Lufthansa Cargo pode substituir MD-11F por Airbus A350F

A Lufthansa Cargo (LH Cargo), divisão cargueira do grupo Lufthansa, tem um plano de evolução para os próximos anos, que inclui a substituição das atuais aeronaves McDonnell Douglas MD-11F. Uma opção para substituir os antigos porém fortes trijatos é o Airbus A350F, segundo afirmou o CEO da companhia.




Em entrevista ao portal CargoForwarder Global o CEO da Lufhtansa Cargo, Peter Gerber, disse que seu time tem uma agenda ambiciosa para que a companhia cargueira esteja pronta para o futuro. Os principais pontos estão a renovação da marca, que deve acontecer até o primeiro semestre de 2018 e irá incluir nova pintura da Lufthansa em geral. Outro ponto desta agenda é a renovação da frota, o que a LH Cargo quer completar até 2024. Esta data coincide com a filosofia da Lufthansa de não operar aviões com mais de 25 anos de idade, sendo que o último MD-11F foi entregue em 2001.

Atualmente a LH Cargo opera uma frota de 17 aeronaves: 12 MD-11F e 5 Boeing 777F. A frota totalmente cargueira representa 55% do volume total de carga transportada pela Lufthansa, sendo os 45% restantes carregados nos porões das aeronaves de passageiros da Lufthansa, Austrian e Eurowings.

Com a saída dos 12 trijatos MD-11F “nós iremos precisar de 8 ou 9 Boeings 777F para substituí-los”, disse Peter. Estas aeronaves poderiam ser 777F novos ou usados, porém para Peter “é prematuro determinar se vamos comprar ou fazer leasing destas aeronaves. Ambas as opções estão sendo levadas em consideração, dependendo da disponibilidade e situação do mercado”. Ele também não descarta um pedido para o A350 cargueiro, uma decisão que seria muito bem recebida pela Airbus.

Durante uma conversa recente com a CargoForwarder Global, um diretor da Airbus declarou que a empresa está pronta para dar maior atenção aos aviões cargueiros em relação ao que tem feito até agora. Atualmente o mercado cargueiro é dominado pela Boeing com seus 727, 737, 747, 757, 767 e 777 e com os os DC-10 e MD-11 da McDonnell Douglas, que foi adquirida pela fabricante americana.

O diretor da Airbus admitiu: “Nós estamos bastante atrasados nesta área”. Apesar do 777F ser uma ótima ferramenta na LH Cargo, uma frota mista daria mais opções, já que o A350F (que seria baseado na versão -900) teria menor consumo, e o seu tamanho menor em relação ao 777F permitiria operar em locais mais críticos e/ou com menor demanda. O 777F reduziria o número da frota da LH Cargo por levar mais carga, mas como disse Peter, tal redução de frota também limitaria um pouco a flexibilidade de atendimento da companhia.

Com informações da CargoForwarder Global.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.