Agentes federais usavam voos comerciais para contrabandear viagra

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Liam Neesom em filme da Universal Pictures

De acordo com uma nova matéria do Yahoo News, o Federal Air Marshal Service dos Estados Unidos está no meio de outra investigação, desta vez envolvendo o medicamento para disfunção erétil conhecido como Viagra.

Os Air Marshalls são agentes federais que voam em aviões comerciais infiltrados no meio dos passageiros. São cerca de 3.000 policiais armados designados para proteger voos contra ataques terroristas e atividades criminosas e tem reconhecida capacidade de tiro. Para tanto, eles são colocados em voos com maior potencial de terrorismo, de acordo com uma metodologia interna e confidencial.

Escândalos

No entanto, se por um lado eles são habilidosos para lidar com criminosos, por outro, eles são alvos constantes de investigações e escândalos. Como o Yahoo News aponta, as revelações são parte de uma história contínua de controvérsias e escândalos dentro da agência. Houve várias situações – incluindo um complô de assassinato de aluguel, um esquema de compra de armasacusações de discriminação contra minorias. Então veio o caso da agente que reorganizou voos para encontros amorosos, dentre muitos outros.

O programa, que atualmente custa mais de US$ 750 milhões por ano aos cofres públicos, teve seu mais recente escândalo envolvendo o comprimido usado em casos de disfunção erétil.

Pílula azul

Por ele ser mais barato fora dos Estados Unidos, vários agentes se viram com uma oportunidade de comprar a medicação no exterior e revendê-las nos EUA, aproveitando-se de seus cargos e de menor fiscalização na entrada ao país. A princípio, pensava-se que os agentes compravam os medicamentos como uma espécie da favor a outros colegas, mas os encarregados pela investigação dizem ter encontrado várias violações à Lei, incluindo a importação do medicamento para distribuição com lucro sem licença da FDA.

As investigações parecem estar em andamento e a entidade não quis dar detalhes ao Yahoo!, quando indagada. Para setores da sociedade e congressistas, esse é mais um motivo para examinar profundamente o serviço, que teve sua missão e eficácia atacadas por anos. 

Leia o relatório completo no Yahoo News.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Flybondi retomará voos a Floripa antes do que era esperado

0
A empresa argentina de baixo custo anunciou que Florianópolis será o primeiro destino internacional para o qual voltará, desta vez partindo