Infraero apresenta potencial de negócios em aeroportos do PR e SC.

A Infraero realiza nesta quinta-feira (8/12) o Voo de Negócios para os aeroportos da empresa nos estados do Paraná e Santa Catarina. Essa é uma iniciativa da estatal para se aproximar de empresários, agências de publicidade e eventos e associações comerciais interessados em abrir um negócio nos aeroportos. Os principais atrativos para novos empreendimentos serão apresentados nesta quinta-feira (8/12), às 9 horas, no centro de convenções do Aeroporto Afonso Pena, na região metropolitana de Curitiba.

Ao todo, sete aeroportos terão suas oportunidades de negócios comerciais apresentadas ao mercado: Curitiba/São José dos Pinhais, Londrina, Bacacheri, Foz do Iguaçu, Florianópolis, Navegantes, Joinville e Criciúma/Forquilhinha. Apesar de terem perfis diferentes, esses terminais têm oportunidades de investimentos em lojas e quiosques nos segmentos de alimentação, varejo, serviços e ações eventuais, além de espaços publicitários. Fora do terminal, esses aeroportos contam com áreas externas capazes de receber empreendimentos de maior porte, como hotéis, centros comerciais, exploração de hangares e postos de abastecimento, por exemplo.

“Os aeroportos da Infraero são grandes centros de negócios, com várias possibilidades de investimento. É possível termos negócios para os passageiros nos terminais, além de hangares e concessão para empresas auxiliares de transporte aéreo que atendem as companhias, sem falar na gama de serviços em áreas externas, como hospedagem, eventos, centros comerciais, entre outros”, afirma o diretor Comercial e de Logística de Cargas da Infraero, José Cassiano Ferreira Filho.

Outro fator que indica o potencial de negócios desses aeroportos é a geração de empregos e riquezas pela aviação no Paraná e em Santa Catarina. De acordo com o estudo Voar Por Mais Brasil, feito pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), os dois estados geraram 374,8 mil empregos na aviação, com R$ 17,6 bilhões em riquezas geradas no ano passado. Ainda de acordo com os dados da associação, o paranaense faz 0,49 viagem por ano, enquanto o catarinense faz 0,43.

Esses números se aproximam da média brasileira, que de acordo com a Abear é de 0,47 viagem por ano. Cabe destacar que dos 13 aeroportos presentes nos dois estados, oito são administrados pela Infraero e participarão do Voo de Negócios. Juntos, eles tiveram uma movimentação de 16,1 milhões de embarques e desembarques de passageiros, de acordo com dados da estatal.

Também em destaque está o Aeroporto Afonso Pena, eleito pelos passageiros o melhor terminal do Brasil em 2016 na pesquisa realizada pela Secretaria de Aviação Civil do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação. Na Rede Infraero, ele é o sexto entre 60 terminais na movimentação de passageiros, à frente de cidades como Fortaleza, Florianópolis, Belém e Manaus, além de ter sido ampliado recentemente.

 

Abaixo estão as principais informações sobre os aeroportos que serão apresentados no Voo de Negócios:

 

CURITIBA/SÃO JOSÉ DOS PINHAIS – AFONSO PENA
– Quantidade de pontos comerciais: 185;
– Pontos comerciais disponíveis: 90;
– Segmentos atendidos: alimentação, varejo, serviços, publicidade e ações eventuais.
– Receita comercial: R$ 46,3 milhões até outubro de 2016;
– Potencial para empreendimentos em áreas externas: mega loja, concessionária de veículos, centro empresarial e hotel;
– Potencial para empreendimentos em áreas operacionais: centro de manutenção de aeronaves de grande porte e área para posto de abastecimento interno;
– Movimentação de passageiros em 2015: 7,2 milhões de embarques e desembarques.

 

BACACHERI
– Quantidade de pontos comerciais: 3;
– Pontos comerciais disponíveis: em análise;
– Segmentos atendidos: alimentação, serviços, publicidade e ações eventuais.
– Receita comercial: R$ 6,1 milhões até outubro de 2016;
– Potencial para empreendimentos em áreas externas: em análise;
– Potencial para empreendimentos em áreas operacionais: operação e exploração de hangar;
– Movimentação de passageiros em 2015: 92,8 mil.

