Aviões da ETIHAD voaram com menos de 60% de ocupação na rota SP-Abu Dhabi.

Em nota emitida no mês de novembro de 2016, a ETIHAD AIRWAYS, que tem sede em Abu Dhabi, comunicou o cancelamento dos seus voos para o Brasil. Na nota, a empresa destaca o cenário econômico adverso em nosso país como a principal causa para o encerramento das operações.

Com base em informações da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), analisamos as ocupações médias dos aviões da Etihad no ano de 2016, a fim de entender como oscilou a demanda de passageiros na rota Guarulhos – Abu Dhabi. E os resultados são bastante ruins.

Veja no quadro abaixo o total de assentos oferecidos pela empresa e a quantidade de passageiros pagos transportados. As informações estão apresentadas até novembro de 2016, mês em que a empresa decidiu pelo cancelamento dos voos.

Note que há meses em que os aviões voaram com menos 60% de sua capacidade (exemplos de maio e julho de 2016) , enquanto que os picos se concentram na alta temporada, chegando a 90% em janeiro.

 

A demanda do voo (load factor) não é a única variável que a empresa considera ao decidir por iniciar ou cancelar voos, mas é uma das mais importantes. Se, mesmo com passageiros, um voo pode dar prejuízo (dependendo da estrutura de custos, do câmbio, etc), imagine sem passageiros.

Embora não tenhamos acesso à estrutura de custos da Etihad, segundo os relatórios para investidores da empresa, o load factor médio foi de 79,4% e lucro líquido de US$ 103 milhões em 2015. A média de 72% dos voos para o Brasil empurram o índice para baixo e, certamente, também o lucro.

Em breve faremos uma análise da ocupação esperada pela Emirates na rota São Paulo – Dubai, com A380. Boa parte dos passageiros da Etihad certamente migrarão para a Emirates.

 

Relembre a nota da empresa à imprensa, emitida no mês de Novembro de 2016.

A Etihad Airways suspenderá as operações entre Abu Dhabi e São Paulo a partir de 26 de março de 2017.

O atual cenário econômico no Brasil, juntamente com a forte depreciação da moeda brasileira, afetaram gravemente as viagens de e para o país. O desempenho da rota ficou aquém das expectativas da empresa e a difícil decisão de suspender indefinidamente as operações locais foi tomada.

Os passageiros que já fizerem reservas em voos além de 25 de março receberão o reembolso total dos bilhetes ou opções alternativas de viagem em cooperação com a companhia aérea parceira Alitalia, via Roma.

A Etihad Airways lançou voos regulares para a maior cidade do Brasil em junho de 2013. Mais de 460 mil passageiros foram transportados na rota nos últimos três anos.

A Etihad Airways agradece aos clientes, às autoridades brasileiras e aos seus funcionários que atuam no Brasil, o apoio concedido à rota desde o seu lançamento.

Nos próximos dias, a Etihad Airways e agências de viagens parceiras entrarão em contato com os clientes para informá-los sobre o reembolso ou opções alternativas de viagem.

Da Assessoria de Imprensa da Etihad Airways.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

58 Comments:

  1. Carlos, olha essa matéria hahahahaha

  2. Sandra Cristina Bernardo mais uma!

  3. Pedro Araujo David Costa Matheus Seixas imagine se rola uma primeira classe na ida ?

  4. Enquanto isso, a EK aumenta o número de assentos com o maior avião do mundo na rota.

  5. Vai deixar muita saudades…pra ter uma idéia nem estou tão alegre com a vinda do a380 da Emirates… pq sei q Etihad nunca mais vira pra cá

  6. Tudo bem, graças a eles, ganhamos o A380… rs..

  7. eh por tudo isso aí Gilson Gaviões da Fiél ?

  8. Infelizmente se a EK não reduzir os valores absurdos que está comercializando, a vinda do A380 para o Brasil será por pouco tempo.

  9. Quando eu falo que essas companhias do Oriente médio voam certos destinos pra inflar o ego, tem gente que critica

  10. O problema que com o 380 no lugar do 777 quem quiser conhecer Dubai vai ter que juntar mais dinheiro a passagem esta uns 40℅ mais caro.

  11. Não é isso que se vê nas estatísticas da ANAC. A rota GRU-AUH está com a ocupação acima dos 80%

    • Na alta temporada os índices atingem até 90% conforme colocamos na matéria. No entanto, a média anual de 2016 (até novembro) é de 72%

    • A manchete dá a entender que pelo menos a média de ocupação do voo de um ano todo chegou a menos de 60%. O que não é verdade. Baixa temporada todas as empresas tem e sendo assim, com certeza, meses com menos de 60% de ocupaçao.
      Outra coisa que a estatística da Anac não mostra é o cargo. Muitas vezes a etihad bloqueava assentos no voo por estar com restrições no cargo. O que tambem traz dinheiro pra empresa ne?!

