Emirates com A380 no Brasil: será que o voo é sustentável?


Recentemente publicamos um estudo exclusivo* mostrando as taxas de ocupação da Etihad Airways em 2016, na rota de São Paulo a Abu Dhabi. Aí então, nós nos perguntamos: como a Emirates se beneficia com a saída da Etihad? Fomos atrás de informações e fizemos a análise abaixo. O resultado é surpreendente.




 

Cenário atual: voo diário com Boeing 777-300ER

Comecemos com os números atuais. Com base em informações da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), analisamos a demanda atual da Emirates (de passageiros) nos meses de Janeiro a Novembro de 2016. Lembramos que a empresa voa atualmente com o Boeing 777-300ER, para 354 passageiros.

Observe, no quadro, que poucos meses ficam com ocupação de assentos insatisfatória, mesmo o país estando em tempos de crise. Tomamos como ponto de corte 76,5%, que foi a ocupação média da empresa no ano-fiscal 2016.

No geral do período, a ocupação da rota Guarulhos – Dubai foi de 78%, resultado muito bom. 

 

 

O que acontecerá quando a Etihad sair do jogo?

Excepcionalmente boas em marketing promocional e com serviços sem comparação, as duas grandes empresas dos Emirados Árabes conquistaram um público muito importante, o de passageiros que saem do Brasil com destino ao leste asiático, e vice-versa.

Preços competitivos (não raro achávamos passagens até destinos no leste da Ásia mais baratas do que o voo até Abu Dhabi ou Dubai, por exemplo), serviços premiados a bordo, a marca “Emirates” e conexão facilitada (passando pelo Oriente Médio, o passageiro não precisaria do caro e burocrático visto americano, como usualmente acontecia com outras empresas como Korean Air e Japan Airlines), são alguns exemplos de como elas “morderam” essa importante fatia do mercado.

Em 26 de março de 2017, a Etihad fará seu último voo para o Brasil. No mesmo dia, a Emirates introduz o A380-800 na rota para São Paulo e isso não é uma coincidência. Analisamos abaixo dois cenários do que pode acontecer após a entrada em operação do super jumbo em nosso país.

 

 

E o que podemos esperar da introdução do A380? Será que vai vingar?

Estabelecemos dois cenários.

 

Primeiro cenário. Consideramos as seguintes premissas:

  1. A demanda da Etihad e da Emirates em 2017 permaneceriam inalteradas em relação a 2016; e
  2. A Emirates conseguiria “abocanhar” 70% dos passageiros ex-Etihad, atraídos pela marca, preços, serviços e pelo A380.

Se essas premissas se concretizarem, podemos esperar voos lotados. Veja o quadro abaixo.

No cenário 1, o A380 teria uma espetacular ocupação média de 90% no sentido GRU – Dubai. Além disso, haveria meses em que a demanda superaria a oferta, o que resultaria em uma elevação dos preços ou adição de voos extras (ou ambos). Se a economia melhorar, os números também melhoram, obviamente.

 

Segundo cenário. Agora, vamos pressupor que as empresas concorrentes consigam tirar passageiros da Emirates e que ela “herde” somente 40% da demanda deixada pela Etihad. Vejamos o que acontece.

 

 

No segundo cenário, a demanda para o A380 continuaria razoável, com load factor médio de 76%.

Com essa ocupação não é possível afirmar que a operação do super jumbo é sustentável, já que estaria abaixo da média do ano-fiscal 2016, de acordo com dados obtidos pela Bloomberg.

Nesse cenário, a operação do A380 no Brasil poderia prejudicar o indicador, embora não conseguimos dizer qual seria o impacto nas margens da empresa (já que os detalhes da estrutura de custos da empresa não são divulgados).

De qualquer forma, são números que demandariam mais do que um voo diário do Boeing 777-300ER, na pior hipótese. Nós apostamos no cenário 1, com A380 lotado!

 

Considerações importantes

Observe que não estamos considerando o transporte de cargas, que também é importante variável na economia de uma empresa aérea. Isso acontece porque as variáveis do cálculo do payload atualmente disponíveis não são acurada. Mesmo assim, entendemos empresas de transporte de passageiros vivem de transportar pessoas, e o load factor (objeto desse estudo) é, sem dúvida, a variável mais importante.

