LATAM confirma construção de hangar de R$130 milhões no GRU Airport

A LATAM Brasil confirmou através de comunicado oficial o investimento de R$130 milhões para construção de um hangar de manutenção no Aeroporto Internacional de Guarulhos, o GRU Airport. O hangar ficará ao lado do futuro hangar da American Airlines que foi anunciado aqui no AEROIN com exclusividade em março deste ano.




O anúncio foi feito no encontro dos executivos da LATAM e da American Airlines ontem (16/out) com o presidente Michel Temer. O encontro foi feito para a apresentação do plano de investimentos que cada empresa tem para o Brasil. Juntas, ambas as companhias preveem um aporte de quase R$ 500 milhões no curto prazo. O projeto do hangar da American Airlines já foi aprovado pelo governo e as obras já se iniciaram.

Em 2015 a LATAM havia anunciado que ira construir o hangar no GRU Airport, depois surgiram rumores que apontavam que ela iria utilizar das instalações da American Airlines, agora se confirma esta parceria entre as duas empresas mas com hangares independentes.

O Grupo LATAM investirá em um novo hangar de manutenção no Aeroporto Internacional de Guarulhos, onde será implementado o Centro de Manutenção de Linha, preparado para atender todos os modelos de aeronaves da frota da empresa. O investimento da ordem de R$ 130 milhões será realizado por meio do modelo “built to suit” — que é a identificação de investidores que tenham interesse em contratos de locação a longo prazo para ser parceiros da LATAM neste empreendimento.

Já a American Airlines escolheu o Brasil para instalar seu primeiro hangar fora dos Estados Unidos. A companhia anunciou em 26 de setembro uma parceria com o Aeroporto Internacional de São Paulo (GRU Airport) para a construção do espaço, cujas atividades serão voltadas à manutenção de aeronaves e testes de giro de motor. A previsão de investimento é de US$ 100 milhões (cerca de R$ 320 milhões), a obras já iniciaram e o hangar deve entrar em operação no segundo semestre de 2018.

Planta básica dos hangares no GRU Airport | © AEROIN

Além disso, também foi abordado o Acordo de Céus Abertos entre Brasil e Estados Unidos. A LATAM Airlines Brasil e American Airlines defendem a importância da aprovação do Acordo pelo Congresso Nacional, pois promoverá o desenvolvimento do setor aéreo nacional, além de gerar crescimento econômico e estimular avanços sociais em nosso País.

Sem a ratificação formal do Acordo, o Brasil se encontra em posição de desvantagem em relação a outros países sul-americanos que já têm instituída a política de Céus Abertos com os Estados Unidos, pois oferece menor número de viagens aos EUA.

Entre os benefícios esperados da implementação de Céus Abertos entre Brasil e EUA, estão a ampliação de oferta de voos, aumento dos serviços e novos mercados atendidos por serviços aéreos, entrada de novas empresas aéreas, expansão e fortalecimento do transporte de carga, aumento de empregos e contribuição para o crescimento do País, com desdobramentos e ramificações dos benefícios para outros setores da economia e da sociedade. O Acordo de Céus Abertos também facilitam o comércio e permitem atrair novas empresas e investimentos, incentivando também o aumento da produtividade do país, com consequente aumento de renda da população e elevação de divisas e de níveis de arrecadação fiscal.

Participantes do encontro:

LATAM Airlines Brasil
Claudia Sender, vice-presidente Senior de Clientes do Grupos e presidente da LATAM Brasil
Jerome Cadier – CEO da LATAM Airlines Brasil

American Airlines
Art Torno – Senior Vice President American Airlines
Robert Wirick – Managing Director International Regulatory
Dilson Vercosa – Diretor da American Airlines no Brasil
Joel Velasco – Sócio-Diretor da Albright Stonebridge

Pela Assessoria de Imprensa da LATAM Airlines

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.
  • Iraja costa

    Quantos e quais empregos serão criados?