Morre Bob Reardon, o comissário mais velho do mundo.

reardon

Mesmo muitos anos após o desaparecimento dos anos de glória da aviação, Robert Reardon costumava relembrar como era glamouroso voar. Os passageiros não mais vestiam terno e vestidos finos, mas Reardon continuou carregando sua maleta estilo James Bond. Continuava também trocando sua camisa durante o voo (às vezes mais de uma vez), para que sempre fosse visto na estica.

“Antes de todas as viagens, ele cortava seu cabelo e tinha seu terno limpo e passado”, disse Brice Retrum, um amigo e também comissário de bordo. “E ela um homem elegante – um profissional exemplar”.

A devoção de Reardon pelas linhas aéreas lhe garantiram uma carreira de recordes e dois registros na edição de 2013 do livro dos recordes mundiais. Um deles como o mais velho comissário de bordo em atividade e a mais longa carreira de comissário. Ele trabalhou na Northwest Airlines e na Delta Airlines por um total de 62 anos e 8 meses, até se aposentar definitivamente, aos 90 anos.

Nesse mês de junho de 2016, o apaixonado tripulante respondeu à sua última chamada para embarque e morreu, 27 dias após completar 92 anos.

 

Breve histórico

Após se graduar na escola, Reardon foi convocado pelo exército e serviu na II Guerra Mundial entre 1943 e 1946. Foi dispensado com honras, no cargo de sargento. Na volta, iniciou estudos na Universidade de St. Thomas e estudou francês.

Sua irmã relembra a sua coragem. “Ele era apenas um garoto da fazenda, que viu que havia mais coisas no mundo lá fora. Ele sempre me impressionou pela coragem”.

Em 1949, Reardon aceitou um trabalho temporário na empresa Northwest Orient como vendedor de bilhetes. Foi ficando e, em 1952 começou a trabalhar como comissário de bordo.

O avião preferido de Bob foi o Boeing 747-400, conhecido como a “Rainha dos Céus”. Esse é o maior avião da frota da Delta.

Até o final de sua carreira, Reardon manteve uma escala completa de voos, indo para Tóquio várias vezes por mês. Muitos dos seus colegas confirmam que foi uma grande honra trabalhar ao seu lado.

Os passageiros também adoravam o comissário, especialmente em seus últimos anos. Muitos pediam para tirar fotos com ele. Ele, sempre feliz, atendia.

Descanse em paz!

Informações do Star Tribune