* Por fim, lamentamos comentar que há um site copiando alguns dos nossos conteúdos, inclusive esses estudos que fazemos. Alertamos você, leitor, para que tome cuidado com essas cópias, pois geralmente os textos são publicados com alterações e acabam passando a informação incompleta ou incorreta. Sugerimos acompanhar aqui conosco o estudo original (e se houver algum erro, pode puxar nossa orelha!).

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

131 Comments:

  1. Acho que vai dá certo sim, a etihard deixou de voar para o Brasil, aumentando os passageiros para a emirates transportar.

  2. Se serve de termômetro, 777 lotado nos 2 sentidos quando passei pelo dbx em novembro….

  3. Boa tarde pessoal. Eu gostaria de confirmar uma informação.

  4. Será que não interessa ir até Buenos Aires com parada em SP, igual Qatar e Turkish?

  5. Tomara qe sim, vms torce pra da certo, seria muito triste pra Emirates, se ficasse pouco tempo, e voltasse os 777….

    Obs: Aeroin vcs podiam postar os milhões de passageiros de cada aeroporto do brasil de 2016 vlw…

  6. Na matéria acima, fala que o último pouso da Etihad no Brasil será dia 26 de Março, porém, em outra matéria publicada no AeroIN, eu vi que, quem comprou passagens Etihad a partir do mesmo dia 26, teria de escolher entre receber de volta o valor pago, ou ir de Alitalia até Roma, subentendendo-se que a útima decolagem da Etihad será no dia 25 de Março, um sábado de madrugada.

    Então, gostaria que alguém me ajudasse a verificar a data oficial do último pouso da Etihad no Brasil, pois gostaria muito de poder fotografar a chegada do vôo. Agradeço a quem puder me ajudar a obter tal informação.

  7. O A380 possuí maior capacidade de carga do que o 77W? Seria interessante também contar com a recente adição dos voos da Qatar para GRU!

  8. Vou dar minha opinião. Não vai dar certo. Aviões quadrimotores estão condenados. A melhor opção para essa rota é o 777-200ER ou 787-9, em vista as demandas e necessidades das relações Brasil – EAU.

    • Condenados para algumas empresas. A Emirates não fez nenhuma troca/cancelamentos de A380. Ela ainda tem uns bons 80 pra receber. 772 e 789 não atendem a demanda atual, vide reportagem acima, alem ainda da Emirates não ter nenhum dos dois modelos. Acredito que q Etihad, ao invés de sair, poderia ter colocado o 789 na rota devido a menor capacidade comparado ao A346. Tem tudo pra fazer sucesso e ter um load factor otimo e caso não ocorra, sempre haverá os 77W e os 77L.

    • Eu respeitosamente discordo, Thiago. A própria Airbus já admitiu uma espécie de fracasso quanto ao projeto do A380 e eu sinceramente não acredito que teremos pelo menos 80% de ocupação na rota utilizando o A380. Outro ponto discutível e muito analisado são os próximos projetos da Boeing, com a renovação da família 777, novas tecnologias substituindo 2 motores por apenas 1, a um custo operacional bem menor. Sinceramente eu penso que essa rota não tem futuro com um A380. Creio que a troca dos heavys pela nova geração de wide bodies seja uma tendência mundial, na garantia do melhor aproveitamento na relação custo por assento.

    • Mesmo que haja uma troca por novas aeronaves, vai tempo ainda até vir a nova geração alongada do 777.

    • Concordo plenamente, Gui Rodrigues. Essas medidas eu acredito que sejam mais para o médio e longo prazos, mas alternativas como a família 787 e A350-900 e o já lançado A350-1000, com capacidades para até em torno de 360 passageiros, já são uma realidade. Alternativas existem, mas lógico que são investimentos bilionários, demandando todo um planejamento estratégico para a troca de aeronaves, mas eu não consigo ver um futuro muito bom para os quadrimotores, creio que em breve não será vantagem voar com eles. Somente a minha opinião.

