Air France lança Joon, nova low-cost que deverá voar para o Brasil.

A Air France apresenta a sua nova companhia aérea Joon, conhecida até hoje como “projeto Boost”, que começará a operar voos de média distância partindo de Paris-Charles de Gaulle no início do outono europeu, já no próximo trimestre, e posteriormente de voos de longa distância em meados de 2018.




A Joon é destinada especialmente a jovens profissionais e aos millennials (Geração Y com idade entre 18 e 35 anos), cujos estilos de vida giram em torno das tecnologias digitais. Essa nova marca foi inteiramente desenvolvida para atender às necessidades e aspirações desse grupo, com uma oferta autêntica e conectada que se destaca no mundo do transporte aéreo.

Apesar da Air France alegar que a companhia Joon não é uma low-cost, o projeto Boost foi criado para ser uma aérea de baixo custo e oferecer um produto mais barato, que atenderia principalmente a população mais jovem que não tem tanto poder aquisitivo. E principalmente fazer concorrência frente a Norwegian Air, que é a maior low-cost de longo distância do mundo, e também a LEVEL, companhia que iniciou as operações recentemente foi criada pelo grupo IAG (British Airways e Iberia).

“Começamos pelo nosso segmento-alvo de cliente, os millennials, para criar essa nova marca que tem um significado para eles. Nossa ideia era simples: encontrar um nome para ilustrar um estado de espírito positivo. Essa geração nos inspirou muito: epicuristas e conectados, eles são oportunistas no sentido positivo da palavra, pois sabem como aproveitar cada momento e estão em busca de experiências de qualidade que desejam compartilhar com outros. A Joon é uma marca que carrega esses valores”, afirma Caroline Fontaine, vice-presidente de marca da Air France.

“Com a Joon, criamos uma marca jovem e conectada que dará um novo impulso ao Grupo Air France-KLM. Projetada para clientes da Geração Y, oferecerá mais do que apenas um voo e uma tarifa; oferecerá uma experiência de viagem completa. Daremos mais informações em setembro, com detalhes sobre o conteúdo da marca, produtos, serviços, destinos e tarifas”, comenta Dominique Wood, vice-presidente executiva de marca e comunicação da Air France.

Frota e voos para o Brasil

A frota da Joon será constituída inicialmente por aeronaves Airbus A321 para rotas internacionais de média distância (duração entre 4h e 6h). A partir do verão europeu de 2018 a companhia irá receber os seus três primeiros Airbus A340-300, que operam atualmente pela Air France.

Já no inverno europeu de 2018 chegam seis aeronaves A320 para complementar a frota de média distância. Um ano depois o primeiro A350-900 será entregue à companhia, que originalmente seria o primeiro entregue à Air France, com número de série 338.

Anteriormente foram divulgados alguns destinos para o então Projeto Boost, que deverão ser confirmados em setembro próximo, mas estão sujeitos a mudanças. Os destinos mencionados foram Bamako – Mali, Bangkok – Tailândia, Buenos Aires – Argentina, Osaka – Japão e Rio de Janeiro – Brasil.

Caso se confirmem os voos para o Rio de Janeiro, a capital carioca será a primeira cidade brasileira a receber uma companhia low-cost de longa distância.

Com informações da Airways Magazine e da Assessoria de Imprensa da Air France.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.
  • Ailton

    Não, o Rio de Janeiro já recebe voos low cost de longa distância. A cia. suíça Edelweiss opera dois voos semanais entre Zurique e Rio.

    • Carlos Martins

      A Edelweiss é uma cia aérea turística, ou leisure airline. Opera em rotas não operadas pela “mãe” Swiss, e principalmente faz voos e rotas baseados na venda de pacotes na sua agências e agências parceiras.
      A Joon pode ser o caso disso, mas pelas rotas divulgadas na época do projeto Boost e as intenções, não vai ser, e os “millenials” não tem costume de utilizarem agendas e pacotes fechados.