AZUL promete mudar o conceito de viagem internacional

AZULA350

Caros leitores, tenho grande satisfação em comentar para vocês essa notícia que repercutiu muito bem pelos mais diversos veículos de mídia nesta quarta-feira. A notícia se propagou quase que em tempo real; enquanto o CEO da Azul, David Neeleman, anunciava as novidades a partir da base da empresa em Campinas, a chegada dos novos aviões já era propagada com vigor pela grande rede.

Bem, e uma das promessas do executivo-chefe Neeleman é revolucionar o transporte aéreo internacional no Brasil, com uma série de diferenciais ainda não divulgados. A contar de como a Azul faz no mercado domésticom podemos esperar boas novas em breve. Prometo que, quando tivermos mais informações, vou comentar também e comparar com os serviços de transporte aéreo que atualmente estão disponíveis para nós, brasileiros.

Para não acabar sem um pouco de ‘numerologia’, até por que os números da empresa são interessantes: tendo iniciado em dezembro de 2008, hoje a empresa é a terceira maior do Brasil e emprega quase 10.000 funcionários (chamados “Tripulantes-Azul”). Tem uma frota de 136 aeronaves e voa para 104 destinos em cerca de 900 voos diários. Atualmente detém  17% do market share do setor aéreo após a fusão com a Trip e já anunciou interesse em lançar-se na Bolsa de Valores de São Paulo.

Como administrador que sou, acho empolgante ver a empresa aérea evoluir dessa forma, resultado de uma gestão arrojada e com visão de futuro, principalmente por enfrentar os obstáculos que a gestão de uma aérea sugere (os custos de combustível que o digam!).

Sucesso à Azul!

 

Confira abaixo o release completo da empresa:

São Paulo, 23 de abril de 2014 – A Azul Linhas Aéreas Brasileiras inicia importante marco em sua história. A companhia anuncia hoje um plano de expansão, que contempla uma nova frota de 11 aeronaves de grande porte. Com elas, a empresa pretende iniciar voos diretos de Campinas para os Estados Unidos a partir do primeiro trimestre de 2015. Esta operação confirma a Azul como uma nova empresa aérea de bandeira brasileira.

Para permitir essa expansão, serão incorporados cinco Airbus A350-900 – a mais avançada aeronave comercial do mundo – com entrega prevista para início de 2017, e mais seis Airbus A330-200, cujas entregas devem começar ainda no primeiro semestre deste ano. Dessa maneira, pelos próximos três anos, serão acrescidas 11 aeronaves wide-body (fuselagem larga) aos atuais 80 Embraer e 56 ATR.

“Somos hoje a companhia que melhor integra todo o Brasil. Com 104 destinos servidos no mercado doméstico, vamos alimentar vigorosamente os voos internacionais, unindo todo o Brasil ao mundo com conexões eficientes e serviços frequentes”, diz David Neeleman, Fundador e CEO da Azul. “Esse sempre foi um pedido de nossos Clientes. Por isso, queremos proporcionar uma nova experiência nos voos internacionais, com segmentação de tarifas e serviços, seguindo o que estamos fazendo em todo o país.”

Oito das onze aeronaves serão arrendadas junto à ILFC (International Lease Finance Corporation) – referência mundial em leasing e locação de aeronaves. Quanto às demais, ainda não está definido pela companhia como será feito o negócio. Todas serão tracionadas por motores Rolls-Royce Trent, considerados os mais modernos, econômicos e confiáveis em todo o mundo.

O padrão de configuração das novas aeronaves prevê três classes de serviço. No caso dos A330-200, a companhia deverá manter as configurações atuais. Gradativamente, os interiores receberão um novo pacote de melhorias, que incluirá uma total remodelagem, de maneira a oferecer uma experiência com o padrão de qualidade da Azul, com novos sistemas de entretenimento de bordo.

Já os A350-900 deixarão a fábrica em Toulouse, na França, equipados com a configuração a ser escolhida pela Azul. “Ao somarmos a enorme capacidade e a vasta gama de opções que essas aeronaves oferecem com o jeito Azul de ser e de fazer, estamos confiantes de que mudaremos o conceito de viagem internacional para os brasileiros”, afirma Neeleman.

Para atender a essa demanda, a companhia dará preferência à promoção interna de seus atuais aeronautas, proporcionando a eles uma oportunidade de crescimento e de carreira. Para operar essas novas aeronaves serão necessárias mais de mil colaboradores.

Com apenas cinco anos de operações no país, a companhia já sedimentou sua presença em todos os estados e principais centros urbanos do Brasil. “Com a performance incomparável de nossa frota de jatos Embraer, construímos uma capilaridade incontestável e um poderoso sistema de distribuição de voos baseado no aeroporto de Viracopos, em Campinas – o maior hub doméstico do país medido em número de destinos sem escalas –, a companhia sente-se confiante no sucesso desta ambiciosa expansão”, complementa Neeleman.

 

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *