Aeroporto Internacional de Boa Vista completa 44 anos.

Imagem: Divulgação / Infraero.

O Aeroporto Internacional de Boa Vista / Atlas Brasil Cantanhede (RR) completa 44 anos neste domingo (19/2). Localizado a 3,5 km do centro da capital roraimense, o terminal foi inaugurado em 1973 e passou a ser administrado pela Infraero no ano seguinte. Com funcionamento 24 horas por dia, o aeroporto liga Boa Vista a Brasília e a Manaus por meio das companhias aéreas GOL, Latam e Azul.




Na década de 1980, auge do garimpo na região Norte, o Aeroporto de Boa Vista foi um dos mais movimentados do país, chegando a processar diariamente uma média de 400 pousos e decolagens de aeronaves de pequeno porte, que levavam mantimentos e traziam ouro e diamante das reservas Yanomami. Anos mais tarde, em 1998, o terminal de passageiros foi reformado, assim como a pista de pouso e decolagem e o pátio de manobras. Já em 2009, foram implementadas melhorias na arquitetura e o terminal ganhou novos elevadores, escadas rolantes e duas pontes de embarque.

O terminal de passageiros conta atualmente com 4.798 m² e a pista de pousos e decolagens com 2.700 metros de comprimento por 45 metros de largura. Os passageiros também dispõem de bancos (caixas eletrônicos), loja de artesanato, agência de turismo, locadora de veículos, táxis, banca de revistas, guarda-volumes e praça de alimentação.

O superintendente do aeroporto, Carlos Augusto Santos de Andrade, destaca que o terminal é uma importante porta de entrada para a cidade e contribui para o desenvolvimento regional da capital mais distante de Brasília, e a única situada acima da linha do Equador. “O aeroporto é a forma mais rápida de acesso à Boa Vista, facilitando o comércio na Região Norte e também aproximando o Brasil de destinos internacionais como Caribe, Guiana e Venezuela, pelo fato de a cidade estar no estado mais ao Norte do País”.

Com capacidade para receber 1,4 milhão de passageiros por ano, em 2016 foram registrados 291.163 embarques e desembarques. O nome – Atlas Brasil Cantanhede – é uma homenagem ao piloto de aeronaves pioneiro no então Território Federal de Rio Branco durante a década de 1950.

Imagem: Divulgação / Infraero.

 
Informações pela Assessoria de Imprensa da Infraero.
 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é assessor de editoria do AEROIN.

3 Comments:

  1. Esse eu conheço quando fui para o Haiti…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *