Início Acidentes e Incidentes Acusados pelo abate do voo MH17 estão em julgamento, mas Rússia e...

Acusados pelo abate do voo MH17 estão em julgamento, mas Rússia e Ucrânia não os extraditaram

Quatro suspeitos fugitivos foram a julgamento na Holanda nesta segunda-feira (09), acusados ​​pelo assassinato de 298 passageiros e tripulantes a bordo do voo 17 da Malaysia Airlines, abatido com um míssil de fabricação russa sobre o leste da Ucrânia em julho de 2014.

Boeing 777-200 da Malaysia Airlines – Imagem: Masakatsu Ukon [CC]

Os destroços do Boeing 777 caíram nos arredores da vila ucraniana de Hrabove, em território mantido por separatistas pró-russos que combatiam as forças do governo ucraniano.

Ele estava voando de Amsterdã para Kuala Lumpur quando foi atingido por um míssil terra-ar, e todos a bordo morreram na queda.

Os acusados

No ano passado, foram emitidos mandados de prisão para três russos e um ucraniano identificados por uma equipe de investigação conjunta liderada pelos holandeses (JIT), que passou vários anos coletando evidências.

O JIT inclui autoridades judiciais da Austrália, Malásia, Bélgica e Ucrânia, além de policiais e promotores holandeses.

Os russos Sergey Dubinsky, Oleg Pulatov e Igor Girkin e o ucraniano Leonid Kharchenko ocuparam altos cargos nas milícias pró-russas no leste da Ucrânia em 2014. O JIT disse que eles não dispararam o míssil, mas conspiraram para realizar o ataque.

Girkin, um nacionalista russo forte e endurecido pela batalha, foi ministro da Defesa na auto-declarada República Popular de Donetsk (DNR) na Ucrânia. Dubinsky, Pulatov e Kharchenko eram membros da unidade de inteligência militar dos separatistas.

Não comparecimento

O tribunal holandês na audiência de hoje – Imagem: AFP

Os réus estão à solta e não compareceram à audiência no tribunal de alta segurança perto do aeroporto de Schiphol, em Amsterdã, onde estão sendo processados ​​sob a lei holandesa.

Os dois países não extraditaram seus cidadãos, mas um dos russos tem uma equipe de defesa no tribunal, e o tribunal diz que também está preparado para aceitar testemunhos deles por meio de um link de vídeo. Na ausência deles ou de advogados, os juízes podem decidir que o julgamento seja realizado à revelia.

Eles também enfrentam alegações preliminares de obter um lançador de mísseis com a intenção de derrubar uma aeronave. A Rússia negou sistematicamente qualquer envolvimento ou apoio financeiro ou militar a rebeldes pró-russos na Ucrânia.

O porta-voz do presidente Vladimir Putin, Dmitry Peskov, disse que o Kremlin esperaria para ver como o julgamento ocorria antes de comentar, mas disse que a Rússia sempre teve dúvidas sobre a objetividade da investigação liderada pelos holandeses.

Descobrir a verdade

“O tribunal conduzirá seu trabalho de forma independente”, disse o primeiro-ministro holandês Mark Rutte a jornalistas na sexta-feira (06). “Este é um passo muito importante para descobrir a verdade e buscar justiça para as vítimas e seus sobreviventes”.

Rutte disse que o julgamento provavelmente não seria o fim do processo legal porque: “A investigação sobre o envolvimento de outras pessoas está em andamento”.

A queda da aeronave levou a sanções contra a Rússia pela União Europeia. Também aumentou a tensão entre a Rússia e as potências ocidentais, que a culparam pelo desastre, que matou 196 cidadãos holandeses, 43 malaios e 27 australianos, entre outros.

A maior investigação criminal da história holandesa reconstruiu minuciosamente os eventos anteriores a 17 de julho de 2014. A polícia e os promotores examinaram dezenas de milhares de evidências, incluindo vídeos, fitas de comunicação, imagens de satélite, fotos e postagens nas redes sociais, além da reconstrução da fuselagem do Boeing 777.

A fuselagem do Boeing 777 reconstruída

Lançador russo

O JIT concluiu em maio de 2018 que o lançador de mísseis “que derrubou o voo MH17 pertencia à 53ª Brigada de Mísseis Antiaéreos da Federação Russa”, baseada na base militar de Kursk, do outro lado da fronteira com a Ucrânia.

O Ministério da Defesa da Rússia disse na época: “Nem um único lançador de mísseis de defesa aérea das Forças Armadas russas jamais cruzou a fronteira russo-ucraniana”.

Mas entre as evidências estão imagens que traçam a jornada do lançador de mísseis, que atravessou a Ucrânia antes do desastre. Uma reconstrução apresentada pelos promotores mostrou que ele retornou à Rússia um dia depois com um míssil a menos.

Foram programadas duas semanas para o processo inicial do julgamento, que pode ser amplamente processual. Ele deve se estender ao longo de 2020 e talvez mais.

Sair da versão mobile