“A Airbus vai lamentar o dia em que cancelou o A380”, afirma CEO da Emirates

Avião Airbus A380 Emirates

O presidente da Emirates Airlines, Sir Tim Clark, sempre foi um forte e solitário defensor do A380. Não por acaso, a companhia foi a única força motriz por trás do Airbus A380, com mais de uma centena de encomendas.

Sua 113ª aeronave A380 foi entregue na última segunda-feira, 11 de novembro, e estreou voando para o Brasil, enquanto outras sete aeronaves ainda estão por vir antes que o programa seja finalmente encerrado.

Mas, em entrevista ao Airline Ratings, entre críticas e provocações, Tim Clark disse que a Airbus se arrependerá pelo dia em que cancelou o programa do superjumbo, pois a economia global irá justificar novamente a viabilidade do gigante.

Quando perguntado se acredita que a Airbus vai repensar o cancelamento, Tim afirmou: “A Airbus vai lamentar o dia em que cancelou o A380. À medida que redefinimos a economia global, o que está acontecendo agora, a demanda aumentará novamente. Mas os problemas ainda serão os mesmos, os aeroportos não estão crescendo no ritmo necessário para acompanhar. Com aumentos de passageiros de 4% ao ano, 160 milhões de pessoas extras vêm à indústria todos os anos.”

“O A380 voltará a se destacar novamente nas operações maciças de rotas tronco. Mas a dificuldade é que você só tem aviões de 250 lugares para lidar com a demanda. Então, o que acontecerá é que a oferta de assentos será reduzida, e os preços subirão. No meio da próxima década, as tarifas aéreas aumentarão significativamente, já que o A380 tem 517 assentos, enquanto o 777-9 tem apenas 380 assentos.”

“A Air France nunca escalou, tem só 10 aeronaves”

Avião Airbus A380 Air France

O presidente da Emirates também não teve dó ao tecer críticas ao CEO da Air France e às demais companhias aéreas, que criticam a viabilidade do Airbus A380. Quando questionado sobre a opinião de que o avião de dois andares tornou-se difícil e obsoleto, Tim explicou que o A380 foi um desajuste para a Air France:

Eles nunca escalaram, eles só têm dez aeronaves. Sim, enfrentamos os mesmos problemas iniciais, mas lidamos com eles porque dimensionamos o suficiente para lidar com isso. Se você tem uma sub-frota de 10, é um pesadelo sangrento e os custos aumentam, ela está absolutamente certa. Mas se você tem uma centena deles, é um pouco diferente. Seus custos unitários ao operar com esse número são muito mais baixos do que apenas dez.”

O executivo ainda destacou que as empresas também não souberam fazer um bom trabalho em termos de oferecer um produto diferenciado com o superjumbo:

“Olhe para o interior deles. O que eles realmente fizeram para chocar sua comunidade de mercado com o A380? Por que foi a Emirates, depois da Singapore Airlines, que revolucionou o segmento em termos de chuveiros, bares e grandes telas de TV? Fizemos isso por uma razão muito bem calculada. Não foi para fazer graça. Simplesmente resolvemos assumir um risco enorme e um investimento enorme.”

Avião Airbus A380 Emirates Spa Banheiro Chuveiro
Spa a bordo no A380 da Emirates

Avião Airbus A380 Emirates Bar Lounge
No andar superior, no fundo do A380 da Emirates, um bar completo

“Toda a abordagem do A380 na Air France e na Lufthansa era apenas mais do mesmo. Eles perderam a oportunidade de realmente redefinir o mercado. Eles nunca encomendaram mais unidades. A British Airways não encomendou mais. A British deveria ter o mesmo número de A380 que nós, cem deles. Eles atingiram 62 milhões de passageiros no Reino Unido e um centro congestionado no aeroporto Heathrow, que teria funcionado facilmente.”

Avião Airbus A380 British Airways

“Do conceito à entrega, a Airbus levou 12 anos, isso é muito tempo”

Tim Clark ainda comentou sobre a possibilidade do A380 ter sido muito mais bem sucedido se a Airbus tivesse sido mais eficiente no desenvolvimento da aeronave. O CEO acha que a fabricante europeia perdeu um momento precioso do mercado:

“Se você olhar para o cenário econômico de meados da década de 1990 em que o A380 nasceu, era absolutamente a coisa certa a fazer, nada de errado com ele. Mas, do conceito à entrega, a Airbus levou 12 anos, é muito tempo, esse ciclo em nossos negócios é perigoso. Infelizmente, ele veio exatamente na hora errada. É uma pena.”

E quando questionado sobre qual teria sido o resultado do gigante operando desde meados da década de 90, ele detalhou através de uma comparação com o momento atual:

“Em meados da década de 90, a demanda por viagens aéreas disparou rapidamente, as margens eram muito altas. Vimos que nossas restrições de slots em Londres-Heathrow estavam realmente nos prejudicando. E é exatamente isso que está acontecendo agora. Tenho seis A380 diariamente em Heathrow e todos estão cheios. Se eu tivesse o modelo maior A380-900, que nunca foi construído, com os mesmos seis slots eles também ficariam cheios.”

Avião Airbus A380

“O A380 entrou em serviço conosco em 2008, quando os preços dos combustíveis dispararam até US$ 145 por barril. Entre 2008 e 2010, o setor aéreo entrou em colapso. Essa aeronave nunca teve uma chance, pois os responsáveis ​​das principais companhias aéreas do mundo eram muito avessos ao risco. Foi a Emirates que manteve tudo funcionando.”

“Foi um azar. Se tivesse sido lançado em 2004, teria recebido mais pedidos. Talvez fosse necessário alguém como eu, que convenci nosso acionista a comprar 150 deles. A maioria das operadoras comprava três, quatro ou dez, se tivessem sorte.”

“Eles preferem não tomar a decisão de comprar uma aeronave de US$350-400 milhões”

O CEO da Emirates também demonstrou que falta ousadia e coragem dos demais CEO’s pelo mundo para tomar decisões na hora de comprar aeronaves. Ele diz que todos perdem a oportunidade porque preferem gastar menos para guardar dinheiro em caixa:

“Se você tentar encaixar o A380 no pensamento atual da comunidade de companhias aéreas, com várias falências de companhias aéreas recentemente, poderá ver por que ninguém quer comprar o A380, então ele chegou ao fim. Os atuais CEO’s e seus conselhos estão agora acostumados a aeronaves menores, o que preferem, porque não precisam tomar a decisão de comprar uma aeronave de US$ 350-400 milhões. Eles podem comprar um por US$ 160 milhões, economizando combustível e marcando a caixa.”

“Quando eu voo de um A380 de Dubai para Los Angeles com 515 pessoas, ele queima 13 toneladas de combustível por hora, cerca de 200 toneladas para a viagem. Um Boeing 787-9 em nossa configuração transportaria 230 a 240 passageiros. Com dois voos do 787, que queima metade do combustível mas não chega aos 515 assentos, o custo de combustível por assento no A380 é mais barato que no 787.”

“Ainda hoje acredito no que está acontecendo em Dubai e nos mercados globais, que ainda existe um lugar para aquele avião. Os A330neos e o A350s são o próximo passo para alimentar esses A380s. Não precisa ser inteligente para perceber.”

“Sabemos que vocês estão sofrendo, nós não estamos”

Depois de falar tão bem sobre o A380, Tim foi questionado sobre por que então cancelou a última encomenda feita no ano passado. O CEO deixou bem claro que foi exclusivamente por culpa da Airbus:

“Em novembro de 2018, tivemos uma discussão adulta com Toulouse. Ficou claro para nós que Toulouse estava lutando com o avião. Eles teriam continuado a construí-lo, mas sob uma base sob medida que custaria uma fortuna. Dissemos: ‘Sabemos que vocês estão sofrendo, nós não estamos. O avião está indo bem para nós. Se vocês querem conversar, tudo bem, se não, cumprimos nossas encomendas’. Mas eles queriam conversar.”

Avião Airbus A380 Emirates

Por fim, o executivo falou sobre as perspectivas para o superjumbo na frota da Emirates ao longo da próxima década:

“Ainda teremos noventa, talvez cem A380 voando até o final da próxima década e estaremos pilotando o A380 até o início da década de 2030. Provavelmente 40 a 50 dos atuais A380 são alugados e voltarão aos arrendadores. Não existe mercado em segunda mão. Se decidirmos que precisamos deles, então pagaremos um preço que considerarmos que podemos pagar. Se eles não quiserem fazer isso, não faremos, porque os 777Xs estarão lá.”

“Quando houver um aumento na demanda a partir de 2022, com um crescimento anual de 4-6% em passageiros novamente, poderemos achar que queremos manter esses A380s, pois, sem eles, as restrições de slots se tornarão ainda piores.”

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Iberia passa a usar carrinhos de pushback de controle remoto

0
A companhia aérea de bandeira espanhola Iberia Líneas Aéreas, parte do Grupo IAG, está investindo em novas tecnologias que lhe economizarão milhares