acomodação de voo ou reembolso integral do bilhete.
No avião

Mascar chicletes e bocejar alivia a pressão nos ouvidos durante o voo. Tampão de ouvido também protege os ouvidos da pressão e do ruído da turbina do avião.

Durante o pouso e decolagem, todos os aparelhos eletrônicos devem ser desligados. Já no tempo restante do voo, é permitido usar laptops, câmaras e tocadores de MP3, entre outros aparelhos, além de tablets e celulares em modo avião.
No desembarque

Se a bagagem despachada não chegar, o passageiro deverá procurar um funcionário da empresa aérea antes de sair da sala de desembarque. Quando a bagagem for localizada, a empresa a devolverá para o endereço informado pelo passageiro. Caso não seja localizada no prazo de 30 dias, a companhia aérea entrará em contato com o passageiro para indenizá-lo.

Caso a bagagem despachada seja violada ou danificada, é importante que o passageiro procure um funcionário da empresa aérea antes de sair da sala de desembarque.

Amanda Lavor – Ministério do Turismo