Uma tarde no melhor restaurante para aviadores do mundo

proud bird

por Carlos Gabriel Martins e Alana Pereira, da Califórnia

Após uma ótima manhã de domingo fotografando aeronaves no Imperial Hill com um céu de brigadeiro – assim como é 90% do tempo no Sul da Califórnia – eu e minha parceira de spotting Alana Pereira decidimos almoçar, e o local já estava definido: o The Proud Bird Restaurant. Vale lembrar que esta visita foi feita em 2014, pouco antes do restaurante fechar para reforma, hoje já se encontra reaberto.




Saímos a partir da estação do metrô Aviation/LAX da linha verde, andamos alguns metros pela Aviation Boulevard, avenida que passa exatamente atrás da cabeceira das pistas 25L e 25R, dando uma pista do por quê do restaurante localizado naquela boulevard e ser tão frequentado por pilotos, comissárias e aviadores de todo o mundo quando vão a Los Angeles.

Logo na entrada é possível entender o seu nome, que da tradução significa “Pássaro Orgulhoso”, deparamos com um P-51 Mustang com a característica cauda vermelha do lendário esquadrão Tuskegee, primeiro esquadrão da Forca Aérea do Exército Americano a ter pilotos negros. Ao seu lado um Vought F-4 Corsair, mais atrás um SDB Dauntless e em frente a uma das salas do restaurante um britânico Supermarine Spitfire.

Paramos para algumas fotos das aeronaves na entrada e nos dirigimos ao restaurante onde o hoster nos recebeu informando que, por ser final de semana, teríamos o tradicional buffet com brunch (Breakfast + Lunch = Café da Manhã com Almoço) com champagne incluso, tudo por $37 dólares, preço o qual valeria muito a pena.

Logo após isso o funcionário nos dirigiu a uma das várias salas temáticas do restaurante, com vista para outras aeronaves e uma exclusiva para as aeronaves que pousam pela pista 24L do aeroporto de Los Angeles, um dos mais movimentados do mundo.

 

 

De imediato um garçom veio nos recepcionar, nos ofereceu a champagne e nos conduziu pelo buffet que tinha diversas opções de comidas – de peito de peru a caviar – com um menu bem ao estilo primeira classe da época de ouro da PanAm como o próprio garçom assim descreveu. A comida é espetacular!

Durante o almoço deixamos as câmeras próximas à janela prontas para o clique, repetindo aquele mesmo hábito que tínhamos no restaurante Viena, no Terminal 1 do Aeroporto Internacional de Guarulhos. Mas com toda certeza o tráfego era bem mais legal, recheado de 757s.

06

07

Airbus A321 da JetBlue procedente do JFK em um dos 6 voos diários da rota

08

Boeing 747-400F da Kalitta Air, assim como outros cargueiros, preferencialmente pousa na pista 24L/R devido às mesmas serem ao lado do imenso Terminal de Cargas

09

MD-88: será retirado de operação em 2018 e não será pintado no novo esquema da American

10

Em 2014 o Embraer 120 Brasília ainda nas cores antigas da United era o aviaõ brasileiro mais frequente no LAX

 

Boeing 757-200F da ATI Cargo com esquema de pintura do seu antigo operador, a Capital Cargo Intl.

Nem percebíamos o tempo passar em um ambiente tão gostoso para que gosta de aviação como a gente, ainda mais aliado a uma ótima vista e a uma comida incrível. Às 14h o garçom nos avisou que o Buffet estava fechando, porém estávamos convidados a ficar no restaurante.

Mais champagne e mais fotos depois, o garçom se aproxima, pergunta de como nasceu a paixão pela aviação e eis que faz uma pergunta ao melhor estilo saia-justa: “porque a presidente do seu país é ruim? Um tempo atrás vieram 3 pilotos da forca aérea do seu país e me falaram que não era boa e que o país estava afundando com ela”. Opiniões a parte tive que concordar com os meus colegas de espaço aéreo quando o assunto é o tratamento que o governo tem dado à área aeronáutica.

Ao falarmos que éramos aeronautas civis ele nos parabenizou já que ultimamente ele tem ouvido reclamações salarias e de excesso de horas trabalhadas por pilotos norte-americanos que frequentam o local, inclusive mostrou que atrás do restaurante tem um estacionamento que, à primeira vista, parece comum, mas ele chamou a atenção para um detalhe: a grande quantidade de trailers, estes segundo ele são a casa de muito pilotos que não tem condições de pagar hotéis/apartamentos e não moram na SoCal apesar da sua base ser em Los Angeles. Incrível.

15

O restaurante é um show à parte.

Após um ótimo papo com o garçom decidimos andar pelo restaurante, que por si só é um museu. Na sala onde almoçamos haviam diversas fotografias de aeronaves clássicas americanas, a maioria de fabricas nascidas na Califórnia e principalmente no entorno de Los Angeles.

No corredor principal tinham mais quadros com fotos além de outras pecas, muitos itens ali eram raros ou únicos, todos com uma descrição do avião ou fato histórico contidos nele. No lado direito do corredor tínhamos a história das maiores indústrias aeroespaciais americanas e no lado esquerdo, em ordem cronológica, a história da aviação militar norte-americana e suas guerras até o presente dia.

No corredor fomos abordados pelo gerente do restaurante que perguntou como tudo estava indo (tradição americana que é praticada até em fast-foods). Ao falarmos que achamos o local incrível e que, se possível, iriamos toda semana ali, além de recomendar aos nossos amigos brasileiros, ele ficou extremamente agradecido e disse que “fizemos o dia dele” com o elogio.

Aceitando o irrecusável convite do gerente, fomos para a parte externa do restaurante aonde tinham diversas aeronaves que marcaram a história da aviação.

 

 

DC3 x 737: Passado e Presente da Aviação Comercial. Abaixo o avião que ainda mantém o recorde de maior tempo na ativa e acima o único avião que aparentemente pode chegar no mesmo nível de longevidade.

23

Do gramado dentre as aeronaves estáticas e possível no final da tarde ver vários cargueiros, inclusive o DC-10F da FeDex, pouco mais de 100 ainda desse modelo ainda operam pelo mundo.

25

O restaurante encanta pelo acervo interno e externo, pela ótima comida, pelo atendimento de primeira classe e por uma vista incomparável, sendo até melhor que a do In-N-Out, na outra pista (este fica contra a luz durante todo o ano praticamente).

O Proud Bird é popular entre os entusiastas da área e tripulantes americanos mas às vezes passa desapercebido por muitas pessoas. Nós recomendamos, e realmente deve fazer parte do roteiro de quem visita o aeroporto de Los Angeles.

A essa lista incluímos também o Imperial Hill, In-N-Out e o Flight Path Museum (sobre este falaremos em breve).

Vale lembrar que os preços aqui como no restante do país não inclui as taxes (impostos), que no caso da Califórnia é de 9%. E outra coisa muito importante, não se esqueça de dar a tip (gorjeta) que não e obrigatório no estado mas pelo serviço oferecido é merecido.

ATUALIZAÇÃO: O restaurante hoje se encontra reformado, já está aberto ao público e ainda permite ótimas vistas. Mais informações no recém-inaugurado website do Proud Bird

Como chegar:

O The Proud Bird fica no número 11.022 na Aviation Boulevard, com fácil acesso de carro e para quem está a pé basta ir de metrô pela Green Line até a estação Aviation/LAX e andar em direção a rampa de aproximação que irá ver facilmente o restaurante.

O restaurante fica aberto de 11h as 20h no meio de semana e de 9h as 19h no final de semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *