Aeroporto de Paulo Afonso completa 36 anos.

fachada-lado-ar-paf-infraero
O Aeroporto de Paulo Afonso (BA) completa 36 anos de operações nesta sexta (23/12). Localizado numa área estratégica, ao norte da Bahia, o terminal atende aos 500 mil moradores da cidade e dos municípios do entorno, além de oferecer suporte a outras localidades que fazem fronteira com o estado como: Delmiro Gouveia (AL), Petrolândia (PE) e Canindé do São Francisco (SE).
A cidade de Paulo Afonso é conhecida por suas usinas hidrelétricas e seus famosos cânions do Xingó, que atraem aventureiros adeptos do ecoturismo, seduzidos pelas belezas do Rio São Francisco e do sertão nordestino.

De acordo com o superintendente do aeroporto, George Torres dos Santos, o grande potencial turístico e de negócios da região faz do terminal baiano um importante instrumento para o desenvolvimento da economia local, à medida que torna mais ágil o deslocamento das pessoas, facilitando a viabilização de negócios e o desenvolvimento do turismo na região. “Por estar numa localização estratégica, o terminal proporciona desenvolvimento não só para a cidade de Paulo Afonso, mas também às cidades do entorno são beneficiadas”, explica.

O terminal baiano funciona também como apoio estratégico ao complexo hidrelétrico da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF). Construído em 1972, o aeroporto pertencia ao Departamento de Aviação Civil (DAC), sendo transferido para Infraero em 1980.

Os voos regionais para o Aeroporto de Paulo Afonso são operados com aeronaves do modelo ATR-72, capaz de transportar cerca de 70 passageiros. O terminal tem capacidade para receber mais de 500 mil de passageiros por ano e atualmente oferece voos regulares para Salvador, em dois dias da semana, operados pela Azul Linhas Aéreas Brasileiras.

Da Assessoria de Imprensa – Infraero

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

5 Comments:

  1. Pensei q fosse o Afonso Pena de Curitiba !

  2. Parabéns… Mas que empresas aéreas operam por lá?

  3. Muito legal, mas apenas 2 voos semanais é muito pouco pra atender uma população de 500 mil habitantes. O País continua refém da Azul no quesito aviação regional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *