Acidentes e mortes na aviação de grande porte caíram pela metade em 2019

O número de pessoas mortas em grandes acidentes de aviões comerciais caiu em torno de 50% em 2019, mesmo com o acidente do Boeing 737 MAX na Etiópia em março, informou uma empresa de consultoria holandesa na data de ontem, 1º de janeiro.

Avião Airbus A340 Iberia

Segundo a Reuters, a consultoria de aviação To70 calculou que houve 86 acidentes envolvendo grandes aviões comerciais, sendo oito deles fatais, resultando em 257 mortes no ano passado. Em 2018, foram 160 acidentes, incluindo 13 fatais, resultando em 534 mortes, informou a empresa.

A To70 divulgou que a taxa de acidentes fatais para grandes aviões no transporte aéreo comercial de passageiros foi de apenas 0,18 acidente fatal por milhão de voos em 2019, ou uma média de 1 a cada 5,58 milhões de voos, uma melhoria significativa em relação a 2018. Os números de fatalidade incluem passageiros, tripulação aérea como comissários de bordo e qualquer pessoa morta em solo em um acidente de avião

Os grandes aviões de passageiros do estudo são aeronaves usadas por quase todos os viajantes de companhias aéreas em todo o mundo, mas excluem pequenos aviões de passageiros em serviço, como o Cessna Caravan e outros turboélices de pequeno porte.

A To70 disse que a indústria da aviação empregou um esforço significativo em 2019 “focando nas chamadas ‘ameaças futuras’, como os drones”. Mas as falhas do MAX “são um lembrete de que precisamos manter nosso foco no básico que torna a aviação civil tão segura: aeronaves bem projetadas e bem construídas, pilotadas por equipes totalmente informadas e bem treinadas.”

Imagem Reuters restos crash site ETH
Restos do 737 MAX da Ethiopian – Imagem: Reuters

A Aviation Safety Network disse na quarta-feira que, apesar do acidente com o MAX, o ano de 2019 “foi um dos anos mais seguros de todos os tempos para a aviação comercial”. As 157 pessoas mortas em março no voo 302 da Ethiopian Airlines foram responsáveis ​​por mais da metade de todas as mortes no ano passado no mundo inteiro em acidentes de avião de passageiros.

Nas últimas duas décadas, as mortes na aviação em todo o mundo têm caído drasticamente, mesmo com o aumento das viagens. Em 2005, o número era de 1015 mortes em voos comerciais de passageiros, informou a Aviation Safety Network.

Os números não incluem acidentes envolvendo voos militares, de treinamento, particulares, operações de carga e helicópteros.

Em 2017, a aviação teve seu ano mais seguro já registrado em todo o mundo, com apenas dois acidentes fatais envolvendo turboélices regionais, que resultaram em 13 mortes. Não houve nenhum acidente fatal de jatos de passageiros.

Na semana passada, 12 pessoas morreram quando um Fokker 100 operado pela companhia aérea Bek Air, do Cazaquistão, caiu perto do aeroporto de Almaty após a decolagem.

Em maio, uma aeronave russa Sukhoi Superjet 100 pegou fogo ao fazer um pouso de emergência no aeroporto Sheremetyevo, em Moscou, matando 41 pessoas. Nesse caso, a Rússia acusou criminalmente o piloto pelas mortes, veja os detalhes:

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.