Príncipe saudita compra 80 assentos de um voo comercial para seus falcões.

Quando você é um príncipe saudita e seus pássaros precisam de transporte, o que você faz? Compra 80 assentos em voo comercial para que eles possam viajar tranquilamente. E tira uma foto, que com certeza vai viralizar na internet.

O príncipe postou a imagem em sua conta na rede social Reddit e, rapidamente, o assunto se espalhou. Outros passageiros certamente ficaram atônitos ao se depararem com oito dezenas de grandes falcões calmamente ocupando seus assentos.




As aves, que estão entre os mais eficazes caçadores do reino animal e capazes de voar a mais de 300 km/h, tiveram os olhos vendados, exatamente para que não agitassem demais durante o voo.

E transportar falcões no Oriente Médio é uma prática mais comum do que você pode imaginar. A falcoaria (quando se treina uma ave dessa para a caça esportiva), tem sido praticada na região por milhares de anos e atualmente continua sendo um passatempo dos Emirados Árabes Unidos. Alguns falcões podem custar até milhões de dólares, dada sua habilidade de caça.

Os falcões são também as aves nacionais dos Emirados, então faz sentido que as empresas aéreas os acomodem quando precisam ser transportados. Uma curiosidade é que os falcões possuem seus próprios passaportes para poderem viajar. Esse documento é válido por três anos e permite aos bichos voarem para Bahrain, Kuwait, Omã, Arábia Saudita, Paquistão, Marrocos e Síria.

A Flydubai somente permite que os falcões “voem” em seu assento individual e  que sejam colocados em um poleiro especial, para evitar acidentes. Na Qatar, você pode levar até seis falcões na classe econômica. A Etihad também permite desde que a ave esteja com seus documentos em ordem, e também aceita falcões como bagagem despachada, como diz em seu site.

Confira a postagem original do príncipe no Reddit.

My captain friend sent me this photo. Saudi prince bought ticket for his 80 hawks. from funny

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.