Teca do Aeroporto de Curitiba registra alta no primeiro trimestre.

Imagem: Divulgação / Infraero.

O terminal de logística de cargas (Teca) do Aeroporto Internacional de Curitiba (PR) registrou crescimento de 7,4% na movimentação de volumes no primeiro trimestre deste ano ante o mesmo período de 2016. De janeiro a março, o complexo logístico processou 4.298,5 toneladas (t) de cargas, 299,5 t a mais que nos três primeiros meses do ano passado.




O destaque ficou por conta do setor de importação, que contabilizou 2.593 t de volumes movimentados, sendo os principais itens: equipamentos eletrônicos e de informática, além de artigos dos segmentos químico e farmacêutico.

O gerente de Negócios em Logística de Cargas do Afonso Pena, Hamilton Antonio Joanico, atribui a alta na movimentação à estabilidade do câmbio e à produção da indústria de tecnologia. “Com o país saindo da recessão, as indústrias tendem a produzir e importar mais, aumentando o volume de mercadorias que passam em nossos terminais de carga”, pontua.

Em 2016, o Teca paranaense apresentou alta de 4,69% na movimentação de cargas de exportação em comparação com o ano de 2015, com 6.582,3 toneladas armazenadas. O volume foi o segundo maior da Rede Teca Infraero, correspondendo a 18,39% da movimentação nos complexos logísticos administrados pela Infraero.

Complexo logístico

O Teca de Curitiba conta com uma área total de 34 mil m², sendo 17 mil m² de área construída e 3.364,96 m² para armazenagem. O espaço inclui câmaras refrigeradas e uma estrutura de 600 m² para o recebimento de cargas vivas. O terminal de cargas do Afonso Pena é um dos três complexos logísticos aeroportuários do Brasil aptos para o armazenamento de cargas vivas – os demais são os Tecas do Aeroporto de Viracopos (SP) e do Aeroporto do Galeão (RJ).

Entre os equipamentos disponíveis para a movimentação de cargas no Afonso Pena, há empilhadeiras a combustão e elétricas, transpaleteiras elétricas e manuais, niveladoras de docas, plataformas elevatórias, racks fixos, porta-paletes, trator, carreta de reboque tipo dolly, carreta de reboque tipo prancha, carreta de reboque tipo bagagem, balanças diversas, cofre, guincho para trator, equipamentos de raios x, varredeira e termohigrômetros.

 
Informações pela Assessoria de Imprensa da Infraero.
 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é assessor de editoria do AEROIN.