    • Flavia, não analisamos a carga por que teríamos que fazer muitas inferências. Nossa análise é focada na demanda de passageiros cujos dados informados pela empresa estão disponíveis na Anac. A média do ano claramente está abaixo da média da carteira da empresa, segundo relatório de investidores. E entendemos que uma empresa não cancela um voo quando ele é rentável.

    • Nao entendo o porquê de. Tao pouco ocupaçao ser feito um vôo com aviao tao grande.
      Poderia vir de 788 que hasta menos combustivel e tem menos cadeeiras q um a346

    • Erivelton Neves a Etihad possui apenas o Boeing 787-9

  12. Ruim para os funcionários que irão perder os seus empregos!!!

  13. e era a melhor atendimento de longe também. uma pena….

  14. Boa análise, o que me intriga é que a Etihad poderia optar por um avião de menor porte, diminuindo assim os custos porém acho que pela distância entre Doha e o Brasil, porém acho que a margem de lucro é pequena, optando assim pelo a340-600.
    Fico curioso pra saber sobre a demanda da Emirates com o A380!

    • Etihad nada tem a ver com Doha no Qatar, mas sim Abu Dhabi nos Emirados Árabes. (UAE). Quem voa para Doha é a Qatar Airways.

    • Só uma correção: A ETIHAD é sediada em Abu Dhabi e não em Doha, que é sede da Qatar Airways.

      Se a Emirates resolveu finalmente trazer o A380 para o Brasil, justamente na data em que a ETIHAD vai bater em retirada, então é porque além da demanda que ela já tinha, ainda quer absorver a “fatia” que a rival vai deixar para trás. Ou seja, podemos concluir que as operações da Emirates no Brasil vão muito bem, obrigado!!!!

  15. A gte vé o qto o Brasil é ridículo na aviação internacional só acompanhando o Flyghtadar24… o tanto de cidades/países pequenas pelo mundo que recebem o A380…e aqui agora é que vai chegar..

  16. O fato de nem terem tentado colocar o 789 na rota ainda me intriga. Companhias bem menos expressivas ainda estão lutando para se ajustar à realidade econômica brasileira, porém ainda não abriram mão de suas rotas. Estranho. Mas, somente a empresa é que realmente sabe da sua realidade. Uma pena nos deixar, juntamente com a SIA e a Korean, as quais já se foram.

  17. O site poderia colocar data nas publicações?

  18. Cara, boa noite. Onde eu encontro esses dados? Eu estou procurando esse tipo de dados no site da anac mas não encontro nada. Gostaria de saber também onde poderia encontrar planos de voos das empresas aereas. No site de cgna.gov.br só constam rotas de voos domesticos. Voos não regulares, como o do Antonov que veio para o Brasil e do avião Il-76 do Ministério de Situações de Emergência russo, que vai para o Chile combater incendio e fez parada em Recife para reabastecer. Gostaria de saber pra ver as rotas que eles fazem. Se puder ajudar com essa dúvida, agradeço

  19. apaixonado por esse A 340 , mas se nao me engane , ja parou de ser fabricado , uma pena

  20. Só 1 exemplo: Em questão de 7 (sete) minutos, Los Angeles recebe 2 A380 da Qantas vindos da Austrália.

  21. Cláudio Ranieri enquanto isso vamos overb. todos os dias e o povo nao consegue embarcar de beneficio, viva o 380 na rota!

  22. Emirates domina meu bem …
    Né IIzabelle Chiquetto Kkk

  23. Sophia Ceppolini e nois overbooked

  24. Não é só mandar uma aeronave menor???

    • Prezados. Esses dados, sao desde o início das operações? Definitivamente desde o start-up da base em 2013, o LF era baixo pois a empresa era novidade no mercado, e ainda estava buscando seu espaço. De 2015 para ca, o numero de carga e passageiros transportados aumentou consideravelmente. Embora a materia sugira, que a baixa procura pela rota seja o motivo do fim das operações, este nao é o motivo. A crise do petróleo a desvalorização do real são os motivos apontados pela aérea e posso afirmar sem sombra de dúvidas que baixa demanda por assentos, não correspondente ao motivo do fechamento da estação.

  25. Pingback: Emirates com A380 no Brasil: será que o voo é sustentável? - AEROIN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *