Aeroporto de Madri pode se tornar o super-hub da Europa para os sul-americanos

Avião Boeing 787 Air Europa
Boeing 787 da Air Europa

A venda da Air Europa ao Grupo IAG, do qual faz parte a Iberia sua maior concorrente, poderá agitar o Aeroporto Internacional de Barajas, em Madri, consolidando-o como o principal centro de conexões para os passageiros sul-americanos que viajam à Europa.

Novas oportunidades

Atualmente, a Iberia já oferece um serviço amplo à região desde sua casa-matriz em Madri e o mesmo acontece com a Air Europa. Respectivamente, elas voam para 13 e 14 destinos na América do Sul num total de 300 voos semanais, segundo a OAG. Quando combinados os destinos, chega-se a 18 cidades atendidas – serão 20 no próximo ano – em 10 países diferentes, a saber: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

Destinos MAdri
Destinos combinados de Air Europa e Iberia em 2020

Durante a conferência para falar da proposta de aquisição da Air Europa, o CEO do IAG, Willie Walsh, fez questão de afirmar que obter uma maior liderança nas operações do Atlântico Sul foi um fator primordial para a decisão.

Super-hub de Madri

Para muitos sul-americanos, Madri é o lugar mais fácil de se chegar à Europa, seja pelo idioma, seja pelos preços. Além disso, hoje são duas empresas separadas, mas quando estiverem juntas, suas malhas aéreas ao redor do mundo serão ainda mais completas e isso tem o potencial extraordinário de transformar Madrid num super-hub para os passageiros que vêm do sul.

Além de não existirem tantas opções econômicas em outras cidades europeias, as taxas aeroportuárias da capital espanhola são muito mais baixas do que o restante da Europa ocidental. Portanto, os sul-americanos costumam voar para lá antes de embarcar em voos para cidades como Londres e Paris. A longa relação entre a Espanha e a América do Sul ajudou no processo, resultando na interconexão que os povos têm hoje. Com exceção do Brasil, o idioma comum facilita para os cidadãos de ambas as regiões realizar negócios ou turismo do outro lado do Atlântico.

Madri
Madrid do alto – Foto Michiel1972 (CC 3.0) via Wikipedia

Além disso, há um incentivo extra para muitos sul-americanos viajarem para Madri quando se trata de trabalho. De acordo com a Expatica, cidadãos de países “hispano-americanos” que moram na Espanha só precisam esperar dois anos antes de solicitar a cidadania, essa regra também aplica para brasileiros. Portanto, com uma conectividade maior entre as duas terras, muitos sul-americanos podem ser incentivados a usar a capital espanhola como porto de chegada.

Muitos países da América do Sul, como Bolívia, Chile e Venezuela, estão passando por incertezas políticas e econômicas no momento. Esses problemas dificultam a manutenção de um padrão de vida dos seus moradores atualmente, que podem buscar a sorte em outro país. O The Guardian relata que, devido à abordagem rígida dos Estados Unidos em relação à imigração, muitos latino-americanos estão escolhendo a Europa como o lugar a quem recorrer.

Região importante

No entanto, não são apenas os passageiros da América do Sul que estão usando a conectividade. Muitos cidadãos espanhóis estão se voltando para a América do Sul em busca de oportunidades. Por fim, a Argentina possui a maior quantidade de cidadãos espanhóis fora da Espanha, com mais de 400.000 cidadãos. O voo longo, porém direto, entre Madri e Buenos Aires, torna a migração muito mais simples.

Madri é um importante centro para as operações sul-americanas e está demonstrando possuir um potencial ainda maior. Será interessante ver o que o IAG faz com as novas oportunidades que lhes são apresentadas.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.