Joinville registra alta na movimentação de cargas no primeiro trimestre.

Imagem: Divulgação / Infraero.

O terminal de logística de carga (Teca) do Aeroporto de Joinville (SC) registrou alta de 17,12% na movimentação de carga no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2016. Somadas importações e exportações, foram processadas, entre janeiro e março, 455,6 toneladas ante 389 toneladas nos três primeiros meses do ano passado. O destaque ficou por conta do setor de importações, que movimentou 453,8 toneladas entre janeiro e março de 2017 contra 387 toneladas processadas entre janeiro e março de 2016 – um aumento de 17,26%.




Para o superintendente do aeroporto de Joinville, Rones Heidemann, a alta se deve, principalmente, ao investimento do setor automobilístico no norte de Santa Catarina. “As montadoras GM do Brasil, com projeto de ampliação em execução, e BMW, com início da montagem do novo modelo em sua planta na cidade de Araquari, influenciaram no aumento operacional do complexo logístico de Joinville”, destacou.

O Teca de Joinville foi inaugurado em 11 de dezembro de 1974 e conta com uma área de 2.627 m². A maior parte das cargas é proveniente e também tem como destino Alemanha, Itália, China e Estados Unidos. Os setores metal-mecânico, de fármacos, equipamentos médicos hospitalares e equipamentos automotivos são os carros-chefes da carga movimentada pelo complexo logístico.

Alta na movimentação de passageiros

O Aeroporto de Joinville também registrou leve alta na movimentação de passageiros no primeiro trimestre deste ano. Entre janeiro e março, passaram pelo terminal catarinense 112.776 usuários, 1% a mais que os 111.690 do mesmo período de 2016. Com capacidade para receber 1,3 milhão de passageiros por ano, em 2016 passaram pelo aeroporto catarinense mais de 515 mil passageiros. O ano de maior movimentação foi 2015, período no qual 518,4 mil usuários viajaram pelo aeroporto. O número foi 5% superior em relação ao registrado em 2014.

 
Informações pela Assessoria de Imprensa da Infraero.
 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é assessor de editoria do AEROIN.

10 Comments:

  1. Aeroporto acanhado que nem recebe voos de carga de verdade apenas cargas no porão das aeronaves de passageiros a quem a Infraero quer inganar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *