LATAM Brasil anuncia certificação para operar com CAT III em toda sua frota.

latam767

A LATAM Airlines Brasil anuncia a utilização de novas tecnologias para promover maior eficiência em suas operações e melhoria na experiência de viagem de seus consumidores. Uma delas é a certificação que prepara toda a frota da empresa para operar em CAT III, sistema de aproximação por instrumento e permite todas as aeronaves da frota a pousarem em aeroportos habilitados com o instrumento durante as mais baixas condições de visibilidade.

Outra inovação é relacionada ao uso de tablets por pilotos com aplicativos e softwares especialmente desenhados para substituir os tradicionais manuais de bordo impressos para cada aeronave em operação.

 

Certificação CAT III

Desde 2005, os aviões cargueiros dos modelos Boeing 767 da LATAM Cargo Brasil (na época ABS), são certificados a operar em CAT III. A autorização foi estendida as aeronaves Boeing 777 da frota comercial internacional da companhia em 2014 e, agora a LATAM Airlines Brasil anuncia a homologação para todas as aeronaves da família Airbus, que inclui os modelos A319, A320 e A321, e as aeronaves Boeing 767 de seus voos comerciais.

Com a isso, toda a frota da companhia já está preparada para operar com tal funcionalidade. Por serem aeronaves novas na companhia, as aeronaves A350 XWB, seguem em processo de certificação para o uso do instrumento.

O sistema poderá ser usado durante o pouso nos aeroportos habilitados para a operação em CATIII, que atualmente são: São Paulo/Guarulhos, Paris/Charles de Gaulle (França), Buenos Aires/Ezeiza (Argentina), Frankfurt (Alemanha), Nova York/JFK e Orlando (EUA), Londres/Heathrow (Inglaterra), Lima (Peru), Madri (Espanha) e Santiago (Chile). “Com esta certificação estendida para toda nossa frota estimamos uma diminuição de contingências operacionais de natureza meteorológica, como voos alternados para outros aeroportos ou até aviões retidos na origem”, afirma o Diretor Sênior de Operações e Treinamento da LATAM Airlines, Harley C. Menezes.

Da Assessoria de Imprensa

  • kkkk depois que todo mundo tem o CAT IIIA eles se tocaram que precisam.
    Quando tiverem IIIB como a Absa ja tinha, antes até de se juntar com a Lan ai sim dou valor.

  • David S. Miccolis Andre Luan e a laranjinha ficando pra trás..

    • Filipinho… Não faz sentido Latam e Avianca que possuem Wide Body, e operam em rotas internacionais de localidades tão distantes não serem homologadas CAT3. Não sei nem se isso não acaba sendo uma obrigação, diante de tantas dificuldades que ocorrem qdo um alternado ocorre por meteorologia, ainda mais no nosso país em que Infraestrutura é iguaria de luxo.
      Por outro lado, ter uma frota 100% CAT3, atendendo assim, as rotas domésticas é sensacional da nossa, mais do que particular, visão operacional….porém somente GRU e GIG sejam homologados CAT3. Vamos acompanhar as tendências né?? Não subestimo o arrojo operacional da laranjinha, não mesmo!

    • E só homologar os aviões que eram da TAM pois a LAN já opera cat3

    • “Só” … É avião q não acaba mais!!!
      E quanto a tripulação?? Muita gente para treinar e homologar…

      • Esse comentário do Andre (“é só ) foi hilário…deve pensar que a homologação não envolve custo algum e é feita “da noite para o dia “…

    • O custo será bem grande p poucos aeroportos

    • Por isso falei que não posso considerar q a Laranja esteja para trás se nossa malha compreende no máximo 4 Ads CAT3 (GRU,GIG,SCL e EZE)

    • Avianca Brasil não opera Wide Body e Latam esta homologando toda a frota Narrow. Discordo, embora seja contingências esporádicas nas bases que operamos, vimos o reflexo na semana passada.. A tendência é sim a aquisição e treinamento para este tipo de operação, pelo menos na frota que opera inter com frequência. Na estrevista para a Exame, o CEO da Avianca Brasil falou que gastou 6 milhões de Reais para homologação da frota Narrow de aproximadamente 40 aviões e tripulação, acho que só o gasto na semana passada e os 3 SCL alternados em 1 semana já superou esse valor com tranquilidade.

    • Concordo contigo, se for para gastar, melhor investir…Mas não creio que seja então somente para atingir GRU e GIG.
      É uma questão de entender o custo operacional em função do melhor atendimento… Primicias um pouco confusas para alguns que tem o poder de decidir!!

  • Roni de Andrade

  • Pensei mesmo que a próxima a operar em ILS CAT III seria a LATAM

  • Luciana Aline

  • A LATAM Brasil também está certificada CATIIIB, o CATIIIA mencionado na reportagem é referente a operações no Brasil, já que não tem aeroportos homologados CATIIIB.

  • Dereck Freitas

  • Só falta a linhas aéreas inteligentes

  • Carlos Leão Luzimar Soares

  • E a Azul Linhas Aereas

  • Herculano Bisewski

  • Aaah essa dai vai ser difícil. Pq gostam de economizar em tudo.

  • bom demais

  • Ansiosa por este momento!!!

  • Maravilha! ❤️✈️

  • Finalmente…

  • Lembrando que não adianta ter somente a certificação, tem que haver o preparo técnico da tripulação, habilitação em CAT III, que não é de um dia pro outro.

  • What’s CAT IIII?