Aeromar desvincula-se da Avianca com investimento de sócios

O presidente da mexicana Aeromar, Zvi Katz, concluiu uma capitalização de $680 milhões de pesos ($35 milhões de dólares) para reforçar o equilíbrio financeiro da companhia aérea e terminar a parceria com o dono da Avianca, Germán Efromovich, que foi expulso do presidência do conselho da sua companhia aérea pelo seu credor United.

A companhia vem tomando medidas para impulsionar seu plano de crescimento até 2023, com uma frota atual de 10 turboélices ATR com apenas 2 anos e meio de idade média.

Após o cancelamento de rotas no ano passado para ficar com as 18 mais atraentes, agora planeja somar 14 novas rotas nos próximos 2 anos com 6 aeronaves adicionais.

Em relação às negociações que estavam em curso entre a Aeromar e o Grupo Synergy, a companhia afirma que o projeto foi perdido devido à falta de interesse apresentado pela empresa colombiana para tentar resgatar a companhia aérea mexicana.

No final de 2016, o Grupo Synergy anunciou sua intenção de adquirir até 49% das ações da Aeromar. O acordo permitiria à Aeromar adquirir mais aeronaves, mais rotas aéreas, melhores serviços e tarifas no mercado mexicano, informaram vários meios de comunicação locais.

Hoje a Aeromar tem uma força de trabalho distribuída entre 110 pilotos e 200 comissários de bordo, somando um total de mil trabalhadores em posições diretas e indiretas.

A Avianca está passando por uma crise que levou à falência da Avianca Brasil e sua saída da Argentina, e Efromovich e a família Macri estão em disputa judicial. Efromovich não pagou sua dívida adquirida quando chegou ao mercado argentino através da aquisição da companhia aérea da família do presidente do país, a Macair.

Informações pelo Reportur.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.