Início Acidentes e Incidentes A330 desvia voo a 39 mil pés após fumaça de incêndios adentrar...

A330 desvia voo a 39 mil pés após fumaça de incêndios adentrar à cabine

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Airbus A330-300 Delta Air Lines

Um Airbus A330-300 da Delta Air Lines, com registro N806NW, realizava o voo DL-30 com origem em Atlanta e destino a Londres, quando teve que alternar devido a fumaça reportada na cabine. O voo ocorreu no dia 22 de outubro e o desvio aconteceu quando a aeronave cruzava no FL390 (39.000 pés, ou aproximadamente 12.500 metros) e estava próxima de iniciar a travessia do Oceano Atlântico, sobre espaço aéreo canadense.

A 260 milhas náuticas ao sul de Saint John’s, os comissários avisaram aos pilotos sobre uma estranha fumaça adentrando à cabine de passageiros. A fim de resguardar a todos, os pilotos procederam com as medidas de precaução e decidiram por alternar o destino e aterrissar para que o fenômeno fosse investigado.

Segundo o resumo do incidente, relatado pelo The Aviation Herald, os pilotos solicitaram ao controlador de tráfego aéreo um pouso em Saint John’s e foram prontamente autorizados. O pouso ocorreu normalmente na pista 29, 45 minutos após a solicitação de desvio na rota. Por precaução, os serviços de emergência do aeroporto estiveram a postos, mas não precisaram atuar.

Fogos selvagens

Logo após o incidente, levantou-se a suspeita de que a fumaça seria oriunda de fogos selvagens ou incêndios florestais que assolam a região do Colorado. A fumaça teria subido e sido levada pelas correntes de jato (fortes ventos na alta atmosfera), adentrando ao sistema de ventilação da aeronave.

Essa suspeita foi levantada pelo Centro de Controle de Gander, no Canadá, que reportou ter recebido, naquele dia, quatro ou cinco relatos de fumaça na cabine em outras aeronaves.

Ainda segundo o relato do The Aviation Herald, uma inspeção após o pouso constatou que não havia sinais de fogo, calor ou fumaça na aeronave. Todos os sensores estavam normais e a aeronave foi liberada cerca de três horas depois, quando seguiu viagem.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.