Aeroporto do Recife tem aumento nas cargas de exportação.

Imagem: Divulgação / Infraero.

O terminal de logística de carga (Teca) do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre (PE) registrou, no primeiro trimestre de 2017, um crescimento de 9,1% no setor de exportações. Entre janeiro e março de 2017, o complexo logístico recifense contabilizou 1.575 toneladas ante as 1.443 toneladas movimentadas entre janeiro e março de 2016. O resultado representa 67,8% do total de volumes do Teca no primeiro trimestre do ano.




Os principais produtos movimentados no setor de cargas de exportação foram pescados resfriados, como atum e meca, produtos ortopédicos, sandálias, frutas, especialmente mamão e manga, e painéis solares.

Neste trimestre, o Teca também registrou aumento na movimentação total de cargas em relação ao mesmo período em 2016. Foram 2.253 toneladas em 2017 contra 2.231 toneladas processadas em 2016.

De acordo com o gerente de Negócios em Logística de Carga do Aeroporto do Recife, Rodrigo Moroni, este aumento é resultado das boas condições do mercado internacional, e do dólar favorável. Além disso, o Teca de Recife usa uma nova metodologia de abordagem do mercado. “Vamos ao encontro do cliente, ofertamos o nosso produto com uma política tarifária flexível, com condições de competir com o mercado de igual pra igual”, afirma Moroni.

Além da prospecção do cliente, o terminal de logística de Recife conta também com uma estrutura que funciona de domingo a domingo, inclusive nos feriados. “Se o cliente precisar, liberamos ou recebemos a carga nos finais de semana e em feriados, pois sabemos da necessidade das empresas, que precisam movimentar os seus produtos no tempo certo para não correr o risco de perder as mercadorias”, conclui o gerente.

O terminal de logística de carga do Guararapes possui uma infraestrutura moderna e variada para o processamento das cargas, contabilizando empilhadeiras com capacidades de 3 e 7 toneladas, aparelho de raios x para carga, porta-paletes para armazenamento verticalizado, balanças de capacidades variadas (30, 500 e 7.000 Kg), racks fixos e móveis para movimentação de cargas, paleteiras manuais, plataformas hidráulicas, entre outros.

Imagem: Divulgação / Infraero.

Novas instalações para armazenamento de cargas refrigeradas

Em abril, o complexo logístico do Aeroporto do Recife recebeu uma nova sala climatizada, ampliando suas instalações para o armazenamento de cargas que requerem condições de temperatura diferenciadas. O ambiente de 150 m³ e 42 posições de armazenagem armazena cargas entre 15C° a 25C°, ideal para atender à demanda de hemoderivados e equipamentos médicos hospitalares.

O espaço possui equipamentos de refrigeração específicos. Com isso, cargas dos diversos segmentos que necessitam de controle de temperaturas são armazenadas, de acordo com as condições de temperatura e umidade adequadas a cada produto. A sala conta com sistemas de gerenciamento e monitoramento, contendo registros de todas as condições da armazenagem e rastreabilidade do período da estocagem.

Com essa área, o Teca do Recife passa a contar com 946,46 m³ de complexo climatizado, possibilitando o aumento do volume de cargas e a atração de clientes potenciais. Os investimentos foram de aproximadamente R$ 30 mil.

 
Informações pela Assessoria de Imprensa da Infraero.
 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é assessor de editoria do AEROIN.

Um Comentário:

  1. Ai sim pode ser agora colocar joi como um aeroporto em expansão na área de cargas não dá…pois nem aeronaves de carga recebe so porão de aeronaves de passageiros ao contrário de Recife que um grande polo exportador e recebes vários cargueiros inclusive de grande porte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *