Governo de Minas e GOL realizam o primeiro voo verde do Aeroporto Tancredo Neves

10432221_668910053197874_1118861961_n

Voo realizado no Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, é mais um passo para consolidar a Plataforma Mineira de Bioquerosene

A iniciativa é mais um passo em direção à consolidação do Programa Mineiro de Desenvolvimento da Cadeia de Valor de Bioquerosene para Aviação e o seu uso em bases econômicas, que foi lançado em março pelo Governo do Estado. O principal objetivo é transformar o Estado na primeira plataforma integrada de produção de BioQAv no Brasil e o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, no primeiro aeroporto “verde” do Brasil.

A Plataforma Mineira de Bioquerosene apoiará “iniciativas verdes” sob o conceito from Farm to Fly (Do campo à asa do avião), reunindo em suas ações e iniciativas estratégicas uma variedade de atores, tais como instituições de pesquisa, universidades, produtores de matérias-primas sustentáveis, fornecedores de tecnologia, stakeholders em logística e processos industriais, companhias aéreas, entre outros.

Em março deste ano foi assinado um memorando de entendimento entre o Governo de Minas e 17 instituições para o desenvolvimento e consolidação da Cadeia Produtiva de Bioquerosene para a Aviação no Estado de Minas Gerais.

Durante cerimônia realizada nesta quinta-feira, no Centro de Manutenção de Aeronaves da GOL, em Confins, Minas Gerais, foi celebrado o anúncio de diversas ações já encaminhadas pelo Governo de Minas Gerais para a sustentabilidade do setor. Entre estas medidas, a desoneração da alíquota de ICMS para voos que utilizarem qualquer mistura de bioquerosene ou combustível fóssil de aviação em voos comerciais decolando de Minas Gerais em 5 de junho, quando é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Além disso, foi assinado um Protocolo de Intenções entre o Estado de Minas Gerais e diversas empresas, no sentido de formalizar as intenções das partes em apoiar iniciativas de estruturação da cadeia da macaúba no território mineiro. A macaúba é uma alternativa sustentável para produção de biocombustíveis e produtos renováveis, apresentando incidência natural e grande potencial de desenvolvimento em diversas regiões mineiras.

A solenidade contou com a participação de entidades do Governo Estadual, executivos da GOL, bem como outros representantes da indústria aeronáutica e parceiros ligados à Plataforma Mineira de BioQAv. Todos os parceiros, por meio de um trabalho colaborativo, apoiam e propõe soluções para um programa de uso de combustível de aviação renovável, mais eficiente e sustentável.

10390951_671449029593833_1121797526980962928_n

“A GOL está comprometida em trabalhar para tornar os céus brasileiros cada vez mais limpos e o setor de aviação civil mais sustentável. Iniciativas como esta, além de estarem em harmonia com a estratégia e modelo econômico da Companhia para a redução de custos, oferecem ao mesmo tempo muitos benefícios para a indústria como um todo, para nossos clientes e sociedade”, destaca Sergio Quito, diretor executivo de Operações da GOL.

Uma destas iniciativas é o abastecimento de 200 voos com biocombustível para os meses de Junho e Julho. O primeiro foi realizado no dia 4 de junho em comemoração à Semana do Meio Ambiente e em parceria com o Ministério do Meio Ambiente. Todos os voos que transportarão a Seleção Brasileira do Aeroporto do Galeão/Rio de Janeiro para os demais destinos que sediarão os jogos do mundial terão um blend (mistura) de 4% de bioquerosene de aviação. Desta forma, a Companhia prevê a economia de aproximadamente 218 toneladas de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. São mais de 69 toneladas de combustível renovável e 217.809 quilos a menos de gás carbônico entre 12 de junho e 14 de julho.

 

PRIMEIRO VOO GOL COM BIOCOMBUSTÍVEL EM 2013 – A GOL consolidou nos últimos anos importantes projetos para o uso de biocombustíveis na aviação. Em setembro do ano passado fez parte do lançamento do projeto Céus Verdes do Brasil, por um espaço aéreo cada vez mais eficiente para clientes e realizou o primeiro voo comercial com biocombustível no Dia do Aviador, em 23 de outubro 2013. Ao longo de 2013, com medidas para redução de consumo de combustível, a Companhia deixou de emitir mais de 12 mil toneladas de carbono.

 

BIOCOMBUSTÍVEL PARA AVIAÇÃO

Em função das mudanças climáticas e da preocupação com o meio ambiente, o setor aeronáutico tem buscado adotar medidas que contribuam para a redução de seu impacto ambiental. A indústria de aviação é responsável por 2% das emissões de dióxido de carbono produzidas pelo homem, que apresenta uma trajetória crescente. Entre 2000 e 2010, a taxa de crescimento das emissões domésticas foi de 39,7%, enquanto a das emissões internacionais foi de apenas 5%. Neste sentido, iniciativas relacionadas à viabilização e produção de biocombustíveis para a aviação estão sendo desenvolvidas como forma de apoiar a redução da emissão de gases do efeito estufa (GEE) provenientes do setor de transportes aéreo e possuem um apelo especial no caso do Brasil que está em vias e se tornar o 4º maior mercado de tráfego aéreo do mundo.

Para promover o desenvolvimento regional, produzir biocombustíveis ambientalmente sustentáveis e, principalmente, reduzir os custos de produção e seu impacto ambiental, a indústria de aviação estabeleceu a meta de atingir um crescimento neutro em carbono a partir de 2020 e reduzir em 50% as emissões de dióxido de carbono até 2050, considerando os níveis de 2005, em compromisso estabelecido com a IATA (International Air Transport Association). Dentre algumas das medidas tomadas para atingir esses objetivos estão projetos de aviões mais leves, gerenciamento avançado do espaço aéreo, uso eficiente de combustíveis com turbinas melhoradas e combustíveis menos poluentes.

Por outro lado a ICAO (International Civil Aviation Organization) definiu Metas Ambientais da Aviação Civil, cujo objetivo principal é diminuir o efeito da aviação civil no meio ambiente e promover ações que limitem e reduzam o impacto dos GEE emitidos pelo setor.

Da assessoria da GOL