Acre anuncia o menor ICMS de todo o país sobre o combustível de aviação

Aeroporto de Rio Branco – Imagem: Junior Aguiar / Governo do Acre

A partir de 2022, os aeroportos de Rio Branco e Cruzeiro do Sul, no Acre, além de Manaus (AM), Tabatinga (AM), Tefé (AM), Porto Velho (RO) e Boa Vista (RR), serão administrados pela iniciativa privada. Por meio de leilão promovido pelo governo federal, a empresa francesa Vinci Airports, do Grupo Vinci, ofertou lance de R$ 420 milhões e conquistou a concessão dos setes terminais localizados na Amazônia Ocidental pelos próximos 30 anos.

Com isso, no final de agosto o governador do Acre, Gladson Cameli, recebeu o diretor-presidente da Vinci Airports Brasil, Júlio Ribas, no Palácio Rio Branco. Durante a reunião, o gestor parabenizou a nova empresa pela ousadia de investir na região e assegurou o apoio institucional do Estado para a melhoria do setor aéreo acreano.

“Primeiramente, gostaria de dar as boas-vindas à Vinci e o meu muito obrigado por acreditar no nosso estado. Da nossa parte, estamos à disposição para firmar parcerias que resultem em benefícios para a nossa população. Contem com o governo para dar os incentivos possíveis e as condições necessárias no que diz respeito às melhorias do transporte aéreo”, afirmou.

Um dos estímulos garantidos na administração de Cameli às companhias aéreas é a redução do percentual de cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no combustível para aviação em voos diurnos. A taxa caiu de 25% para 3%, a menor do Brasil.

O governador falou ainda da relevância histórica da aviação para vencer as peculiaridades geográficas e também as grandes distâncias impostas na Amazônia. Segundo Cameli, é preciso avançar na interligação entre os estados da região com a retomada e estabelecimento de novos destinos.

“Não podemos mais aceitar que, para irmos até Manaus ou Boa Vista, por exemplo, tenhamos que viajar até Brasília. Vocês têm esse grande desafio pela frente e espero que possamos nos unir para encontrar uma solução definitiva. Essa conectividade já existiu no passado e precisamos que ela seja feita novamente”, frisou.

As prioridades da Vinci Airports

De acordo com Júlio Ribas, assim que a empresa assumir a gestão, estão previstos investimentos em melhorias nas pistas de pousos e decolagens e nos terminais de passageiros. O presidente da Vinci Airports Brasil confirmou ainda a grande expectativa em torno da experiência inédita de administrar os aeroportos das duas maiores cidades acreanas, bem como promover a integração entre os próprios estados do Norte e com as demais regiões do país.

“Estamos extremamente motivados com esse projeto e a nossa intenção é desenvolver o tráfego aéreo na região do Acre, para que os acreanos possam ter mais facilidade para voar, assim como mais pessoas venham conhecer o estado e mais oportunidades de negócio sejam concretizadas”, disse Ribas.

“A população pode esperar aeroportos funcionais, seguros e agradáveis. Uma das nossas maiores missões é promover uma mais conexão entre os aeroportos da Amazônia Legal. Está no topo das nossas prioridades retomar os voos regulares entre Rio Branco e Porto Velho, além de melhorar a conexão daqui com Manaus e o Sul do Brasil. Também queremos internacionalizar o aeroporto, para que no devido momento possamos ter voos para a Bolívia e Peru, por exemplo”, completou.

Atualmente, a Vinci Airports administra 45 aeroportos em 12 países da Europa, Ásia e nas Américas. No Brasil, a empresa opera o aeroporto de Salvador, na Bahia.

Informações do Governo do Acre

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Voos de Salvador para Buenos Aires serão retomados via Aeroparque

0
Dando sequência à recuperação contínua de voos, o Salvador Bahia Airport estará conectado novamente a Buenos Aires, na Argentina.