    • Eles estão usando bastante os 747-8 pra carga agora, os A380 ainda tem bons e longos anos de vida, creio eu que eles continuarão sendo usados em rotas muito lucrativas e de grande demanda pelo menos em aeroportos com poucos slots disponíveis. Uma hora eles serão substituídos mas ainda vai bons anos pra isso acontecer.

    • Também acho, vão bons anos para serem substituídos. Meus comentários sao apenas sobre transporte de passageiros. Muitas empresas utilizam o 747 cargueiro, já o A380 eu nunca vi como cargueiro, não sei se tem. Mas enfim, concordo que os a380 ainda tem um tempo pela frente.

    • O problema é q os pedidos ja foram feitos e se não fossem certos, com certeza ja teriam sido alterados. O problema é a crise no mercado atual, não um problema com a aeronave. Se daqui um tempo voltarem os bons tempos, a aeronave tem muito a render pras linhas aereas, alem do fato de a Emirates ainda estar recebendo pelo menos 1 mensal, e esses ainda rodarão na empresa por 10 anos pelo menos. Então são 10 anos garantidos de aeronave no ar. Não podemos falar q a aeronave é um fracasso pq não teve muitos pedidos, vide A340 que nem 1000 chegaram a ser montados e foi um dos primeiros passos pra voos long-range no mundo, mas sim quando o custo operacional do mesmo é sempre maior que os ganhos e esse, dificilmente é um problema do A380.

  9. Com o dólar em queda e cancelamento da Erihad…
    Torcemos que dê certo.

  10. Belo trabalho.
    A Emirates deve ter feito um estudo minucioso sobre a demanda,mas mesmo assim fico um pé atrás sobre o serviço.É claro,torcendo que de certo a operação,até quando durar os quadrirreatores

  11. A Qatar poderia fazer o mesmo e colocar o A380 na rota para GRU, e tentar abocanhar parte dos passageiros da Etihad.

  12. Só faltou um componente nesta análise. A Quatar Airlines !!! Eles vão ficar com os passageiros pq são mais baratos.

  13. O avião é maguinifico, agora basta saber se é viável te-lo por aqui!

  14. Acho que no primeiro ano sim depois retiram

  15. Que venha o A380 e que não volte nunca mais esse terrível 777… Uma das viagens mais desconfortáveis que já fiz!

  16. Nossa, matéria muito bem feita!!!

  17. Acho que com a saída da Etihad, a Emirates pode ter a demanda aumentada um pouco. Se a empresa fizesse code share com alguma empresa brasileira também poderia agregar mais passageiros.

  18. A parte legal da Emirates é que ela mesmo faz o procedimento de visto, compra a passagem, depois entra no site do visto (no próprio site da CIA) e faz a aplicação.

  19. Uma coisa é certa o pessoal da aeronáutica está com uma dor que cabeça danada para acertar a faixa de ILS para atender o A380!!!

  20. Companhias aéreas de países muçulmanos? No, thanks!

  21. Eu penso assim: Se a Emirates vai operar com o Airbus A380 no Brasil ela sabe o que está fazendo.. Provavelmente já fizeram todos os cálculos do lucro -incluindo a baixa demanda -, por exemplo, e com certeza ainda sim é viável à companhia aérea operar com o A380.

  22. Belo trabalho !! Com certeza uma análise inteligente e real!!

  23. Tá cheio de xeroque rolmes aqui, desvendando esse mistério!

  24. Estou torcendo muito que dê certo e o cenário seja o 1! Ótima matéria ❤

  25. Os amantes da boeing choram kkk, mas vamos torcer que de certo, querendo ou nao é um orgulho receber este aviao em territorio nacional.

