Aeroporto de Jacarepaguá (RJ) tem mudanças após vizinhos reclamarem do barulho

Aeroporto de Jacarepaguá – Imagem: Diego Baravelli / CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Atento às reivindicações dos moradores da Barra da Tijuca e de Jacarepaguá, bairros da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, principalmente quanto aos ruídos provocados pela aviação no entorno do Aeroporto de Jacarepaguá, o Departamento de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (DECEA) emitiu, no dia 12 de agosto de 2021, a Publicação de Informação Aeronáutica (Suplemento AIP) nº 93, elevando a altura das aeronaves no circuito de tráfego para pouso no referido aeródromo.

Tal medida contribuiu para a redução dos ruídos no aeroporto de Jacarepaguá, que opera das 5h às 22h, com capacidade máxima de operação na pista de 31 movimentos por hora, entre pouso e decolagens.

Ainda como forma de atuar diretamente na solução da problemática, uma comitiva do DECEA e do Centro Regional de Controle do Espaço Aéreo Sudeste (CRCEA-SE), liderada pelo Brigadeiro do Ar Eduardo Miguel Soares, esteve no Aeroporto de Jacarepaguá no dia 26 de agosto e reuniu-se com a administração aeroportuária; NAV Brasil (empresa responsável pelo tráfego no aeródromo) e representantes das empresas operadoras de helicópteros, com a finalidade de aumentar a consciência situacional sobre a questão.

A recuperação dos movimentos aéreos vem acontecendo gradativamente no Aeroporto de Jacarepaguá, que atende à aviação geral e provê apoio à atividade offshore, tão necessária ao desenvolvimento do pré-sal.

Dando continuidade à busca de alternativas a fim de mitigar o problema do barulho relatado pelos moradores, na manhã de 8 de outubro, o Brigadeiro do Ar Eduardo Miguel Soares, chefe do Subdepartamento de Operações do DECEA, e o Tenente-Coronel Aviador Diego, chefe da Divisão de Coordenação e Controle (DCCO), receberam uma comitiva da Petrobras, representada por Daniel Gago, gerente executivo de logística de exploração e produção; Carlos Eduardo Xavier Pinto, gerente de segurança e competência em aviação; engenheiro Thyago Hermeto; consultor Adilson da Silva Lemos Júnior.

Importante ressaltar que as atividades de prospecção e exploração de petróleo no litoral do País são desenvolvidas nas unidades marítimas (plataformas) localizadas nas áreas oceânicas, suportadas por infraestruturas de apoio baseadas na área continental.

A grande maioria das unidades marítimas são equipadas com helipontos para viabilizar o transporte de passageiros e cargas com agilidade. Os blocos de exploração e produção estão mais afastados da costa do Rio de Janeiro na Bacia de Santos e, por facilidades operacionais de segurança, monitoramento ambiental, resgate aeromédico, apoio e econômicas, o ponto de partida mais viável é o aeroporto de Jacarepaguá.

Estudando possíveis alternativas, o DECEA analisou a transferência do tráfego de helicópteros offshore para o Aeroporto Internacional Tom Jobim (GIG). Entretanto, tal possibilidade acarreta aumento, tanto na distância voada por parte das companhias áreas como em área voada sobre a região povoada na Zona Sul do Rio de Janeiro, além de impactar na operação do GIG e do aeroporto Santos-Dumont.

Assim, de maneira coordenada e em busca da melhoria contínua, o DECEA e a Petrobras continuam estudando a movimentação aérea de Jacarepaguá e procurando a melhor solução para a questão do ruído sem degradação da segurança operacional nos entornos.

Informações do DECEA

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias