Boeing põe seus engenheiros para projetar aviões…de papel!

Foto: Boeing Flypaper.

Foto: Boeing Flypaper.

 

No dia 15 de julho de 2016 uma das maiores fabricantes mundiais de aviões completa 100 anos. E como parte das festividades comemorativas, nada melhor do que mostrar ao mundo um dos principais motivos que a faz ser tudo o que é na aviação: a combinação de ciência e arte para inspirar seus projetos.

A Boeing desafiou seus engenheiros a projetarem os melhores aviões de papel que pudessem. E o fez com a certeza de que colocá-los para construir aviões de papel com suas próprias mãos é a melhor forma de inspirá-los no pioneirismo inovativo dos futuros projetos que ocuparão os céus ao redor do mundo nos próximos 100 anos.

Os projetos foram então transformados em arte gráfica para a produção de pôsteres, para venda no loja da Boenig. Os designs destes pôsteres foram ditados pelas características das aeronaves e pela sequência de passos para a transformação do pôster em avião. Bonito na parede como pôster, bonito em voo como avião!

Conheça a seguir os três engenheiros escolhidos como detentores dos melhores projetos do desafio, e veja quais foram suas inspirações e quais características eles consideram relevantes para os projetos da Boeing.

 

Alexandra Sonnabend – Flypaper 02

Foto: Boeing Flypaper.

Foto: Boeing Flypaper.

 

Qual foi a inspiração para o design do seu projeto?

De um ponto de vista técnico, eu procurei manter o centro de gravidade do avião o mais à frente possível e maximizar a área superficial da asa. À medida que fui dobrando-o, percebi que parecia mais e mais com um besouro!

 

O que podemos encontrar no projeto do seu avião que é relacionado ou relevante para um avião da Boeing?

As pontas das asas são anguladas para maximizar sustentação e estabilidade. O avião foi projetado com o “piloto” em mente, como um planador para um voo suave.

 

Elizabeth Benson – Flypaper 01, Flypaper 03

Foto: Boeing Flypaper.

Foto: Boeing Flypaper.

 

Qual foi a inspiração para o design do seu projeto?

Meu primeiro avião foi baseado em um design que minha babá me ensinou quando eu tinha por volta de 5 anos de idade. Nós tínhamos uma sala de estar em um nível mais baixo em casa que proporcionava horas de diversão lançando aviões da grade de proteção, competindo por distância e vendo quais truques eles podiam fazer.

Eu gostava do avião que minha babá me ensinou a fazer porque ele utilizava uma sequência única de dobras, atingia uma longa distância e era resistente. Eu sempre gostei de construir coisas, seguindo instruções, e imaginando como fazer as coisas melhores. Para as grandes dimensões do papel do pôster, eu precisei mudar as dobras das asas de tal forma que elas fossem grandes o suficiente para fornecer a sustentação necessária ao peso do avião.

Meu segundo avião também se assemelha a um avião que eu costumava fazer quando criança. Eu gostava de adicionar dobras extras que o faziam comprido e fino, mas que o faziam voar bem mais rápido. Eu também gostava de origami quando criança e incorporava alguns tipos de dobras de origami nas pontas das asas para fazê-las mais interessantes.

Como estou trabalhando nas pontas de asa dobráveis do 777-9, eu sempre estive buscando incorporar um design de ponta de asa mais interessante nos meus aviões.

 

O que podemos encontrar no projeto do seu avião que é relacionado ou relevante para um avião da Boeing?

Para ambos os projetos, eu descobri que o centro de gravidade (CG) precisava estar localizado um pouco à frente para balancear corretamente a sustentação fornecida pelas asas em voos longos.

O primeiro avião tem um nariz chato que o faz mais seguro e menos danificável em impactos. As asas também precisam ser largas o suficiente para capturarem o ar necessário para manter o avião em voo.

O segundo avião é bastante aerodinâmico e se parece com um jato militar. Eu adicionei dobras na parte de trás das asas para fazê-lo mais interessante e mais parecido com um jato de ataque.

 

Mahesh Chengalva – Flypaper 04

Foto: Boeing Flypaper.

Foto: Boeing Flypaper.

 

Qual foi a inspiração para o design do seu projeto?

Aviões comerciais. Por milhares de anos as distâncias foram enormes barreiras, até o advento da aviação comercial, e então de forma repentina o mundo encolheu. Uma pessoa pode ver um avião comercial a partir de múltiplas perspectivas e ainda assim se impressionar.

O elegante voo de um jato comercial pousando, decolando ou em cruzeiro é algo que eu quis simular com meu avião de papel. Para mim teria sido muito mais fácil fazer um avião de papel que se assemelhasse e voasse como um foguete, mas eu quis tentar capturar ao máximo a essência de um avião comercial.

 

O que podemos encontrar no projeto do seu avião que é relacionado ou relevante para um avião da Boeing?

O design do avião permite um voo estável, que é uma característica de todos os aviões comerciais da Boeing. A forma da fuselagem no avião de papel lembra que um avião comercial da Boeing é longo e uniforme em termos de altura desde a frente até a traseira.

O projeto do avião de papel tem um número mínimo de dobras, que faz sua fabricação mais fácil. Esse é um elemento chave de um avião da Boeing, que é chamado de “design-for-manufacturing”. O design não deve apenas ser o mais elegante e simples quanto possível, mas deve também ser fácil de fabricar.

 

Confira o site especial Boeing Flypaper, criado exclusivamente para o projeto, e conheça mais detalhes sobre essa interessante iniciativa.

 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é assessor de editoria do AEROIN.

2 Comments:

  1. No Brasil projetam de maconha refinada!

  2. Pingback: Aviões de papel | Monolito Nimbus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *