Airberlin anuncia reestruturação e transferência de 35 aeronaves à Eurowings.

Imagem: airberlin.

Imagem: airberlin.

A airberlin anunciou uma reestruturação de seus negócios que visa concentrar a operação em voos de carreira e focar nos mercados de maior rendimento, a partir de seus dois grandes hubs em Berlim e Dusseldorf, com uma frota de 75 aeronaves. Os voos turísticos serão combinados em uma unidade de negócios com operação independente.

Para empregar a capacidade excedente de tripulação e aeronaves, a airberlin pretende fornecer 35 aeronaves Airbus da família A320 à Eurowings, alugadas (wet lease) sob um acordo de seis anos (ainda sujeito à autorização regulatória). Ambas as empresas fazem parte do grupo Lufthansa.

A partir de meados de 2017, a airberlin utilizará em suas operações 17 aeronaves Airbus A330 para voos de longa distância, e 40 aviões da família A320 e 18 do modelo Bombardier Q400 para voos de curta/média distâncias, incluindo importantes centros comerciais em toda a Europa. Com a reestruturação, serão deixados de lado os aeroportos alemães de Frankfurt, Hamburg, Paderborn, Cologne, Nuremberg e Leipzig.

“Essa reestruturação das nossas operações está relacionada com um novo enfoque que garantirá um novo futuro”, afirma Stefan Pichler, diretor executivo da airberlin. “Agora a principal proposta da airberlin para o futuro está clara: atuar com foco em voos de carreira e servir os mercados de maior rendimento a partir de dois hubs em Berlim e Dusseldorf. Somos uma airberlin mais enxuta, mais ajustada, mais sólida e com um futuro brilhante.”

A programação de voos de longas distâncias da airberlin será expandida com novas rotas e frequências adicionais, particularmente para os Estados Unidos. Já o programa de curta e média distâncias da companhia aérea se concentrará nos mercados estratégicos para negócios durante todo o ano com um foco na Itália, Escandinávia e Europa Oriental. Também terá como objetivo conquistar maior participação no mercado de viagens de negócios domésticas.

Será necessário manter uma equipe menor e, portanto, até 1.200 posições serão eliminadas. A empresa afirma que tem o objetivo de definir demissões voluntárias e compulsórias até fevereiro de 2017, trabalhando estreitamente com os representes e sindicatos envolvidos em todo o processo de mudança. Oportunidades de recolocação no grupo de companhias aéreas Etihad Airways Partners, que inclui Jet Airways, Air Serbia, Etihad Regional, Alitalia, Air Seychelles e Etihad Airways, serão estudadas para que sejam oferecidas aos funcionários.

“Entendemos claramente que demissões são indesejáveis, mesmo em um mercado dinâmico como a Alemanha. Precisamos reduzir nossa equipe, mas tentaremos fazê-lo de forma solidária, oferecendo novas oportunidades para os funcionários, sempre que possível”, comenta Pichler.

Eurowings cresce!
Com o acordo para o recebimento das 35 aeronaves da airberlin, somadas a uma parte da frota da SN Holdings (Brussels Airlines) adquirida pelo grupo Lufthansa, a Eurowings passará a ser a terceira maior companhia Low Cost da Europa, atrás apenas de Easyjet e Ryanair.

As aeronaves devem ser transferidas até o final de março de 2017, e voarão nas cores da própria Eurowings, fortalecendo seu novo hub em Munich, além de algumas operações em Vienna, Palma de Mallorca e outros 6 aeroportos alemães. A Eurowings não pretende voar as mesmas rotas deixadas pela airberlin.

 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.