Demanda por transporte aéreo doméstico sobe 2,55% em Maio.

A demanda por viagens aéreas dentro do país engatou o terceiro mês consecutivo de crescimento, com alta de 2,55% em maio ante o mesmo mês do ano passado. A taxa, entretanto, tem se verificado progressivamente mais baixa considerando-se os resultados de 5,90% e 3,20% em março e abril, respectivamente.




Na mesma base de comparação, a oferta2 registrou expansão de 3,24%, superior à evolução da demanda. O descompasso levou à piora do fator de aproveitamento, que caiu 0,53 ponto percentual, situando-se em 77,92% de ocupação dos assentos disponíveis no período. É o primeiro recuo da estatística desde abril do ano passado, o que indica a permanência de instabilidades no mercado. Foram 7,1 milhões de viagens domésticas realizadas no mês, alta de 4,12%.

Os dados são referentes às operações das empresas AVIANCA, AZUL, GOL e LATAM, integrantes da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), que respondem juntas por mais de 99% do mercado doméstico.

Observando os resultados do mês de maio na série histórica, em termos absolutos, à exceção de maio de 2016 os números da oferta são os mais baixos desde 2012, enquanto os da demanda, do volume de passageiros e do fator de aproveitamento são os mais baixos desde 2013.

Como apontado anteriormente, a base estatística de 2016 possui atipicidades decorrentes das instabilidades do quadro político-econômico, o que dificulta análises seguras e limita a realização de projeções. Vale lembrar que apenas em março o setor viu chegar ao fim o ciclo de repetidas retrações da demanda iniciado em agosto/15. Nos meses de março, abril e maio de 2016 o mercado registrou as piores variações de todo o ano passado.

Participação do mercado4 doméstico em maio de 2017:

GOL – 35,28%

LATAM – 32,52%

AZUL – 19,02%

AVIANCA – 13,18%

Transporte internacional

No mercado internacional, com crescimento de 11,98% em maio na comparação com o mesmo mês do ano passado, a demanda das associadas ABEAR permaneceu em alta pelo oitavo período seguido. Ainda que em patamar distinto do mercado doméstico, também nesse caso as taxas de evolução têm sido gradualmente mais baixa ao longo dos últimos três meses.

Na mesma base temporal, a oferta registrou expansão de 8,90% no mês. Com a demanda avançando mais fortemente do que a oferta, o fator de aproveitamento teve melhoria de 2,33 pontos percentuais, situando-se em 84,58% de ocupação dos assentos disponíveis. Somaram 617 mil passageiros transportados nas rotas internacionais pelas aéreas brasileiras, alta de 8,98% sobre o mesmo mês do ano passado.

Os valores de oferta, demanda, volume de passageiros e fator de aproveitamento são os mais elevados para o mês de maio na série histórica. As estatísticas são referentes às operações das empresas AVIANCA, AZUL, GOL e LATAM, que respondem juntas por aproximadamente 30% do mercado internacional.

Participação do mercado4 internacional em maio de 2017 (entre as empresas brasileiras):

LATAM – 80,00%

GOL – 9,74%

AZUL – 10,18%

AVIANCA – 0,09%

Acumulados do ano

No acumulado de janeiro a maio desse ano a demanda doméstica tem crescimento de 0,90% na comparação com igual período de 2016. A oferta, por outro lado, apresenta ligeiro recuo de 0,04%. O fator de aproveitamento registra aprimoramento de 0,75 ponto percentual (80,32% de ocupação). O volume de passageiros avança 0,18%, somando 36,4 milhões de viagens realizadas.

No mesmo período, no mercado internacional a demanda tem crescimento acumulado de 11,19%. A oferta cresceu menos, 6,20%, levando a uma melhoria de 3,83 pontos percentuais do fator de aproveitamento (85,34% de ocupação). Foram 3,4 milhões os passageiros internacionais transportados nos cinco primeiros meses de 2017, o que representa avanço de 10,70% sobre o total do ano anterior.

Pela Assessoria de Imprensa da ABEAR. 

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.

Comente