Santos Dumont poderá receber Airbus de maior porte

Operações atualmente no aeroporto são feitas apenas por aeronaves A318 e A319 (foto)

A Airbus recebeu a certificação da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para seu SHort AiRfield Package (SHARP), um pacote de combinações exclusivo de modificações em aerodinâmica, controle de voo, frenagem e software cujo objetivo é aprimorar os recursos de decolagem e aterrissagem do modelo A320neo em aeroportos complexos. A solução SHARP vai trazer uma nova eficiência às companhias aéreas brasileiras que operam no aeroporto Santos Dumont Airport (SDU) no Rio de Janeiro, como a Avianca Brasil e a Azul, permitindo que maximizem sua capacidade e rentabilidade.




Anteriormente o Airbus A320 pousou uma única vez no Aeroporto Santos Dumont, durante sua primeira visita ao Brasil em 1994. Na ocasião foi demonstrado para a VASP a sua capacidade de pouso em pistas curtas, porém com restrição de peso máximo de pouso e de decolagem. A VASP acabou por não optar pelo A320, e mesmo com maioria das aéreas brasileiras operando ele atualmente não era viável enviar o avião para o SDU devido a restrição, que agora não existe com o pacote SHARP.

 

O SDU é um dos cinco aeroportos que operam voos para turismo de lazer e negócios entre Rio de Janeiro e São Paulo, as duas cidades mais populosas do Brasil. A rota entre o SDU e o aeroporto de Congonhas (CGH), em São Paulo, é a quarta maior do mundo em termos de tráfego de passageiros e é muito lucrativa para as companhias aéreas brasileiras. Porém, operacionalmente, o SDU é um aeroporto desafiador. Sua pista de decolagem tem apenas 1.323 metros e encontra obstáculos nas duas pontas, o que reflete sobre o desempenho de decolagem e aterrissagem das aeronaves. A solução SHARP, disponível para aviões novos ou A320neos retrofit (reconfigurado), vai permitir que as companhias aéreas operem com capacidade máxima de passageiros nesse mercado estratégico.

A ANAC se junta a outras grandes autoridades aeronáuticas que já certificaram a SHARP em julho de 2017, como a Agência Europeia de Segurança Aeronáutica (EASA) e a Administração Federal Aeronáutica. A Azul, e a Avianca Brasil, logo em seguida, escolheram a SHARP para suas frotas crescentes de A320neo e são as duas primeiras companhias aéreas no mundo a contratar o pacote.

Modificação SHARP para o “Fairing Fillet Fairing” da asa que modifica o perfil da mesma, permitindo maior sustentação em velocidades baixas

A SHARP é resultado da colaboração entre a Airbus, seus clientes e os fabricantes de motores (CFM e Pratt & Whitney). Seu objetivo é aumentar a capacidade de carga para as companhias aéreas que operam em aeroportos complexos e garantir uma vantagem sustentável e competitiva às suas frotas de A320neo. Os componentes-chave do conjunto é uma modificação do painel composto Kevlar para o “Fairing Fillet Fairing” da asa para permitir o melhor desempenho de pouso e geradores de vórtices ligados ao plano vertical da cauda que melhoram o desempenho de decolagem.

A Avianca Brasil opera quase 50 aeronaves da Família A320, incluindo quatro modelos A320neo, dois modelos A330s e um A330 Freighter. A Azul encomendou 35 aeronaves e 28 compromissos com arrendatários da Família A320neo e, atualmente, opera oito modelos A320neo e seis A330. Com mais de mil aeronaves vendidas e um backlog de cerca de 450, quase 650 aeronaves Airbus estão em operação em toda a América Latina e Caribe. Nos últimos 10 anos, a Airbus triplicou sua frota em operação e, desde 1990, já concluiu mais de sessenta por cento de pedidos líquidos na região.

Pela Assessoria de Imprensa da Airbus

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos