Embarque internacional do Terminal 2 do GRU Airport será transferido para nova área.

DEPARTURES-HALL
A partir do dia 12 de abril, o embarque internacional do Terminal 2 do GRU Airport – Aeroporto Internacional de São Paulo passa a funcionar no mesmo local onde hoje é realizado o embarque doméstico. A transferência faz parte das obras de modernização do Terminal 2 e visa facilitar a orientação dos passageiros, centralizando em uma única área os embarques doméstico e internacional.

Desde novembro do ano passado, o embarque doméstico é realizado em uma área central do Terminal 2. Agora, com a transferência do embarque internacional para essa mesma área, a Concessionária finaliza mais uma etapa do projeto de modernização.

A estrutura antiga do Terminal 2 contava com quatro áreas de embarque, considerando voos domésticos e internacionais. “Dentro do novo projeto, a ideia é que todos os passageiros acessem a área de embarque por um único local e depois migrem para o respectivo portão do seu voo. Com isso, será mais fácil para o passageiro se orientar no terminal”, destaca o presidente do GRU Airport, Gustavo Figueiredo.

O espaço destinado ao embarque centralizado também pode ser adaptado de acordo com a demanda. Ou seja, se houver um grande número de voos internacionais em um determinado período do dia, é possível ampliar a área de embarque destinada a esse público. O mesmo acontece no caso de horários de pico de partidas domésticas.

As principais melhorias da modernização do Terminal 2 são a ampliação de áreas operacionais, como check-in, restituição de bagagem e saguões de embarque e desembarque, promovendo mais conforto ao passageiro, além de aumentar a eficiência operacional.

Outro importante benefício será o ganho de agilidade no processo de conexão de um voo doméstico para internacional. A partir de agora, o usuário que fizer check-in em algum aeroporto brasileiro para uma viagem internacional com programação de parada em Guarulhos, não precisará mais sair da área restrita de embarque, restituir as bagagens e apresentar-se novamente no balcão da companhia aérea. Todo o processo será feito pela área interna do terminal, sem necessidade de desembarque. “O aeroporto, tal como foi feito, em 1985, não previa área para conexão. Então, havia aquela dificuldade de o passageiro ter que sair, fazer a conexão e embarcar de novo”, explica Figueiredo.

Pelo contrato de concessão, o administrador aeroportuário deve concluir o redimensionamento das áreas operacionais até maio de 2016. Ao todo, serão acrescidos 23 mil m2 de área para a operação e atividade comercial. Até o fim deste ano, a Concessionária também irá promover melhorias no sistema de distribuição de bagagens. Para 2017, estão previstas obras de ambientação, de caráter mais estético.

Nova área comercial

Além de expansão dos setores operacionais, o projeto prevê também uma nova área comercial no embarque doméstico, a GRU Avenue Terminal 2, logo após a inspeção de raio-X. Nesta etapa, são cerca de 3.000 m2 e espaço para mais de 20 estabelecimentos, todos com vista para o pátio de aeronaves.

O estudo para implantação da nova área comercial, que recebe cerca de 25 milhões de passageiros por ano, foi feito pela equipe comercial do GRU Airport e contou com o suporte da consultoria especializada internacional, que definiu a estratégia da oferta de lojas. No corredor de acesso aos píeres de embarque, o passageiro encontrará uma oferta de lojas de alimentação logo após a entrada no conector e lojas de souvenires, presentes, vestuário e acessórios ao longo do trajeto até os píeres.

Os futuros contratos para essa nova área também representam uma mudança de estratégia comercial por parte do aeroporto. A ideia é buscar grupos internacionais e locais que sejam detentores de marcas reconhecidas no mercado. Com isso, espera-se ampliar o número de lojas e, ao mesmo tempo, reduzir o número de contratos que a Concessionária tem atualmente. “Nosso objetivo é ampliar o número de estabelecimentos comerciais e, ao mesmo tempo, aumentar a escala dos contratos comerciais, negociando com players estratégicos que possuam marcas reconhecidas em cada segmento de varejo”, explica Gustavo Figueiredo.

Primeiras ações

Na prática, o projeto de modernização do Terminal 2 começou em meados de 2012, logo após a assinatura do contrato de concessão. As primeiras mudanças percebidas pelos usuários ocorreram nos saguões, com a reforma e ampliação dos banheiros localizados nas áreas de check-in. Os quatro conjuntos foram reconstruídos e ganharam uma área maior do que a anterior, um visual mais arejado e mais espaço para movimentação de carrinhos de bagagem e de pessoas com necessidades especiais. Também foram instaladas 900 placas de sinalização e orientação ao passageiro. A adoção de layout padronizado, como o utilizado nos grandes complexos aeroportuários internacionais, permite melhor identificação das informações por pessoas de todo o mundo.

Em agosto de 2013, foi inaugurada a expansão do Terminal 2. O projeto contempla uma praça de alimentação com nove lojas no check-in E do Piso Embarque e ampliação do Duty Free no Piso de Desembarque, que teve sua área praticamente duplicada.

O embarque remoto internacional e nacional do Terminal 2 também foi ampliado. Em ambos, foi adicionado mais um portão de embarque, além dos três atuais em cada área. Também foram construídos dois novos banheiros nesses espaços. A reforma no embarque remoto nacional e internacional permite reverter esses espaços em uma única área de embarque, seja nacional ou internacional, de acordo com a demanda.

Além disso, foram substituídos os oito elevadores e as oito escadas rolantes que fazem a ligação embarque-desembarque na área pública. No primeiro trimestre do ano passado, foram entregues os novos banheiros do piso de Desembarque.

Luis Neves

É agente de turismo e acompanha a evolução da aviação brasileira desde o final da década de 80. Fotografa tudo o que voa e tem uma das maiores coleções de fotos de aviação do Brasil.

2 Comments:

  1. Vou te contar está uma bagunça só, difícil mesmo o acesso, mais não muda muita coisa ,ira ser que nem a entrada doméstica mudou pouca coisa mesmo ,espero que do internacional seja melhor, mando fotos depois

  2. Por que não usar o terminal 3? Pura discriminação…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *