Como é voar de Turkish Airlines para Buenos Aires.

319

Carlos Roman é editor do AEROIN e viajou para Buenos Aires com a Turkish Airlines, acompanhe como foi a experiência de voar na melhor empresa da Europa.

 

Para ser sincero, quando procurei as passagens para Buenos Aires, minha intenção era voar na tarifa de menor preço (a demanda e a oferta de voos para a capital argentina é muito grande, então esse não seria um grande desafio). A minha surpresa foi encontrar, naquele dia, a Turkish Airlines com uma oferta muito boa. Comprei!

Fiz meu check-in em casa, assim que abriu (24 horas antes da partida) e escolhi um assento na fileira 51 do Boeing 777-300 (bem lá no fundo). Esperei um tempo, aproveitei para fazer umas fotos, mas na verdade senti falta de uma Sala VIP da American Express no Terminal 3.

O embarque no voo TK15 foi feito no horário, às 21h30 e pela remota do aeroporto de Guarulhos. A primeira impressão foi muito boa, aeronave nova e com ar moderno. Confesso que a distância entre os assentos poderia ser um pouco maior na classe econômica. Para mim, com 1,75 de altura, estava bom (veja na foto abaixo), mas para pessoas mais altas penso que deve ser um pouco apertado.

 

 

Dei uma olhada geral no assento e nas facilidades. Observei que na fivela do cinto de segurança havia o logotipo da empresa, dando a primeira amostra de atenção a detalhes. Mais para frente você vai entender mais detalhes que fazem da empresa uma das melhores do mundo.

O banco é novo e tem aquele encosto de cabeça que se molda conforme você deseja. Como a aba não é tão pequena, dá para você relaxar e tentar cochilar sem que a cabeça fique caindo para os lados.

Próximo ao sistema de entretenimento de bordo – do qual vou dar mais detalhes logo adiante – uma entrada USB permitia conectar seu celular ou tablet a fim de assistir seu conteúdo no sistema de entretenimento ou apenas para carregar a bateria.

 

 

O entretenimento a bordo é de classe mundial.

A revista de bordo é muito bem produzida e tem matérias sobre diversidades com conotação cosmopolita, ou seja, agradando a todos os gostos. Na hora de escolher uma foto, é claro que peguei o trecho da revista que mostrava a frota da Turkish (minha paixão por aviação não me deixaria fazer diferente).

Por sua vez, a revista de free-shop é uma das mais diversificadas que eu já vi desde que me conheço por gente. Encontrei até furadeira a venda. Coloquei uma foto para mostrar essa “compra incomum” para se fazer num avião.

Para um voo de 2h30 até a capital argentina, o sistema de entretenimento é um diferencial. São tantas opções de filmes, músicas, seriados, notícias, que você até se perde na escolha. Lembremo-nos do fato de que o trecho de e para Buenos Aires é apenas uma pequena perna do voo que vai para Istambul e que dura mais de 13 horas. O sistema de entretenimento faz a diferença.

Aos muçulmanos religiosos, há até o Corão – veja na foto abaixo o “The Holy Qur’An”.

Para os entusiastas de aviação, como eu, há informações sobre aeronaves e rotas da empresa, além das duas câmeras ao vivo, uma na frente e outra embaixo da aeronave. Dá para assistir ao voo todo (não recomendo, é um tédio), mas a graça mesmo está em assistir o pouso. Felizmente nossos comandantes fizeram pousos perfeitos, tanto na ida quanto na volta.

Outra parte do tempo eu aproveitei para ouvir músicas turcas. Até que gostei! Um grupo chamado Kolpa me pareceu bem interessante. Só espero que as letras sejam bonitas. A mim, pareceu como grego (ou melhor, turco) aos meus ouvidos.

 

 

A comida? Deixei por último, mas não foi de propósito. Escrevo esse texto já é tarde da noite e me dá uma certa água na boca só de lembrar.

Logo que aeronave decola, os comissários passam distribuindo o menu. Isso mesmo, um menu na classe econômica. Bom sinal.

Na ida me servi de um ravioli caprese muito bom. A empresa de catering está de parabéns, assim como a Turkish pela seleção. Na volta foi a vez de um wrap de espinafre (igualmente top!).

Tudo isso sempre acompanhado do famoso suco de tomate, que eu só tomo em avião. Eu não sabia que havia uma explicação científica para o “corpo” pedir suco de tomate, mas há! Veja esse link aqui. Surpreendente.

Ah! Aquelas plantinhas que você vai ver em uma das fotos abaixo é apenas uma decoração do corredor da aeronave (está descobrindo os detalhes?).

 

 

Todos os passageiros alimentados? Vamos apagar as luzes. Um “céu” azul brilhante acalmava nos acalmava, enquanto que, aos lados, as cores variavam entre um vermelho bem sutil e um laranja mais forte. Realmente um ambiente diferenciado a bordo.

Além da tranquilidade, as cores alternando me renderam boas fotos, como as abaixo.

Valeu a pena voar de Turkish. De certa forma, não foi uma surpresa, pois eu já sabia que a empresa é super premiada, mas para diversos passageiros a experiência foi ainda mais bacana do que a minha.

Gostei e recomendo!

 

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

6 Comments:

  1. Eu já fui de Emirates aqui do RJ.
    Fantástico

  2. Fiz o mesmo vôo saindo de GRU com a Qatar Airways e é incrível como voar com a Turkish

    • Realmente deve ser muito boa essa viagem com a Turkish. Fica como próxima opção!
      Também já fiz esse mesmo trecho pela Qatar e fiquei igualmente impressionado.

  3. Olá, li a sua matéria e gostei muito. Tenho lido sobre a Turkish e mais especificamente visto diversos vídeos dos belos 777s, tal qual este que voce teve o privilégio de voar. Sobre ‘críticas’ o que tenho a dizer é que há sempre alguém insatisfeito. Nada é 100% perfeito, contudo, há quem procure estar perto e a Turkish está nesta rota.. Em outras palavras, é a companhia que eu desejo voar.

Comente