Aeroporto britânico lança sistema de bagagem de última geração

Sistema usa carrinhos robotizados para levar cada mala, separadamente. IMAGEM: Divulgação Manchester Airport Group

O Aeroporto de Londres – Stansted, um dos cinco grandes terminais que atendem a região da capital inglesa, lançou um dos sistemas de despacho e distribuição de bagagem mais avançados em operação. A administração do aeroporto informa que é o “sistema mais longo de seu tipo em funcionamento no mundo” e com velocidade de até 5 m/s.

O equipamento, na verdade, é uma ultra modernização do sistema anterior. A reforma foi iniciada em 2017 e levou quatro anos para ser concluída. A inauguração foi antecipada porque a baixa movimentação do aeroporto em razão da pandemia de COVID-19 tornou o ambiente mais adequado. A novidade marca a maior atualização da rede de bagagem do aeroporto desde a inauguração do terminal em 1991.

O novo sistema de manuseio de bagagens é totalmente automatizado e demanda baixo consumo de energia. Utiliza plataformas robóticas para carregar as malas individualmente. Foi projetado pela empresa alemã Beumer Group e batizado de ‘Beumer Autover’.

O sistema possui 2,4 km de trilhos e 180 carrinhos automatizados que substituíram o antigo modelo de correias transportadoras. Equipamentos de localização digital permitem identificar qualquer bagagem em cada etapa do processo de despacho. A obra custou £ 70 milhões (cerca de R$525 milhões).

6 minutos

De acordo com o aeroporto, as esteiras operam a velocidades de até 5 metros por segundo, o que significa que leva apenas seis minutos para transportar as malas desde o balcão de check-in até o embarque na aeronave, com o mínimo de interação humana, o que reduz o risco de extravios e furtos.

Embora grande, o equipamento é menor que o sistema que atende o Terminal 3 no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, que tem 5 km de esteiras e também é informatizado. No aeroporto britânico, entretanto, as malas são colocadas separadamente em carrinhos robóticos, em vez de serem depositadas diretamente sobre a esteira e acompanhadas eletronicamente.  

A capacidade de operação de Stansted também é menor, de aproximadamente 20 milhões de passageiros por ano, menos da metade do terminal brasileiro, mas o movimento ainda torna o equipamento inglês proporcionalmente mais eficiente.

Em comunicado à imprensa, Steve Radford, líder do programa de sistema de bagagem de porão do aeroporto de Londres Stansted, disse estar muito satisfeito por alcançar este marco tão importante. “Enquanto os passageiros simplesmente entregam suas bagagens no check-in para a viagem, abaixo do terminal está um sistema altamente automatizado e complexo que garante que a bagagem certa chegue ao voo certo de maneira contínua e segura”, disse o executivo.

O CEO do Beumer Group UK, Klaus Schäfer, elogiou o Aeroporto de Stansted por seguir sua estratégia e identificar a janela de oportunidade perfeita para remodelar a configuração do sistema de manuseio de bagagem.

“Isso agora significa que o aeroporto tem um sistema ‘à prova de futuro’ e uma grande flexibilidade integrada para os próximos anos”, disse ele. “A integração de um sistema de manuseio de bagagem de ponta a ponta não só permite que o Aeroporto de Stansted cresça e atenda seus clientes e passageiros de companhias aéreas, mas também o coloca na liga dos modernos terminais conhecidos por operar com um design de manuseio de bagagem muito eficiente para aumentar a rastreabilidade e a segurança da bagagem em todas as fases do processo de manuseio”, completou.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias

Inspirado por filme, falso sequestrador de avião enganou a empresa aérea...

0
Em 1971, voo da Qantas foi ameaçado por uma suposta bom a bordo, o que resultou em uma cinematográfica luta contra o tempo.