Firnas Airways será a primeira companhia muçulmana da Europa e terá um serviço de bordo peculiar.

Firnas6
A empresa é baseada em Londres e leva o nome do pioneiro muçulmano da aviação Abbas Ibn Firnas. A bordo das aeronave, somente comidas permitidas pelo Islã (halaal food), livre de álcool e indicação da localização de Mecca (kiblats).

A Firnas Airways está atualmente buscando investidores-parceiros no Oriente Médio com objetivo de custear os primeiros três anos de operação, orçados em US$ 50 milhões. Como parte de seu road-show para apresentar a companhia, seus executivos estão participando do Congresso Mundial de Turismo Halaal, que acontece em Abu Dhabi nesse final de semana.

O investimento, quando definido, deverá estar em conformidade com a Sharia (Lei Islâmica) em que os juros são inexistentes. Enquanto isso, o CEO da companhia, o bengalês Kazi Rahman, está confiante que as operações comecem já no primeiro semestre de 2016 com três aeronaves do modelo Boeing 767-300ER.

O nicho de mercado desejado pela Firnas é muito específico e formado exclusivamente pela grande massa de muçulmanos britânicos e americanos que se deslocam da Europa e Estados Unidos para seus países de origem no Oriente Médio e Ásia, ou vice-versa.

Dentre os destinos, a companhia já anunciou que voará inicialmente de Londres para Sylhet (Bangladesh), Islamabad (Paquistão), Jeddah (Arábia Saudita) e Nova York (EUA). Segundo pesquisa da própria Firnas, são rotas mal servidas e onde os passageiros demandam mais opções de voos e melhor qualidade de serviço.

Por falar no serviço de bordo, a Firnas vai oferecer apenas a classe econômica premium com 270 assentos, bancos de 55 centímetros de largura e distância de 92 cm entre os assentos, com ótimo espaço para as pernas. Além disso, a empresa informou que vai operar a preço de classe econômica tradicional. “Com mais assentos, a receita tende a ser maior, por isso é possível equilibrar a operação de modo que os passageiros paguem preços de econômica tradicional”, disse o Diretor de Planejamento Abdul Roqueb. O alvo da companhia é ter, na média, 75% da aeronave ocupada por voo.

Outros atrativos serão o wi-fi a bordo, entretenimento de primeira linha (com acesso por tablet e smartphone), comida de alta qualidade e uma generosa política de bagagem.

Abbas Ibn Firnas, que dá seu nome para a companhia, foi um muçulmano pioneiro do voo e fez um planeio sobre os campos de Ronda, na Espanha, usando uma asa afixada a seu corpo. O feito foi conquistado 1.000 anos antes dos Irmãos Wright e de Santos Dumont.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

17 Comments:

  1. só estou vendo uma imagem que me parece ser um B767?

  2. Somente deveriam operar em aeroportos longe das cidades … bem longe.

  3. Economica Premium com 270 assentos num 767-300?

  4. Me parece que esses caras estão um pouco mau informados. Passageiros muçulmanos de grana adoram voar nas européias principalmente British. Os comuns mortais voam de qualquer precária deste que seja barato. Voar para nova York nem pensar duvido em uma autorização a curto prazo. Mais fácil Brasil, Venezuela, Paraguai, Argentina, França…

  5. Eu vou adorar ver comissarias de burca … ver de longe é claro.

  6. Se for comida halaal autêntica vai ser muito boa (e não vai ser barata pra eles)

  7. SERÁ QUE OS AMERICANOS DA BOEING VÃO APROVEITAR ISSO E DERRUBAR UNS MULÇUMANOS ?

  8. Pelos comentários de alguns, como deste “santo” Ruben, está claro que a guerra religiosa já fez a cabeça dele, como almejam alguns países. Pena desse tipo de gente, tão ignorante e incapaz de formar a própria opinião de acordo com seus conhecimentos. Mas claro, que conhecimento pode ter um traste assim, nenhum, por isso é tão fácil influenciar esta laia de lixo hipócrita. Que Deus tenha piedade das almas destes seres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *