Boeing 777 completa 23 anos de voos.

Foto: Benito Latorre/AEROIN

O dia 12 de junho marcou os 23 primeiros anos de operação ao redor do mundo de um projeto inovador, recordista e revolucionário. Mais do que generosos, esses adjetivos são justos para descrever um avião que é considerado o ‘estado-da-arte’ da indústria aeronáutica mundial, o Boeing 777.




Preparamos uma coletânea de fatos históricos para que você se torne mais íntimo dessa incrível máquina, que acaba de completar mais um aniversário realizando diariamente centenas de voos ao redor do mundo, e que ainda figura entre os mais modernos aviões em operação comercial.

Um projeto inovador e recordista

Nascido em outubro de 1990, o Triplo-7 foi o primeiro avião da Boeing desenhado totalmente com auxílio de computação gráfica em 3D. Também foi o pioneiro na adoção de controles fly-by-wire, aviônicos configuráveis por softwares, cockpit eletrônico e o primeiro a usar fibra óptica nas conexões de aviônicos.

Seu desenvolvimento contou com a consultoria das oito maiores empresas aéreas do mundo na ocasião, e isso ajudou a criar uma máquina que fosse resiliente e insuperável, por muito tempo. A partir do 777, a prática de convidar empresas aéreas para participar do desenvolvimento de projetos de aviões tornou-se uma praxe de mercado.

Após um período exaustivo de testes, aos 7 de junho de 1995 decolava o voo comercial inaugural da aeronave, operado pela United Airlines, na rota entre Londres e Washington. O prefixo da aeronave não poderia ser outro senão N777UA.

Em 1996, o projeto do 777 foi premiado como um dos mais revolucionários da indústria aeronáutica em todos os tempos pelo Museu Aeroespacial do Instituto Smithsonian, dos Estados Unidos.

Hoje, continua sendo o maior jato bimotor do mundo em comprimento, com 73,9 metros (versão -300) e seu motor é, em diâmetro, o maior de toda a indústria aeronáutica, com 3,4 metros (variante GE90).

 

É o avião wide-body (‘corpo largo’) mais vendido do mundo. Até maio de 2017, haviam sido encomendados 1.911 aviões, dos quais 1.490 já foram entregues. A maior frota do mundo pertence à Emirates, com 161 Boeing 777 voando, inclusive em voos para o Brasil.

A versão 777-200LR é a aeronave de maior alcance do mundo, habilitada a voar mais do que meia volta ao mundo. É seu o recorde de maior voo realizado por uma aeronave comercial. O evento aconteceu em 2005, quando um LR voou entre Hong Kong e Londres sem escalas, cumprindo 21.601 km em 22 horas e 42 minutos de voo. 

Em outubro de 2003, entrou para os livros de história quando atingiu o maior nível em certificação ETOPS de todos os tempos, voando cinco horas e meia com um de seus motores desligado. A marca também foi possível pela confiabilidade do motor General Electric GE90-115B, presente em todos os modelos 777-300ER. O motor é, até hoje, o maior e mais potente da aviação comercial.

Além das marcas históricas, é também considerado um dos mais seguros jatos do mundo. Em sua história de 23 anos, são apenas três acidentes com vítimas fatais, sendo todos eles causados por ações humanas e nenhum por erros de projeto.

Um sucesso entre operadores e passageiros

Pode-se medir o sucesso de uma aeronave por sua carteira de pedidos. Até maio de 2017 haviam sido entregues 1490 unidades do modelo, e ainda há mais 421 pedidos para os próximos anos (fonte: Boeing).

Os números são resultado de um projeto bem desenvolvido e do aprimoramento contínuo realizado ao longo das duas últimas décadas. A absorção de novas tecnologias em componentes e instrumentos de navegação deixaram a aeronave mais econômica, mais amigável ao meio-ambiente e a manteve como um dos carros-chefes da fabricante norte-americana.

Atualmente, são produzidas duas versões da aeronave. Uma delas é o 777-300E e o cargueiro 777F. Em breve também serão iniciadas as produções da série 777X (os recém-batizados Boeing 777-8 e 777-9).

 

Texto: André Le Senechal e Carlos Roman Ferreira.

Fotos: Arquivo Aeroin.

André Le Senechal

Pesquisador apaixonado, piloto privado. Aluno de Aviação Civil na Anhembi Morumbi. Respira o ar do Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos. Assíduo praticante de Plane Spotting e Simuladores de voo.