Frota na América Latina mais que dobrará até 2034, segundo Airbus.

csm_A320neo_PW_Airbus_neo_livery_V14_fsadsdsab
De acordo com a mais recente Global Market Forecast (GMF) da Airbus, a América Latina precisará de 2.540 novas aeronaves de passageiros e carga entre 2015 e 2034 para atender ao crescimento de longo prazo na região. Essa demanda inclui 1.990 aviões de um corredor e 550 de fuselagem larga como o A330, o A3350 XWB e o A380, no valor estimado de US$ 330 bilhões. Essa demanda significará que a frota de aviões de passageiros e cargas operados pelas companhias aéreas da região mais que dobrará para quase 3 mil aeronaves nos próximos 20 anos. Atualmente, 53 por cento da frota em serviço na América Latina é de aviões Airbus, operados pelas principais companhias aéreas da região. Isso inclui o primeiro A350 XWB das Américas, entregue ao Grupo LATAM Airlines em janeiro e operado pela TAM.

O tráfego na América Latina crescerá em uma média de 4,7 por cento ao ano nos próximos 20 anos, acima da média mundial de 4,6 por cento. O motor desse crescimento serão as companhias aéreas da região, com aumento de 5 por cento ao ano, o que as coloca entre os três grupos de companhias aéreas de crescimento mais rápido do mundo.

A urbanização da região latino-americana é um fator que impulsiona esse crescimento já que é uma das mais urbanizadas do mundo, perdendo apenas para a América do Norte, com cerca de 80 por cento de sua população vivendo em cidades. Um crescimento econômico consistente também levará ao aumento do tráfego na região; segundo a GMF, nos próximos 20 anos, o PIB anual da América Latina deve crescer a uma taxa de 3,6 por cento, acima dos 3,2 por cento no mundo. Além disso, os passageiros da região terão um papel importante no incentivo ao crescimento do tráfego, fazendo em média mais que o dobro de voos até 2034 do que fazem atualmente.

“A expansão das rotas de longo alcance na América Latina é iminente e já vemos as companhias aéreas reagirem a isso ao optar por aeronaves maiores, de mais longo alcance e mais eficientes como o A350 XWB e o A380, que começaram a operar na região em 2016”, afirma Rafael Alonso, presidente da Airbus para América Latina e Caribe. “Também estamos vendo as principais companhias da região modernizarem suas frotas com a família A320neo, o que as permite atingir ganhos de eficiência mesmo em um ambiente econômico não exatamente favorável”.

Enquanto apresentou a Global Market Forecast da Airbus para a América Latina, durante uma coletiva de imprensa no evento FIDAE (Feria Internacional del Aire y del Espacio) no Chile, Alonso acrescentou: “Até 2034, nove das 91 megacidades do mundo estarão na América Latina, inclusive Santiago, o que torna a região um mercado emergente líder mundial em aviação. No longo prazo, estamos otimistas com o panorama para a América Latina enquanto ela expande sua presença de aviação no cenário mundial”.

Atualmente, o mercado de longo alcance apresenta uma oportunidade sólida para companhias aéreas latino-americanas retomarem sua participação. Hoje, as principais operadoras europeias e norte-americanas transportam a maior parte do tráfego de longo alcance de e para a região, com 80 por cento e 75 por cento, respectivamente. Segundo a GMF, os fluxos de tráfego internacional entre América do Sul e Europa Ocidental e entre América do Sul e Estados Unidos deverão estar entre os maiores no mundo até 2034.

Da mesma forma, o mercado intrarregional e doméstico na América Latina também tem um grande potencial de crescimento, já que o tráfego deve quase triplicar nos próximos 20 anos, crescendo a uma taxa favorável de 5,3 por cento. Passageiros na América do Norte e Europa podem contar com pelo menos um voo por dia para conectá-los às 20 maiores cidades de suas regiões, mas, na América Latina, esse número é menor. Apenas 43 por cento das 20 maiores cidades da região estão conectadas por um voo diário, deixando as outras com menos de uma conexão por semana ou sem conexão alguma.

As operadoras de baixo custo (LCC) da região cresceram muito nos últimos 15 anos, representando um salto de apenas 10 por cento do tráfego aéreo na America Latina em 2003 para quase 40 por cento atualmente. Antes concentrado exclusivamente no Brasil e no México, o modelo LCC emergiu em outros mercados essenciais como Colômbia e Chile.

Com quase 1 mil aeronaves vendidas e um backlog de mais de 400, mais de 600 aviões Airbus estão em operação na América Latina e Caribe. Desde 1990, a Airbus conta com 63 por cento das ordens líquidas na região e, somente nos últimos 10 anos, a Airbus triplicou sua frota em serviço.

3 Comments:

  1. Airbus na frente sempre♡♡♡♡

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *