Primeira piloto da FAB a fazer voo solo em caça passa a conduzir Airbus presidencial.

A partir desta quinta-feira (22/12), a Capitão Aviadora da Força Aérea Brasileira (FAB) Carla Borges escreve mais um capítulo em uma história profissional marcada pelo pioneirismo. Integrante da primeira turma de mulheres no curso de formação de oficiais aviadores da Academia da Força Aérea (AFA) em 2003, a militar passa a ser a primeira mulher a comandar a aeronave presidencial brasileira.

“É uma nova etapa da minha vida. É muito orgulho para qualquer um poder transportar o Presidente da República. É a maior autoridade do País”, afirma a oficial sobre o novo passo da carreira. A militar tornou-se operacional nesta aeronave após 150 horas de voo de treinamento e outras 60 horas em missões de simulador cumpridas nos últimos seis meses. “É muito além do que eu imaginava. Estou orgulhosa de ter chegado aonde eu cheguei. É uma conquista muito grande para mim”, complementa.

O Airbus A319 decolou da Base Aérea de Brasília às 16h com destino ao Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Antes de embarcar, o presidente da República, Michel Temer, declarou que “as mulheres das Forças Armadas desempenham um papel extraordinário” e destacou a segurança no voo. “É com muita satisfação que hoje vamos fazer este voo sob o comando da Capitão Carla”, afirmou Temer. “Espero que outras colegas possam pilotar o avião presidencial”, falou.

O rosto da piloto Carla tornou-se conhecido ao estampar reportagens apresentando o protagonismo das mulheres na FAB na área da aviação. Logo após a especialização em Natal (RN), foi a primeira mulher a integrar o Esquadrão Escorpião (1º/3º GAV), localizado em Boa Vista (RR), que emprega o A-29 Super Tucano na defesa das fronteiras. O pioneirismo se repetiu ao tornar-se, também, a primeira mulher a chegar à primeira linha da aviação de caça. Em 2011 realizou o voo solo no A-1, avião de caça usado em missões de ataque ao solo.

Presidente Michel Temer ao lado da Capitão Carla Borges, com o Airbus A319 VC-1A ao fundo.

Em pouco mais de dez anos de carreira, a militar acumulou mais de 1,5 mil horas de voo no comando de nove modelos diferentes de aeronaves.

Diferente do voo em uma aeronave de caça, quando decolava sozinha com o avião armado para as missões de ataque e interceptação, por exemplo, a comandante viaja agora com mais dois pilotos, dois mecânicos, um especialista em comunicações e quatro comissários. Uma configuração básica de tripulação prevista pelo Grupo de Transporte Especial (GTE). Criado junto com o surgimento do então Ministério da Aeronáutica em 1941, ainda como uma seção de transporte especial no aeroporto Santos-Dumont, no Rio de Janeiro, recebeu a denominação de GTE em 1956. Com a transferência da capital federal para Brasília, a unidade também migrou para o Centro-Oeste em 1960 para continuar a atender a Presidência da República.

“A diferença é muito grande. O tipo de voo é diferente. A aviação de caça tem um voo com objetivos diferentes. Na aviação do transporte de autoridades, preza-se mais pela tranquilidade do voo. É muito mais cuidadoso para evitar qualquer tipo de distúrbio, turbulências, para realmente dar conforto para a autoridade, que muitas vezes está trabalhando a bordo”, explica a capitão.

O Airbus A319 ACJ presidencial, batizado de “Santos-Dumont”, em uso desde 2005 na FAB tem uma configuração diferenciada que permite mais autonomia (versão Airbus Corporate Jet – ACJ), mas é semelhante ao A319 utilizado na aviação comercial brasileira pela LATAM Brasil e Avianca Brasil.
“É uma aeronave muito automatizada, então necessita de um estudo muito grande, um preparo, de como funciona cada equipamento, como interage com os demais”, explica a aviadora. Devido aos sistemas embarcados da aeronave, uma das principais funções do piloto é gerenciar o voo.

Seleção – O grupo de pilotos que integra o quadro de tripulantes dessa unidade da FAB é seleto. Para ingressarem, os pilotos são submetidos a um conselho operacional em que participam os chefes dos esquadrões (são três) e das seções envolvidas. De acordo com o Comandante do GTE, Coronel Marcos Aurelio Vilela Valença, para atuar nesta unidade o perfil do aviador precisa atender a determinados requisitos. Além da competência operacional, o comportamento é levado em consideração. “Buscamos pilotos que tenham uma maturidade profissional”, explica o coronel. Normalmente, os aviadores aceitos estão no posto de capitão ou major. Cada integrante pode permanecer por até sete anos neste quadro de tripulantes.

Informações pela Agência Força Aérea – Tenente Jussara Peccini.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.

34 Comments:

  1. Vai comer mto à bordo… com a lista de compras desse avião que roda pela Internet hj…. é um verdadeiro restaurante voador….

  2. E nem precisou ser feminista pra conseguir isso tudo…. foi só estudar!

  3. Grande Cmte Carla, um exemplo de dedicação, muito sucesso!!

  4. Parabéns! Eu nem a conheço pessoalmente, mais fiquei extremamente emocionado com esse feito, aviação é apaixonante, ainda mais com uma história dessa.

  5. Nos faça um favor! Erre, e pule de para-quedas!!

  6. Parabéns Carla pela conquista!!

  7. Comandante do sexo feminino é muito comum tanto na aviação comercial quanto na militar, não sei o porquê dessa propaganda toda ! Vai ver muitos ainda acham que lugar de mulher é na senzala !

  8. Se pilotasse p a “presidenta”, seria pilota??

Comente