⁠⁠⁠⁠⁠Qatar pretende comprar 10% da American, mas CEO desta é contra.

A companhia árabe Qatar Airways pretende comprar 10% das ações da American Airlines, segundo a companhia americana confirmou ontem, quando foi avisada pelo governo dos EUA. Esse é um procedimento padrão quando alguém pretende comprar grande quantidade de ações de uma empresa de capital aberto nos EUA. Apesar da boa notícia e as ações da American terem disparado na abertura da bolsa de NASDAQ hoje pela manhã, o CEO da empresa é contra.




A Qatar pretende comprar 4,75% das ações diretamente na bolsa através de ações de investidores, sem negociações diretas com a American. Para comprar os 5,25% restantes das ações, será necessário aprovação do conselho da American Airlines. Vale lembrar que os EUA limitam a 25% o máximo de participação de estrangeiros em companhias aéreas.

A briga entre as aéreas ainda está longe de acabar

A decisão da Qatar é vista por alguns como um desafio frente à American Airlines, que é abertamente contra a companhia árabe. Juntamente com a Delta Airlines e a United Airlines, as aéreas americanas têm movido ações contra a Qatar, Etihad e Emirates, com acusações de subsídios ilegais para estas companhias vindos dos seus governos, principalmente sobre o combustível.

Os supostos subsídios ilegais estariam favorecendo as árabes, que conseguem oferecer uma passagem mais barata, prejudicando as americanas. Por sua vez, as empresas árabes alegam que as americanas estão perdendo passageiros pelo mal serviço oferecido ao passageiro.

O CEO da American, Doug Parker, enviou uma carta aberta aos funcionários explicando que não vê com bons olhos a compra da Qatar. Segundo ele, “Nós achamos intrigante esta atitude, visto que somos publicamente contra os subsídios ilegais recebidos por Qatar, Etihad e Emirates de seus governos. Nós mantemos nosso compromisso com esse esforço contra estes subsídios […], nenhum investimento pequeno vai desviar-nos de fazermos o que é certo para nossos funcionários, clientes e todos os acionistas.”

A Qatar se limitou a dizer “que vê uma grande oportunidade de investimento na American e procura ter um posição passiva na companhia sem envolvimento na administração, operação e governança”. A companhia árabe, que ainda sofre com sanções de seus vizinhos, é membro da aliança oneworld, a qual a American é membro-fundador.

Com informações da CNN Money.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.