Embraer estima demanda de 6.400 novos jatos no segmento de 70 a 130+ assentos.

IMG_7836
A Embraer divulgou hoje, no Farnborough Airshow, as perspectivas de mercado (Market Outlook) de 2016 a 2035, no qual detalha as previsões da demanda de mercado para novos jatos nos próximos 20 anos. A Embraer projeta demanda de 6.400 novos jatos no segmento de capacidade de 70 a 130+ assentos (2.300 unidades no segmento de 70 a 90 assentos e 4.100 unidades na categoria de 90 a 130 assentos), cujo valor é de aproximadamente USD 300 bilhões, até 2035.

A frota global de jatos em serviço no segmento de 70 a 130+ assentos aumentará de 2.670 aviões em operação em 2015 para 6.690 em 2035, sendo o crescimento mais rápido entre todos os segmentos. O crescimento do mercado será responsável por 63% da demanda enquanto a substituição de aeronaves antigas será responsável pelos 37% restantes.

Previsão de entrega de jatos de 70 a 130+ assentos por região
Região Entregas Participação
América do Norte 2.020 31%
Ásia-Pacífico 1.690 26%
Europa 1.160 18%
América Latina 690 11%
CEI 380 6%
África 230 4%
Oriente Médio 230 4%
Mundo (2016-2035) 6.400

É esperada que a demanda global por transporte aéreo, medida por receita de passageiro-quilômetro (RPK), aumente em média 4,7% ao ano até 2035, sendo alimentada pela forte demanda doméstica nas economias avançadas e melhorias no macroambiente de algumas economias em dificuldades nos mercados emergentes.

Enquanto as perspectivas para cada região variam consideravelmente, o crescimento global permanece favorável ao longo dos próximos 20 anos, impulsionado por um movimento gradual de foco em participação de mercado para uma estratégia orientada para um crescimento disciplinado de capacidade com foco em lucro e retorno sobre o capital investido.

O preço do petróleo continuará desempenhando papel importante na evolução do tráfego aéreo de passageiros e na oferta de capacidade das aeronaves nos próximos anos. “Independentemente do efeito positivo óbvio no curto prazo nos balanços das companhias aéreas, o preço baixo do petróleo pode agravar o problema do excesso de capacidade, levando companhias aéreas a estimular a demanda por meio de redução de tarifas possibilitada pela redução do custo do combustível. Maior controle dos ajustes da capacidade dos aviões à demanda do mercado será um estratégia cada vez mais presente para manter as receitas à frente de custos no longo prazo”, explica John Slattery, Presidente & CEO da Embraer Aviação Comercial.

Um sólido desempenho financeiro por meio de lucros mais elevados e forte disciplina de custos não relacionados ao combustível é um dos principais pilares para a sustentabilidade no longo prazo. Aeronaves do tamanho correto permitem uma nova abordagem, mais inteligente, e que maximiza as oportunidades e otimiza as receitas e o retorno com uma solução mais prudente para procurar oportunidades inexploradas e aumentar a capacidade de frequência de voos, preservando as receitas unitárias.

“Os E-Jets estão no centro do segmento de 70 a 130+ assentos. Como a família mais eficiente de aeronaves no segmento, eles estão perfeitamente posicionados para maximizar a rentabilidade tanto para as companhias aéreas quanto para as empresas de leasing”, disse Slattery.

Sobre ao Relatório das Perspectivas de Mercado da Embraer (Market Outlook)

Desde que a 1ª edição do Embraer Market Outlook foi publicada, em 2004, os analistas da Embraer tem refinado o modelo de previsão, a fim de identificar e prever tendências futuras. O processo do Market Outlook consiste em duas etapas principais: (1) uma previsão da demanda de tráfego para a evolução futura de RPKs por regiões e sub-regiões com base em modelos econométricos para os próximos 20 anos e (2) uma previsão de demanda de aeronaves que projeta o número de novas entregas desde aeronaves turboélices de 30 assentos até wide-bodies durante o mesmo período. A versão 2016-2035 está disponível no http://www.embraermarketoutlook.com.

Siga-nos no Twitter: @EmbraerSA

Luis Neves

É agente de turismo e acompanha a evolução da aviação brasileira desde o final da década de 80. Fotografa tudo o que voa e tem uma das maiores coleções de fotos de aviação do Brasil.