Países árabes suspendem voos para o Catar sob acusações de terrorismo.

Alguns países membros da Liga Árabe suspenderam relações diplomáticas e fecharam suas fronteiras para o Catar, além de ordenarem que suas companhias aéreas interrompam voos para o país no golfo. Os Emirados Árabes Unidos (EAU), Árabia Saudita, Iêmen, Egito, Bahrein e Líbia tomaram essa decisão hoje, que afeta muito a aviação e economia na região, inclusive voos para o Brasil. Iremos atualizar esta matéria à medida que novas informações são confirmadas. 




As ações de hoje foram tomadas após duas semanas tensas na relação entre os países da região e o Catar. Tudo começou quando o site da conhecida TV Al Jazeera, que é do Catar, foi supostamente hackeado e uma notícia foi postada em nome do emir do país, o Sheikh Tamim, onde o mesmo teria afirmado que “não tem motivos para a hostilidade dos países árabes frente ao Irã, e a nossa relação com Israel é boa.” A declaração também tem citações favoráveis ao movimento Hezbollah, grande aliado do Irã.

A notícia teria sido postada logo após a visita de Donald Trump à região, onde se encontrou com o presidente egípicio e o rei saudita. A notícia original foi apagada e o governo do Catar negou a declaração, e falou que o site da Al Jazeera foi hackeado, mas isso não impediu que o site fosse bloqueado nos países citados acima. Agora, boa parte da Liga Árabe acusou formalmente o Catar de apoio ao terrorismo, fechando suas fronteiras e espaço aéreo para qualquer aeronave catari.

Como isso afeta os voos na região?

Países em amarelo cortaram relações com o Catar. | Arte: BBC

  • Emirados Árabes – Seguindo o seu governo, a Emirates Airline, Etihad Airways, FlyDubai e Air Arabia irão suspender os voos para o Catar a partir da meia-noite de hoje. Logo os voos da Qatar Airways também estarão proibidos de entrarem no espaço aéreo do EAU. Esta medida afeta diretamente diversos clientes da Qatar no Brasil, que muitas vezes têm como seu destino final as cidades de Abu Dhabi e Dubai.
  • Bahrein – A companhia aérea Gulf Air também confirmou que os voos de e para o Catar não serão realizados a partir de amanhã, dia 06 de Junho.
  • Egito – A Egypt Air informou que irá operar dois voos nesta segunda entre Doha e Cairo, suspendendo as operações para o Catar em seguida.

Além disso, os países acima emitiram uma ordem que todos os seus diplomatas e os semelhantes do Catar retornassem ao seu país em até 48 horas. Turistas e residentes cataris que estão nestes países terão até duas semanas para saírem.

Qatar Airways

Rota realizada pelo voo Qatar 773 hoje, detalhe para o mapa anterior que mostra os países que fecharam seu espaço aéreo para a companhia. | © FlightRadar24

A companhia aérea nacional do Catar de longe é a mais afetada. Até agora a mesma não soltou uma nota oficial, mas segundo reportes da BBC ela já suspendeu os voos para a Árabia Saudita. Além do bloqueio físico imposto nas fronteiras e aeroportos, a companhia deverá efetuar um grande desvio em diversas rotas, inclusive para o Brasil, devido aos espaços aéreos fechados para ela.

No caso dos voos para o Brasil, atrasos são esperados, já que a rota atual passa pela Árabia Saudita, e não sendo possível “contornar” o país devido aos seus vizinhos que também aderiram ao fechamento do espaço aéreo. Sendo assim a rota provável para o voo de e para São Paulo será pelo Mar Mediterrâneo, acrescentando um desvio estimado em 3 horas ou mais em relação a duração regular do voo.

Recomendamos que os clientes da Qatar Airways contatem imediatamente a companhia no Brasil através de seu site ou dos telefones 0800 777 2827, 0800 777 2829 para deficientes auditivos e (11) 2575-3000.

Para clientes Emirates que têm como destino final o Catar, também é recomendado o contato com a companhia nos meios citados no seu site.

Informações pela BBC e ch-aviation. 

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é piloto e Bacharel em Ciências Aeronáuticas. Formado em Design e Performance de Aeronaves pela California State University Long Beach e Segurança da Aviação pela Western Michigan University. Membro da AOPA e da AIAA.