LATAM continua renovação de frota com retirada do Boeing 777

Com a economia começando a sair da recessão, ainda que em passos bem lentos, a demanda por voos internacionais no Brasil cresceu 18,82% em julho quando comparado ao mesmo mês do ano passado segundo dados da ABEAR. Diante desse cenário, a LATAM Airlines está renovando sua frota, principalmente de longo curso.




Recentemente a divisão cargueira da companhia no Chile (LAN Cargo) aposentou todos os seus quatro Boeing 777F, padronizando a frota cargueira de todo o grupo com a aeronave Boeing 767-300F. A saída do triple-seven também se dará na versão de passageiros, segundo o balanço financeiro do segundo trimestre deste ano. Nele está previsto que duas unidades do 777-300ER sejam retiradas da frota no próximo ano, e mais três em 2019, totalizando metade das atuais 10 unidades.

Ao mesmo tempo os quatro A350-900 que foram sub-arrendados para a Qatar Airways deverão voltar em 2018, com mais quatro novos chegando em 2019. O A350-1000 deverá ser entregue em 2020 ou 2021, quando todos os 13 -900 já estiverem entregues para a LATAM. O número de encomendas convertidas do modelo menor -900 para o modelo -1000 tem aumentado, e a versão maior do A350 será a dominante na companhia com 14 unidades previstas.

Segundo a LATAM, os contratos de subarrendamento foram feitos para períodos entre 6 e 12 meses, com possibilidade de prorrogação. Durante este período, a Qatar será exclusivamente responsável pelo controle operacional das aeronaves. A LATAM Airlines Brasil seguirá operando o restante de sua frota A350 XWB nas rotas São Paulo-Madri e São Paulo-Paris.

No lado chileno, foram postergadas para 2019 duas entregas do Boeing 787-9 Dreamliner, sendo estimadas 16 unidades no final de 2019, que somadas com o menor 787-8, totalizarão 26 unidades do Dreamliner no grupo LATAM. Já o tradicional Boeing 767, apesar de ter sido aposentado pela divisão chilena, continua sendo uma aeronave bastante utilizada pelas outras divisões do grupo LATAM, que deve manter o número de 36 unidades sem mudanças até 2019.

Tanto o A350 quanto o 787 possuem uma eficiência e conforto superiores a aeronaves de gerações antigas como o 767, 777 e A330, trazendo inúmeros benefícios para a companhia aérea e o passageiro. Tivemos a oportunidade de voar nestas duas aeronaves e você pode conferir nossas experiências de voo clicando aqui e aqui.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *