FAA propõe aumentar requisitos de treinamento de pilotos em comando.

boeing-777-pilot-1200x600

A FAA, agência reguladora da aviação norte-americana, está propondo uma elevação no desenvolvimento profissional dos pilotos de linha aérea dos Estados Unidos para garantir que atinjam os padrões de procedimentos e condutas preventivas que influenciam em redução de casos de erros. A nova regra exigiria treinamentos orientados em liderança e comando para os comandantes, bem como o estabelecimento, dentro de cada companhia aérea, de um comitê para desenvolvimento, administração e vigilância dos programas de orientação aos pilotos.

“Pilotos possuem uma enorme responsabilidade em relação à segurança de seus passageiros e tripulação”, disse Michael Huerta, Administrador da FAA. “Temos alguns dos melhores pilotos do mundo e deveríamos tomar vantagem da riqueza de experiência deles para ampliar os padrões profissionais e disciplinares no cockpit.”

O “Comunicado de Proposta de Alteração de Regra” (Notice of Proposed Rulemaking) sugerido pela FAA forneceria aos novos pilotos a serem contratados uma oportunidade de observar e se familiarizar com procedimentos de operações de voo antes de começar a integrar uma tripulação. A FAA passaria a exigir que as companhias aéreas revisassem seus requisitos para pilotos que buscam a posição de comando, fornecendo os treinamentos de liderança, bem como estabelecendo o Comitê de Desenvolvimento Profissional composto por pelo menos um gerente e um piloto.

Após o acidente com o voo 3407 da Colgan Air em 2009, cujas investigações apontaram como causa a má resposta da tripulação sobre um aviso de estol, empresas aéreas e sindicatos responderam à “Chamada de Ação” (Call of Action) da FAA e prometeram empenho para implantar padrões profissionais e comitês éticos, um código de ética, e assembleias de gestão de riscos à segurança.

Hoje essa proposta da FAA chega para responder ao Ato de Extensão da Segurança das Empresas Aéreas, de 2010, que direcionou a FAA a emitir uma regulamentação para guiar o desenvolvimento profissional, a liderança, e a orientação de pilotos de linha aérea. Responde também às recomendações do NTSB (National Transportation Sefaty Board, o órgão de investigação de acidentes dos EUA) sobre profissionalismo de pilotos, liderança e adesão à regra de cockpit estéril, que proíbe pilotos de envolverem-se com qualquer atividade que possa distraí-los durante fases críticas de voo ou interferir com sua obrigação profissional.

A FAA receberá comentários sobre a proposta durante um período de 90 dias após a publicação no Registro Federal norte-americano.

 
Informações da FAA.
 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.
  • Perfeito

  • Matheus Canhas

  • Gabriel Rodrigues

  • Parece q brasil quer restringir só para aqueles com grana…… mas só q ja é… para ser piloto comercial tem q ter dinheiro… .. curso superior fica quase impossível para as classes baixa…

    • Por isso quero tentar a carreira militar, parece mais promissora, e com um custo que eu posso alcançar

    • Concerteza primo… só n vai chorar kkkk … tmj

    • Carreirs militar com custo menor com certeza, agora mais promissora ta longe de ser, nao da nem pra comparar os ganhos de um oficial aviador com um piloto de linha aérea. …piada…kkkk

    • Mas é uma carreira cara por natureza, em qualquer lugar do mundo. A hora de voo é cara, as aeronaves, o seguro, a estrutura necessária idem. É mais fácil no mundo desenvolvido porque a renda das pessoas é mais alta. Aqui no Brasil já sugeriram oferecer bolsas para formar pilotos de baixa renda. Acho que a solução é por aí.

    • Seabra Daniel

      Tem uma Galera muito louca voando, sem padronização alguma! Utilizá o fator sorte como “eu sou o Bom”. No que diz respeito a padronização, em minha opinião tem que ser cobrado mais. Ágora só não pode ser mais uma burocracia para elevar o custo sem aproveitamento para alguém lucrar.

  • Devido ao grande advento da automação, cada vez mais a aviação está exigindo pilotos líderes e com consciência situação apurada para uma rápida tomada de decisão assertiva.
    Apesar de toda a tecnologia envolvida, ainda é extremamente necessário um profissional para gerenciar todos os aspectos, e os “pilotos práticos” estão cada vez mais perdendo espaço.

  • O Brasil como sempre, anos luz atrás dos EUA na aviação…

  • Luiz Henrique

  • Ridículo o circo que a FAA vem fazendo… Resolveram o problema de fadiga que derrubou o Colgan em Buffalo, com o aumento das horas para sentar na cabine de uma regional. Espero mesmo que faltem pilotos para se darem conta que aviação é feita com profissionalismo e pesquisa e não de opinião pública!