Lanche é vendido a preços populares em 14 aeroportos brasileiros.

sdu1
Quatorze aeroportos brasileiros já oferecem lanches a preços tabelados, sob o selo “Lanche Popular”. A iniciativa pioneira da Infraero tem por objetivo ampliar a concorrência no comércio dos terminais, barateando itens básicos de bebida e alimentação. Em alguns casos, os produtos podem custar até 50% a menos do que em outras lojas no mesmo aeroporto.

Quinze itens têm preço padronizado nos terminais de São Paulo/Congonhas (SP), Santos Dumont (RJ), Porto Alegre (RS), Curitiba e Londrina (PR), Joinville (SC), Cuiabá (MT), Salvador (BA), Fortaleza (CE), Recife (PE), Galeão (RJ), Manaus (AM), Belém (PA) e Maceió (AL), o último a inaugurar a lanchonete com preços diferenciados. Nesses aeroportos, uma campanha informativa divulga a marca “Lanche Popular”, que facilita a identificação e acesso às lanchonetes com banners explicativos e uma identidade visual padronizada para os estabelecimentos participantes.

De acordo com a Pesquisa Permanente de Satisfação do Passageiro, realizada pela Secretaria de Aviação da Presidência da República, os preços dos produtos de lanchonetes e restaurantes dos aeroportos são mal avaliados pelos passageiros. O levantamento considera a opinião dos viajantes sobre um conjunto de 49 indicadores – um deles é o “preço” de alimentos e bebidas. Nos últimos dois anos, o quesito registra uma melhora de 20%, mas se mantém entre as notas mais baixas do estudo.

Para o diretor de Gestão Aeroportuária da Secretaria de Aviação, Paulo Henrique Possas, a sensível melhora na avaliação é decorrência do aumento da quantidade e da variedade de pontos comerciais nos terminais, principalmente nos aeroportos concedidos à iniciativa privada. “Os investimentos realizados nos últimos anos permitiram uma ampliação da oferta dos serviços comerciais, melhorando a percepção do passageiro”, pontua Possas.

 

ALTERNATIVA – Os valores cobrados pelos alimentos sob o selo “Lanche Popular” são determinados a partir de pesquisas de mercado em estabelecimentos similares, em cada localidade. Os preços podem ser reajustados anualmente, mediante a realização de nova pesquisa. É importante lembrar que os demais itens comercializados pelos estabelecimentos comerciais – com exceção dos 15 tabelados – são precificados livremente pelos comerciantes.

A iniciativa de implantar lanchonetes com preços mais acessíveis teve início no Aeroporto Internacional de Curitiba/São José dos Pinhais – Afonso Pena (PR), em 2012. O único aeroporto concedido que possui a opção de lanche popular é o Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim/Galeão, no Rio de Janeiro (RJ).

 

LISTA – Saiba quais produtos são vendidos a preço tabelado nos 14 aeroportos contemplados pela iniciativa:

Misto quente
Sanduíche Natural
Salgados (coxinha, empada, esfiha, enroladinho)
Pão de queijo
Mini pão de queijo (6 unidades)
Café expresso (curto)
Café simples com leite (pingado – 300 ml)
Café simples (50 ml)
Refrigerante (lata – 350 ml)
Suco natural com água (300 ml)
Leite 300 ml
Suco (lata – 300 ml)
Suco (caixa – 250 ml)
Água com / sem gás – 300 ml
Água com / sem gás – 500 ml

Informações: Secretaria de Aviação Civil

25 Comments:

  1. Promoção imperdível
    Pão de queijo de R$10,00 por apenas 9,99 não percam somente hj

  2. Ótima iniciativa, já achei pastel por 18 reais por aí!
    Faltou salvador aderir!

  3. Populares tipo 25 reais um mixto quente rsrsrs

  4. Brasília e Guarulhos não estão incluído eu acho né kkk

  5. Já vi uma garrafinha d’água por R$ 8,00 em GRU.

  6. Excelente iniciativa. A Infraero está passando por uma restruturação para se adequar as novas demandas cada vez mais exigentes da nossa aviação e tenho certeza que ela vai sair fortalecida desse momento, até porque, é importantíssimo que o estado invista na nossa infraestrutura aeroportuária.

  7. Maceio não tem isso não !!! Não vi , na viagem de fim de ano passei por 3 aeroportos congonhas também não vi paguei 15 em um café expresso e 8 bolinhas de povilho bem pequenas que chamam de pão de queijo , em Confins é um absurdo e em Maceió não fica pra trás não tem lanche popular lá não !!!! As próprias redes fast food que já não são baratas nos aeroportos os preços dos mesmos produtos são ainda mais caros é o caso do Bob’s em Maceió e outros , mas Belo Horizonte (confins) e Brasília são os piores se superam , em Salvador custava 8 reais uma coca lata !

  8. Lendo esses comentários prefiro me calar…

  9. nao sao todos da infraero Aeroin Brasil

  10. Interessante os preços, são baixos em relação aos preços já praticados, mas não são popular não.

  11. Espero que espalhem pro Brasil todo, gastei 7,50 numa coca em Guarulhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *