Aviação vai além da manutenção para garantir segurança.

Líder Aviação 01

Prevenção é palavra de ordem quando se trata de segurança. E, nesse sentido, com relação à operação de aviões, os detalhes fazem a diferença. No Brasil, dados absolutos mostram redução no número de acidentes aéreos. Entre 2012 e 2014, houve queda de 18%, segundo o Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira, divulgado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

“Esses números refletem a eficiência de um trabalho feito no sentido de ampliar a segurança dos voos. Em qualquer parte do mundo, um profissional de aviação, ao ver um acidente fatal, sente-se, de certa forma, responsável por desenvolver iniciativas que garantam um atendimento mais seguro”, afirma a superintendente da Líder Aviação, Junia Hermont.

As ações desenvolvidas pelas companhias aéreas, a fim de melhorar a segurança em operações de voo, vão além de treinamentos oferecidos à tripulação e da manutenção das aeronaves. “Estimulamos nossos colaboradores a discutir sobre as melhores práticas da aviação e, assim, podemos antecipar ocorrências não desejadas. Além disso, promovemos ações de caráter educativo e de saúde mental”, explica Junia.

Entre outros, ela conta que, desde 2002, existe na Líder o Programa de Controle de Drogas e Uso Abusivo de Álcool. O projeto foi desenvolvido com o objetivo de identificar pessoas que tenham feito consumo de drogas, e, a partir dos resultados, resgatar os colaboradores nessa situação para o convívio social e profissional.

A superintendente da Líder explica que o trabalho de prevenção torna-se parte da rotina de todos os setores, do alto escalão até os colaboradores de cargos operacionais. “Se, de um lado, há um comitê de prevenção de acidentes com a presidência e os diretores, de outro, colaboradores se reúnem em seus departamentos para abordar questões de segurança, meio-ambiente e saúde ocupacional”, relata.

Além de um comitê de prevenção, a Líder conta com programas como o de Verificação de Conformidade de Procedimentos (VCP), que avalia periodicamente os processos internos, garantindo os padrões de segurança; ações de incentivo à produção e divulgação de relatórios de prevenção de acidentes (chamados de RELPREVs). Constantemente, a empresa também é auditada por órgãos certificadores para a manutenção de certificações como a IS-BAO nível II, emitida por um dos mais conceituados órgãos de aviação executiva do mundo.

“A preocupação com a segurança faz parte da cultura e da rotina de trabalho da Líder. Um exemplo disso é o Stop Card, um cartão fornecido a todos os colaboradores, autorizando-os a interromper qualquer atividade que julgarem inseguras, independentemente da posição que ocupam na hierarquia da empresa”, garante Junia.

Grupo brasileiro de segurança

Referência quando se trata das melhores práticas de segurança operacional, a Líder Aviação foi convidada a participar do Grupo Brasileiro de Segurança Operacional para a Aviação Geral (BGAST). Entre os membros, estão representantes de diversos setores da aviação geral, como operadores, fabricantes de aeronaves, oficinas, associações e escolas de voo; além da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

“Acreditamos que os espaços de discussão são essenciais para trabalharmos com padrões cada vez mais altos”, diz a superintendente da Líder. No BGAST, são promovidos fóruns sobre segurança operacional, sendo um espaço permanente de debate e fomento das melhores práticas no setor.

A participação da Líder foi definida em reunião realizada na representação da Anac, em São Paulo. Na ocasião, o Cenipa também apresentou alguns aspectos do processo de investigação de acidentes aeronáuticos; a postura do órgão na investigação de ocorrências com operações em desacordo com a regulamentação vigente e mostrou um panorama sobre a aviação geral.

Sobre a Líder Aviação

Com 56 anos de experiência no mercado, a Líder Aviação tornou-se a maior empresa de aviação executiva da América Latina. Com 1.800 colaboradores, 23 bases operacionais e frota de quase 100 aeronaves, a empresa oferece soluções completas em vendas, manutenção, fretamento e gerenciamento de aeronaves, atendimento aeroportuário, operações de helicópteros, reparo de pás de helicópteros e corretagem de seguros aeronáuticos.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é assessor de editoria do AEROIN.

Comente