  26. Muito legal o estudo… Tomara que o cenário 1 seja realidade

  27. Prefiro fazer uma “perna” no 747-8 da Lufthansa em Frankfurt!

  28. BELA EXPLANAÇÃO, ESPERO QUE VINGUE SIM E LOGO EU POSSA VOAR NELE

  29. A Alitalia vai diminuir as frequências no GIG tbm. Acho que foi uma estratégia do grupo.

  30. Será que vai continuar com a outra perna de são Paulo para Buenos Aires será que vão operar essa Rota com o a380 aí seria Dubai – Sao Paulo – Buenos Aires Será, seria muito legal ver o a380 pousando e decolando pelo menos 2 ou três vezes ao dia muito legal seria a oportunidade de voar para a argentina de a380

  31. Qual é a outro site q está copiando as matérias de vcs?

  32. Claro enquanto Etihad sai o primo acredita na retomada do mercado e coloca o único 380 da América latina

  33. Em caso de uma emergência antes do point of no return, onde ele pousaria? Teria que voltar pra origem?
    Nenhum outro aeroporto comporta ele (creio que SBSG tava em homologação)

  34. Creio , que sim principalmente com a Etihad saindo de cena

  35. Acho que a EK não sabe oq esta fazendo, deviam consultar os especialistas palpiteiros aqui nos coments rs

  36. se considerar que combustivel nos Emirados nao custa nada pra eles, levantar passageiros no Brasil pagando as tarifas daqui – mais altas do que em qqr outro lugar do Mundo – eh capaz ateh de a rota de lucro record!

  37. Atualmente o voo da Emirates se estende até Buenos Aires, correto? Isso seguiria acontecendo?

  38. Não acho viável…..infelizmente…

  39. Eu acho que vai dar certo sim, muitos passageiros de Eithad e Qatar vai passar a usar Emirates. Pra Emirates ter tomado essa decisão de que a partir de um certo tempo eles irão operar de Dubai pra São Paulo com o A380 é porque vão precisar… não sei por muito tempo, mas vão precisar

  40. Em poucos meses a Emirates não vai aguentar os custos do A380 e vai substituí-lo na rota por um 777 ou quem sabe A350. Esses jumbos já não são mais adorados como antigamente, pelo menos não pelas pessoas que arcam com os custos operacionais deles. Rsrs

  41. Herberto Portilho olha que estudo interessante

  42. E, o desempenho da GRU Airport – Aeroporto Internacional de São Paulo, demitindo funcionários…? Penso que deveria ser levado em consideração.

  43. parabéns Deus abençoe a tdus apesar de eu nunca ter voado mas fico contente torço pra dar certo tbem

  44. Mas este avião vem buenos Aires todos dias com escala em são Paulo…

  45. Será que o Aeroporto de GRU tem estrutura para embarcar todo esse povo num A380 por finger?

  46. Se o vôo não for sustentável o avião cai.

  47. Coincidência ou não ?

    Moh tiração a emirates mandar o a380 no msm dia do aposento da etihad

  48. Tem um outro porém…O custo de operação por assento é menor no A380 do que no 777. Assim, pode ser que a operação seja viável mesmo com um percentual de ocupação menor que do 777

  49. Muita gente falando na LH para Ásia, mas esqueceram que ela cortou o GRU-MUC (muitas conexões) e o GRU-FRA anda lotado de pax’s O&D!

    Vai ser sucesso a EK! Excelente matéria.

  50. Load factor é um indicador importante, mas nao é sinônimo de receita e indicativo de sucesso de uma rota.Ainda mais se contabilizar que etihad e Emirates se destacam pela venda de serviços premiums( primeira classe, executiva). Vale muito mais para essas aérea a venda em menor numero na econômica e maior em classes superiores. Embora materias anteriores sugiram que o LF foi a razão da saida da Etihad de Sao Paulo, certamente pode ter sido um fator, porem nao o primordial.

  51. Muito bom estudo. Foi interessante ler. Parabens

  52. A Emirates visa o passageiro em conexão, então espero que os preços para a Ásia abaixem já que a oferta vai subir e muito! Me pergunto por que a Air France acha mais viável trazer dois jatos diariamente para São Paulo a colocar um A380 na rota GRU-CDG

  53. Estou de passagem comprada pra ATH via DBX em 06/2017 só pra ter o privilégio de voar nessa magnífica máquina. Se eles tirarem o A380 até lá por N motivos, vou ficar muito p*** rsrs

  54. Pingback: Faltam 10 dias para o início das operações regulares do A380 no Brasil. - AEROIN

  55. Pingback: Emirates utilizará A380 de maior capacidade em Dezembro. - AEROIN

  56. Pingback: Preparamos algo especial para o 1º voo regular do A380 no Brasil. - AEROIN

Comente