Primeira low-cost argentina, FlyBondi recebe aprovação para voar ao Brasil.

Empresa ainda não anunciou se opera Boeing ou Airbus

Na manhã de hoje a ANAC (da Argentina), publicou uma série de documentos com as rotas solicitadas por várias empresas aéreas durante a audiência pública de 27 de dezembro passado. Nesse post falaremos da FlyBondi, a primeira empresa low-cost da história argentina, que planeja iniciar operações em 2017 e foi a empresa que mais pediu rotas ao governo de seu país.

Das 99 rotas solicitadas pela FB Linhas Aéreas (razão social da FlyBondi), 78 foram aprovadas. A maioria dos voos são domésticos, partindo de Buenos Aires, com os quais a empresa promete revolucionar o transporte aéreo argentino.

 




 

Por sua vez, dos 42 voos internacionais, somente 6 saindo de Buenos Aires foram rejeitados. Estes destinos seriam São Paulo, Rio de Janeiro, Santiago, Assunção, Lima e Santa Cruz de la Sierra. A junta decisória argumentou que já há bastante oferta nesses trechos. Adicionalmente, todos os voos internacionais a partir do interior da Argentina foram aceitos pela ANAC

Confira todas as rotas para o Brasil que foram aprovadas e que podem ser iniciadas nos próximos anos, quando a empresa estiver operando efetivamente:

– De Buenos Aires a Salvador, Florianópolis, Porto Alegre, Recife, Curitiba, Fortaleza, Natal, Porto Seguro, Brasília, Belo Horizonte e Maceió;

– De Córdoba a São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador;

– De Mendoza a São Paulo e Rio de Janeiro;

– De Rosário a São Paulo e Rio de Janeiro

– De San Carlos de Bariloche a São Paulo;

– De Salta a São Paulo;

– De Puerto Iguazu a São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre.

Observação: as rotas foram aprovadas pelo Governo Argentino, baseado no acordo existente entre os países. A ANAC brasileira também precisa aprovar as operações dessas empresas no Brasil, o que (imaginamos) não será um grande empecilho.

 

A empresa

Um grupo de empresários argentinos, amparados em fundos provenientes de grandes nomes da indústria aeronáutica, deu início à ideia de uma companhia aérea no conceito ultra low-cost no país portenho, a FlyBondi.

Por trás do projeto, como investidores, estão nomes como Michael Cawley, membro do conselho da Ryanair, Montie Brewer, ex-CEO da Air Canada e Robert Wright, fundador da British Airways Citiflyer Express, além do argentino Gastón Parisier e do suíço Julian Cook. Juntos, os investidores teriam aportado US$ 75 milhões com objetivo de iniciar as operações já em 2017, dando início à primeira empresa de baixo custo da história argentina.

O conceito já é conhecido no Brasil, promoveu a inclusão e fez com que um novo mercado, cheio de viajantes que antes não voavam, fosse atingido e passassem a usar do avião como meio de transporte. Na Argentina, apenas 10% da população usa avião e a companhia projeta que 50% dos argentinos estarão voando em cinco anos.

Dentre os planos da empresa estão começar com 6 aeronaves e chegar a uma frota de 25 (modelo ainda não divulgado), em 5 anos, com os quais se almeja transportar 8 milhões de passageiros em voos domésticos e regionais. A Flybondi já se encontra inscrita como sociedade anônima desde 24 de Junho de 2016.

Veja informações detalhadas sobre as novas rotas da FlyBondi em nosso parceiro argentino Aviacionline

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

63 Comments:

  1. partiu pegar o bondi Maria Luiza Raithz Quintino

  2. 1ª Low-Cost até ficar High-Cost igual à GOL !!!

  3. Muito bom, mais concorrencia, mais ofertas de passagens.

  4. Gol – Preparar para pouso forçado!
    Isso vai da um efeito no mercado Brasileiro!

  5. Olha ai ACPianaro e Guilherme Neudorff mais uma aqui para gente fritar kkk

  6. Euri Junior FlybodinhoLondrina YESSSS

  7. Estão copiando o laranja da Gol ou é impressão minha?

  8. Tomara que não seja uma nova LAPA.

  9. Governo não deu rota nenhuma saindo de BUE! No fim, valeu o corporativismo!

  10. Quem ganha com isso,São os passageiros sendo assim tendo mais opções de vôos.

  11. Os aeroportos argentinos detém as maiores taxas do continente, em torno dos 100 u$d para qualquer destino internacional, contra 40 u$d do Brasil; não sei se vai interessar voos internacionais para a companhia.

  12. Andréia Sanches, Valkiria Maglio low cost

  13. FlyBondi Lineas Aereas Inteligentes…

  14. Alana Marconi Guilherme Oliveira Karina Sotana

  15. Que ótimo! Sempre bom ver novas cias nascendo

Comente