ATR apresenta versão STOL do ATR 42-600, que pode pousar em Angra dos Reis.

A ATR apresentou no Paris Air Show 2017 a nova versão do seu ATR 42-600, com capacidades STOL (Pouso e decolagem curtos, em inglês). A fabricante de aviões turboélices regionais está pronta para oferecer a nova versão, denominada ATR 42-600S, para os atuais e futuros clientes.




O ATR 42-600S vai reduzir substancialmente o comprimento mínimo de pista requerido para pouso e decolagem com capacidade máxima de passageiros, chegando a apenas 800 metros. Estas melhorias na performance do 42-600S permitem a sua operação em centenas de aeroportos no mundo, que antes não eram capaz de receber uma aeronave deste porte, resultando em novas oportunidades de rotas para os seus operadores.

Atualmente a frota mundial de aviões regionais é de 2.200 aeronaves entre 30 e 50 assentos. Desta frota, aproximadamente 60% (1.200 aeronaves) são turboélices e promovem um serviço essencial para comunidades remotas. Estes turboélices regionais operam em mais de 3.100 rotas hoje, sendo que um terço delas dependem exclusivamente destes aviões.

O ATR 42 tem custo, por viagem, de aeronaves com 30 assentos, porém o mesmo leva até 50 passageiros + carga. A ATR vê um potencial de mais de 600 entregas para o mercado de aeronaves turboélices na categoria de 50 assentos nos próximos 20 anos.

O CEO da ATR, Christian Scherer, declarou: “Facilitar a demanda do tráfego futuro e também manter a conectividade com as comunidades é o coração do mercado da ATR. Por isso nós decidimos atender as demandas de acessibilidade a pequenos aeroportos, permitindo um crescimento em serviços aéreos para áreas remotas.”

Operações no Brasil

O ATR 42-600S possui um grande mercado no Brasil, que conta com dezenas de pistas curtas e críticas. Vale lembrar que o valor mínimo de 800 metros para pouso e decolagem é para operações com peso máximo. Quanto menor o peso, menor a pista, permitindo uma operação, ainda que limitada, em aeroportos com menos de 800 metros.

Atualmente o ATR é utilizado no Brasil pela Azul Linhas Aéreas, Passaredo e MAP Linhas Aéreas. Estas dominam o mercado regional com utilização extensiva dessa aeronave, que se provou uma ótima ferramenta para se operar na infraestrutura antiga e defasada do Brasil.

Aeroportos como os de Jacarepaguá, Angra dos Reis, Ubatuba e Canela poderiam contar com voos regulares e sem restrição de carga ou passageiros. Apesar de nenhuma encomenda oficial ainda, o mercado latino-americano é um dos alvos da ATR com esta nova versão. Abaixo a ficha técnica do ATR 42-600S:

Capacidade de passageiros: 30 a 50
Motores: 2x Pratt & Whitney Canada PW127M
Potência máxima na decolagem: 2.400 cavalos por motor
Peso máximo de decolagem: 18.600kg
Carga paga máxima: 5.500kg
Alcance máximo com máximo de passageiros: 800 milhas náuticas (1.483km)

Informações pela Assessoria de Imprensa da ATR. 

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.

Um Comentário:

  1. A AZUL que, num curto período de tempo, usou o ATR 42 na pista de Macaé-RJ (MEA) bem que poderia adotar essa aeronave para voltar para lá com essa nova aeronave. A ligação que entre Rio e Macaé que leva quase 3 horas por via terrestre, ficaria limitada a 30 minutos e a distância entre Macaé e Campinas que demora 13 horas de ônibus ou 9 horas de carro, facilmente seria feita em 1:30h.
    Vamos ver se alguma empresa regional se habilita.

Comente