Tico Santa Cruz tenta justificar o desconforto que causou em voo da GOL. Veja!

IMG_5709
O músico Tico Santa Cruz publicou em sua página do Facebook sua versão do ocorrido no seu voo com destino a Maringá, pela GOL.

Apenas para contextualizar, ele disse em sua conta no facebook que tentou comprar um assento com mais espaço, mas não conseguiu e acabou pegando um assento comum. Na hora do embarque, viu que o assento da primeira fileira estava vazio e foi até lá. A tripulação então disse que era outro tipo de serviço e que ele não poderia ficar ali, sob pena de serem injustos com os demais passageiros. Mas ele não concordou, citando o Código de Defesa do Consumidor como defesa.

Concordamos que se trata de uma questão polêmica, mas as empresas estão amparadas na Lei, que diz que os assentos da primeira fileira são proritariamente para idosos e desabilitados, mas, na ausência desses a comercialização do assento é de escolha da companhia aérea.

Uma coisa é não concordar com a cobrança de taxas extras para assentos na primeira fileira ou na porta de emergência, outra coisa é agir para causar tumulto e polêmica por conta do que acha que é certo.

Leia a resposta dele e tire suas próprias conclusões.

 

Veja a versão do artista:

Vamos lá.
Primeiro: Consegui chegar em Maringá, o evento está confirmado.

Segundo: Meu advogado já preparou uma ação contra a GOL por conta do ocorrido. O constrangimento ao qual fui submetido e
Problemas decorrentes a este caso.

Terceiro: A GOL já tem histórico de processos perdidos pelo MESMO MOTIVO e inclusive multas aplicadas pela ANAC tendo em vista que essa operação onde há venda de “Assento conforto” é ILEGAL.

Segundo o código de defesa do Consumidor artigo 39 – inciso 10

Por fim, o atraso decorrente a atitude desproporcional por parte da equipe da GOL assim como do comandante da aeronave em me retirar da aeronave através de policiais Federais, mesmo após eu ter me direcionado ao local indicado por eles, não tem qualquer relação com o fato de eu ser FAMOSO ou ANÔNIMO. Qualquer cidadão deve ter seus direitos respeitados e a partir do momento em que eu não estava ocupado o LUGAR DE NINGUÉM e a motivação de tal ação tenha sido puramente por conta de uma cobrança ILEGAL, todo este transtorno poderia ter sido evitado! Mas servirá ao conhecimento dos Brasileiros que fazem uso dos aviões a informação de que as CIAS aéreas NÃO PODEM COBRAR TAXAS A MAIS POR ESTES ASSENTOS.

Se as pessoas pagam, o fazem por desconhecimento de seus direitos.

Lamento aos outros passageiros pelo ocorrido, mas de fato acredito que se houvesse o respeito à lei por parte da Companhia, nada disso teria acontecido.

E ressalto para concluir: O Assento estava vago, não havia nele nenhuma prioridade e não desrespeitei ninguém, mesmo tendo sido desrespeitado.

Sei que farão uso político desse evento no FB, mas eu não utilizarei tal ocorrido para justificar o que houve nesse episódio.
A Justiça dará a palavra final.

ticocol