 

LONDRINA – GOVERNADOR JOSÉ RICHA
– Quantidade de pontos comerciais: 25;
– Pontos comerciais disponíveis: 6;
– Segmentos atendidos: alimentação, varejo, serviços, publicidade e ações eventuais.
– Receita comercial: R$ 6,9 milhões até outubro de 2016;
– Potencial para empreendimentos em áreas externas: espaço para eventos, locadora de veículos, lanchonete, publicidade e recreação,
– Potencial para empreendimentos em áreas operacionais: operação e exploração de hangar;
– Movimentação de passageiros em 2015: 1 milhão.

 

FOZ DO IGUAÇU/CATARATAS
– Quantidade de pontos comerciais: 85;
– Pontos comerciais disponíveis: 27;
– Segmentos atendidos: alimentação, varejo, serviços e ações eventuais.
– Receita comercial: R$ 9 milhões até novembro de 2016;
– Potencial para empreendimentos em áreas externas: em análise;
– Potencial para empreendimentos em áreas operacionais: em análise;
– Movimentação de passageiros em 2015: 2 milhões.

 

FLORIANÓPOLIS/HERCÍLIO LUZ
– Quantidade de pontos comerciais: 66;
– Pontos comerciais disponíveis: 4;
– Segmentos atendidos: alimentação, varejo, serviços, publicidade e ações eventuais.
– Receita comercial: R$ 34,4 milhões até outubro de 2016;
– Potencial para empreendimentos em áreas operacionais: operação e exploração de hangar;
– Movimentação de passageiros em 2015: 3,7 milhões.

 

NAVEGANTES/MINISTRO VICTOR KONDER
– Quantidade de pontos comerciais: 59;
– Pontos comerciais disponíveis: 9;
– Segmentos atendidos: alimentação, varejo, serviços, publicidade e ações eventuais.
– Receita comercial: R$ 6,5 milhões até outubro de 2016;
– Potencial para empreendimentos em áreas externas: estacionamento, hotel;
– Potencial para empreendimentos em áreas operacionais: operação e exploração de hangar;
– Movimentação de passageiros em 2015: 1,5 milhão.

 

JOINVILLE/LAURO CARNEIRO DE LOYOLA
– Quantidade de pontos comerciais: 32;
– Pontos comerciais disponíveis: 11;
– Segmentos atendidos: alimentação, varejo, serviços, publicidade e ações eventuais.
– Receita comercial: R$ 3,9 milhões estimados para 2016;
– Potencial para empreendimentos em áreas externas: edifício garagem, hotel e complexo logístico;
– Potencial para empreendimentos em áreas operacionais: operação e exploração de hangar;
– Movimentação de passageiros em 2015: 519 mil.

 

CRICIÚMA/FORQUILHINHA – DIOMÍCIO FREITAS
– Quantidade de pontos comerciais: 11;
– Pontos comerciais disponíveis: 1;
– Segmentos atendidos: alimentação, varejo, serviços, publicidade e eventos.
– Receita comercial: R$ 1,6 milhão até outubro de 2016;
– Potencial para empreendimentos em áreas externas: em análise;
– Potencial para empreendimentos em áreas operacionais: em análise;
– Movimentação de passageiros em 2015: 519 mil.

 

SERVIÇO

Voo de Negócios – Aeroportos do Paraná e Santa Catarina
Local: Centro de Convenções do Aeroporto Afonso Pena
Data: 8/12/16, quinta-feira
Horário: 9 horas
Contatos: (41) 3381-1401 / (41) 3381-1409

Da Assessoria de Imprensa – Infraero

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.
  • O aeroporto de Criciuma foi transferido para Jaguaruna uma pista de 2.5 km , novo e muito melhor que o de Criciuma que agora só vai operar executivo.

  • ae caraio aqui em SC a aviação vai melhorar

    • Só acredito vendo…sc ta abandonada faz tempo investem no PR…na capital e no interior investem no espirito santo na Bahia e em Minas ja SC foi esquecida pelo poder público

    • Marcos Iran por que o pessimismo?

  • Potencial tem agora só falta a Infraero tomar vergonha na cara e investir nos aeroportos de SC que estão esquecidos…faz tempo