Para salvar o Natal, juiz ordena que pilotos de cargueiros voltem ao trabalho.

boeing-767-f-abx-air

O juiz federal americano Timothy S. Black, do estado de Ohio, ordenou que os pilotos da companhia de carga ABX Air encerrassem a greve a que participavam e retornassem às operações.

Em sua decisão, o juiz ordenou a volta ao trabalho dos grevistas ainda na noite de ontem, e disse: “Imagine um Natal sem a Amazon!”. A ABX Air é um dos grandes parceiros de entregas da Amazon, maior site de vendas online do mundo, que faz sucesso por suas entregas grátis até no mesmo dia.

Por volta de 250 pilotos da ABX Air entraram em greve na última terça-feira, com alegações de más condições de trabalho e pouco tempo de descanso. Muitos voos foram cancelados e por volta de 453 toneladas de carga não foram transportadas.

A companhia, por sua vez, entrou na justiça para terminar a greve, alegando prejuízo por tal quantidade de carga não ser transportada na Holiday Season – temporada de feriados nos EUA que compreende do Halloween até o Ano Novo.

 A ABX Air também prestar serviços à alemã DHL, e segundo o presidente de logísticas da ABX, Satish Jindel, o impacto da greve deve ser resolvido em alguns dias e “não deve afetar o mercado de e-commerce ou a Amazon”.

A Amazon acionou um plano de contingência e contratou a UPS e a FedEx para fazerem as entregas. Porém a companhia tem evitado a dependência destas duas empresas, fazendo contratos com novas companhias, além de abrir sua própria aérea cargueira, a PrimeAir, em parceria com a Atlas Air.

Os pilotos da ABX disseram que a administração da companhia está violando o contrato de voo deles. A associação de pilotos alega que a ABX tem negado férias para alguns pilotos e diminuído o tempo de descanso para manter todos os aviões voando.

“Nós estamos sendo convocados pela escala em situação de ‘emergência’ frequentemente.” disse Tim Jewell, piloto de Boeing 767 na ABX. “Isso realmente está pesando com a nossa família”, complementou.

Segundo Jewell, os pilotos irão obedecer a ordem do juiz, “porém  a falta de tripulação e pessoal continuará a ser um problema”, finalizou.

A ABX argumentou que a associação estava violando uma lei federal por conduzir uma greve sem antes checar os passos necessário que a lei exige para fazer tal greve na indústria aeronáutica.

 
Adaptado do Los Angeles Times. 

 

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.

Um Comentário:

  1. Pensar que 2 anos atrás, o pessoal entrava na regional com 28k anual, e hoje tem gente assinando por 50k. As linhas nos EUA vão ter que começar a ser bem generosos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *